Praia do futuro

Projeto prevê retirada de barracas da faixa de areia

Segundo a Associação de Barraqueiros da Praia do Futuro, existem de 65 a 70 unidades em funcionamento

01:00 · 13.09.2017 por João Lima Neto -Repórter

Após reunião do Ministério Público Federal (MPF-CE) com o Instituto de Planejamento de Fortaleza (Iplanfor) e do Fórum Permanente para Requalificação da Praia do Futuro, no último dia 5, ficou definido que as barracas situadas na Praia do Futuro devem sair da faixa de areia. Segundo o coordenador do Fortaleza 2040, Fausto Nilo, será mudada toda a Praia do Futuro da Foz ao Porto. As barracas serão divididas em grupos de quatro por microrregiões com espaçamento de 800 metros. "São microrregiões distribuídas igualitariamente. Terá infraestrutura. Serão vistos acessos e estacionamentos", explica Nilo. O projeto será apresentado no dia 26 de setembro em reunião no MPF.

arte

"Todo mundo sabe que não é a melhor maneira de urbanizar, fazendo uma via na beira da Praia. Se faz, normalmente, com uma certa distância. Criamos os acessos de segurança com Polícia e de emergência para ambulâncias. Isso é indispensável. Mas você não tem mais aquela faixa de uma grande avenida asfaltada e cheia de automóveis. Isso pretendemos mudar, independente de barracas", explica.

Ainda segundo o coordenador do Iplanfor, o Fortaleza 2040 não trata só das barracas, mas projeta mudança em toda a orla de Fortaleza. "A gente considerou que as barracas precisam sair da areia. Ao mesmo tempo, descobrimos que não interessa colocar automóveis olhando para o mar. Carros não exigem isso. Você pode, numa bem organizada política de estacionamento, tirar os veículos da Praia", destaca Nilo.

O procurador da República no Ceará, Alessander Sales, um dos autores da ação, declarou que, na próxima reunião, a Prefeitura apresentará um protótipo de barraca a ser construída de forma padronizada. Apesar do avanço das conversas, Fausto Nilo acredita que o projeto ainda demore a sair do papel. "Isso é um projeto para ser executado em muitas décadas. Vai ter etapas de implementação. Provavelmente passará por uma operação urbana. Não é um projeto das barracas é um projeto do bairro. Deixa de ser um problema isolado", ressalta Nilo.

Discussão

De acordo com levantamento da Associação de Barracas da Praia do Futuro, ao todo, existem entre 65 a 70 barracas em funcionamento. Antes do início do processo do MPF para retirar os empreendimentos, em 2005, existiam 126, dos mais diferentes portes. Segundo a presidente da Associação dos Barraqueiros da Praia do Futuro, Fátima Queiroz, os barraqueiros estão abertos ao reordenamento desde que seja algo articulado entre as partes. "Queremos permanecer no mesmo espaço, atendendo a um projeto que delimite a área de atuação, de passagens, jardins e equipamentos. Mas sem demolir aquilo que está construído".

Conforme a presidente, as barracas hoje ficam a 120metros da faixa de Praia. Apenas cadeiras e mesas ocupam a areia. Sobre o projeto do Iplanfor, Fátima afirma que os barraqueiros estão analisando. "Não posso dizer ainda que tenho uma resposta em nome do grupo. A princípio, a gente observa que o Fortaleza 2040 é um projeto a longo prazo. Seria muito aplicável se não existisse nenhuma barraca na Praia. Da forma como está sendo proposto, teríamos de ir para a Avenida Zezé Diogo. Percebemos que essa execução é muito difícil economicamente. Temos um empreendimento todo pronto. Questionamos quem vai pagar por esse novo empreendimento", questiona.

Ainda segundo Fátima, é preciso avaliar os impactos de uma futura obra. "A Praia do Futuro ficaria desabitada. As obras durariam pelo menos dois anos de construção. Essa proposta do Fausto Nilo precisa ser discutida. Os empresários, de uma maneira geral, estão abertos para o ordenamento das barracas, mas não de forma tão radical. Esperamos que tenha um conjunto de ações com áreas verdes, que barracas abandonadas sejam demolidas e que tenhamos o ordenamento do comércio ambulante".

Linha do tempo

2 de dezembro de 2005:

MPF-CE e União pedem retirada das barracas

21 de agosto de 2013:

TRF-5 mantém barracas da Praia do Futuro,

15 de março de 2017:

Julgamento pela retirada das barracas da Praia do Futuro é suspenso

21 de março de 2017:

Advocacia-Geral da União defende demolição das 154 barracas da Praia do Futuro

5 de abril de 2017:

Justiça decide pela retirada de barracas irregulares da Praia do Futuro

11 de abril de 2017:

MPF fará estudo sobre situação das barracas

2 de Maio de 2017:

Fórum sobre requalificação da Praia do Futuro realiza primeira reunião

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.