parceria cagece/ufc

Projeto visa combater o desperdício de água

Um dos objetivos do projeto consiste em racionalizar o atendimento, diminuindo o número de ocorrências, monitorando antes mesmo que elas aconteçam ( Foto: Fabiane de Paula )
01:00 · 01.05.2018

Causado até mesmo por um furo de poucos milímetros no encanamento, o desperdício de água continua entre as principais preocupações de empresas de abastecimento e universidades. Com o propósito de propor mecanismos para aprimorar a identificação desse problema, o projeto "Detecção de Vazamentos e Interação Tubo-Solo em Sistemas de Distribuição de Água", surge de uma parceria entre a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), e a Universidade Federal do Ceará (UFC).

Também participam da pesquisa a Universidade de São Paulo (USP) e duas instituições acadêmicas estrangeiras: a University of Cape Town, localizada na África do Sul, e a Zhejiang University, na China. A coordenação nacional é do Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental da UFC.

Para o coordenador de projetos técnicos da Cagece, Celso Lira, a parceria é nada mais que um trabalho multidisciplinar. "As quatro universidades envolvidas entram com a pesquisa acadêmica, e a Cagece colabora, dando um suporte a este estudo, seja tecnicamente, seja fornecendo dados ou pessoal qualificado para trazer mais benefícios", explica. A Cagece tem também um núcleo próprio de pesquisas.

A Companhia realiza, em prol da parceria, estudos de novas tecnologias para, posteriormente, aplicá-las e obter um melhor aproveitamento de água em todo o Estado. "Essa tentativa de inovação nós sempre fizemos, mas sempre queremos aprimorar, tornar superior. Buscamos também uma compreensão da interação solo-água para, ao final, oferecermos novos moldes para a detecção essencial de problemas como vazamentos", resume Celso.

Mais um objetivo do projeto consiste em racionalizar o atendimento, diminuindo o número de ocorrências, monitorando antes mesmo que elas aconteçam. "Essa detecção vai possibilitar uma diminuição no vazamento. É uma eficiência que já temos, mas que hoje se torna muito mais intensa", complementa.

O investimento no projeto "Detecção de Vazamentos e Interação Tubo-Solo em Sistemas de Distribuição de Água" será de R$ 1,6 milhão, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Do total, R$ 200 mil serão investidos no Brasil pelo CNPq; o restante virá de recursos dos países apoiadores, África do Sul e China.

A divulgação dos resultados do projeto será feita por meio da publicação de artigos científicos em periódicos internacionais, assim como em workshops internacionais, a serem realizados em cada país participante: em julho de 2018, na Cidade do Cabo (África do Sul), o segundo em Fortaleza e o terceiro na China, com datas a serem confirmadas.

Situação

De 2012 para cá, choveu abaixo da média no Semiárido nordestino. O volume atual em toda a região é de 12,7%, como demonstram os dados do Instituto Nacional do Semiárido (Insa). Mais da metade dos 452 reservatórios monitorados está com menos de 10% da capacidade total.

No Ceará, esse período foi igualmente difícil. Em dezembro de 2016 o Governo lançou, como ação para combater os males da seca e da crise hídrica decorrente, uma tarifa de contingência. Nos primeiros dois anos de existência da tarifa, houve 18,55% de redução no consumo de água por ligação em Fortaleza e na Região Metropolitana. Segundo a Cagece, o consumo médio do fortalezense foi de 11,03 m³ mensais de água durante todo o ano de 2017. Em 2016, essa média foi de 11,62 m³. (Colaborou João Duarte)

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.