Inclusão Econômica

Projeto viabiliza renda para deficientes visuais

Durante o mês de maio, é possível ser atendido por profissionais do Projeto em diferentes pontos de Fortaleza

O Projeto Visão nas Mãos, criado em 2016, e que atende 46 pessoas, fornece recursos para o aprendizado e prática da massoterapia ( Foto: Reinaldo Jorge )
01:00 · 05.05.2018

Em tempos de crise econômica e desemprego, determinados grupos sociais sentem os efeitos destas dificuldades de forma mais impactante. Com o objetivo de oferecer uma oportunidade de trabalho para deficientes visuais, o Projeto Visão nas Mãos fornece recursos para o aprendizado e prática da massoterapia.

Criada em 2016, a ação estimula o desenvolvimento inclusivo e atende, hoje, 46 participantes. "Isso proporciona uma atividade econômica que hoje auxilia na renda mensal de muitos. Temos exemplos de casais que são deficientes e vivem disso", relata Walter Gomes, coordenador de empreendedorismo e sustentabilidade de negócios da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico (SDE).

Para participar do programa, interessados devem entrar em contato com a organização do Projeto através do telefone 0800-081-4141. "Além de receber as informações sobre como funciona, é possível fazer um pré-cadastro para a gente entrar em contato assim que lançarmos uma expansão", explica o coordenador Walter Gomes.

Uma vez cadastrados, os participantes recebem consultoria, capacitação gerencial e disponibilização de material de trabalho, como cadeiras de massagem, macas e biombos. Também são distribuídos materiais de consumo a serem utilizados pelos massoterapeutas durante as sessões, como camisas padronizadas, toalha de rosto, mochila, loção hidratante, touca descartável, papel toalha, borrifador e álcool em gel. O processo de capacitação acontece em auditórios da Secretaria, e se estende por cerca de 20 horas de aula para cada turma.

"Todos nós fomos formados por diferentes instituições. A Secretaria ajudou a expandir o projeto. Quando eu entrei, já tinham alguns amigos participando pela inclusão social", diz o massoterapeuta Daniel Carvalho, de 30 anos, enquanto aguardava clientes na Praça Os Stressados, na Beira Mar. "É um complemento de renda. Alguns têm outras funções, outros atendem particularmente, varia muito. Eu só atendo aqui", revela.

Programação

Ao longo do mês de maio, os profissionais formados pelo Projeto oferecerão serviços de massoterapia em diversos pontos da Capital. Na Praça Os Stressados, os atendimentos acontecem diariamente, de 6h30 às 11h e de 17h às 21h.

No Mercado Central de Fortaleza, é possível receber as massagens em todos os sábados do mês, de 9h às 15h. No dia 30, a Controladoria e Ouvidoria Geral do Estado terá os serviços de 8h às 16h. O Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE)também receberá os massoterapeutas de 11h às 16h, em todas as quinta-feiras, exceto feriados. O Fórum Clóvis Beviláqua, a SDE, a Secretaria de Infraestrutura (Seinf) e a Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma), a Coordenadoria Especial de Relações Internacionais e Federativas (Cerif) e as Regionais I, II e IV também compõem a programação.

As sessões se dividem entre as categorias básica e completa, podendo custar 10 ou 20 reais, e o tempo de duração varia de 15 a 20 minutos. O valor cobrado pelos atendimentos é repassado integralmente aos profissionais. "Estamos em estudo para poder expandir o programa, é o nosso interesse incluir cada vez mais. O planejamento é adquirir novos equipamentos, novas cadeiras de massagem, e expandir isso para outros grupos de deficientes. Todas as pessoas com algum tipo de deficiência são público alvo em termos de inclusão econômica", afirma Walter Gomes. Segundo ele, apesar de um novo edital estar sendo planejado, ainda há espaço para novos participantes.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.