meio ambiente

Praias da Capital ainda têm grande quantidade de lixo

Na faixa de areia da Avenida Beira-Mar, são coletados, diariamente, em média, cinco toneladas de lixo

Em comemoração ao Dia do Estudante, os alunos da Unifor usaram luvas e sacos plásticos para coletar os resíduos sólidos das praias da Capital ( FOTO: FABIANE DE PAULA )
01:00 · 13.08.2018

Pisar na areia da praia é muito mais do que ter um simples contato com a natureza ou o deslocamento dificultado, é sentir um pouquinho do pé afundar em uma área que, pelo menos no campo das ideias, deveria ser limpo e livre de qualquer perigo, uma vez que o mar exibe tranquilidade e segurança durante toda a faixa litorânea.

Contudo, não é em todo local que o simples ato de pôr o pé em terreno arenoso encontra profundidade suficiente antes de encontrar uma tampinha de refrigerante ou um pedaço de vidro. Na faixa de areia da Avenida Beira-Mar, a qual compreende pouco mais de 3km de extensão, são coletados, diariamente, cinco toneladas de lixo, de acordo com a Ecofor Ambiental - empresa responsável pela coleta de resíduos sólidos em Fortaleza.

Conforme a professora Lamarka Pereira, do Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária, da Universidade de Fortaleza (Unifor), as faixas de praia, normalmente, possuem muito lixo, independentemente de ser na Capital cearense ou em outro lugar do mundo.

"As pessoas que frequentam esses locais não têm uma consciência ambiental, não entendem que o lixo é propriedade delas e que elas precisam destinar da forma adequada. Muita gente ainda joga coisas e, dependendo da área, se não tiver atenção das pessoas que são do próprio lugar para avisar e fazer essa prática de conscientização, piora", acredita a professora.

Segundo a profissional da área ambiental, embora a Prefeitura venha realizando atividades de conscientização e limpeza, as pessoas precisam ajudar da mesma forma. "A coleta é extremamente importante e a educação ambiental também. Como a cidade é muito grande, há lugares em que a Prefeitura sozinha não consegue fazer e é aí onde entra a parte da população", ressaltou Lamarka Pereira.

Residuos

Hábito

Para o coordenador do Ecomuseu Natural do Mangue, que realiza semanalmente atividades de imersão ambiental na região da Praia da Sabiaguaba, Rusty de Sá Barreto, os detritos surgem a partir do hábito dos moradores e dos turistas. "Nós somos consumidores, geradores de resíduos. Há uma falta de compreensão das indústrias, empresas e consumidores. É muito fácil para as pessoas descartarem esses insumos. Por isso, acredito que não tenha uma praia 100% limpa até porque eu não acredito em lixo zero, acredito em lixo mínimo", afirma.

Conscientizar

Com a intenção de diminuir esse tipo de ação contra o meio ambiente e ajudar a conscientizar a população presente nas praias da Capital, a Fundação Edson Queiroz, por meio da Unifor, promoveu a ação "Praia Linda, Praia Limpa", com a presença de cerca de 200 alunos dos diversos centros de estudo da Instituição, no último sábado (11).

Em comemoração ao Dia do Estudante, os alunos da Unifor usaram luvas e sacos plásticos para coletar os resíduos sólidos presentes na Praia da Sabiaguaba, de Iracema, do Futuro e da Barra do Ceará. A atividade ambiental contou com a participação de empresários donos de barracas de praia, Prefeitura de Fortaleza, ambientalistas, além de policiais militares.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.