limpeza urbana

Pontos de lixo persistem em bairros de Fortaleza

Espaços públicos foram achados com rejeitos nas avenidas Domingos Olímpio e Perimetral, além do Porangabussu

01:00 · 09.08.2018 / atualizado às 14:32
lixo
Na Av. Domingos Olímpio, caixas, sacos plásticos, entulhos e restos de alimentos se aglomeram ao redor dos postes da iluminação pública ( FOTO: NATINHO RODRIGUES )

Diariamente, o aposentado João Maia, 66, pratica atividade física na Lagoa Porangabussu, no bairro Rodolfo Teófilo. A caminhada em torno da Lagoa que anteriormente era realizada duas vezes ao dia, corre o risco de acabar. O motivo, segundo conta, é o acúmulo de lixo ao longo do calçadão. "Aqui era para ser um local ideal para quem quer se exercitar, no entanto, há muito tempo o lixo tomou conta de parte do calçadão", relata o aposentado.

De acordo com a professora Kátia Soares da Silva, de 31 anos, os próprios moradores de condomínios que ladeiam a Lagoa não contribuem com a limpeza do local. "A coleta aqui não é constante. Isso é um fato. Mas, se a população não colocasse tanto lixo a situação poderia ser um pouco melhor", avalia a docente. Em outros pontos da cidade, o problema se repete. A reportagem percorreu vários bairros de Fortaleza onde identificou diversos focos de lixos.

Na Avenida Domingos Olímpio, uma das mais movimentadas de Fortaleza, caixas, sacos plásticos, entulhos e restos de alimentos se aglomeram ao redor dos postes da iluminação pública. No cruzamento com a rua Padre Mororó o acumulo já causa desconforto entre moradores e comerciantes.

Mapa colaborativo

Também enfrenta o mesmo problema no seu bairro? O mapa colaborativo abaixo mapeia os pontos de lixo em Fortaleza. Quer inserir o que está localizado próximo a sua casa? Nos envie pelo VC Repórter (85 989488712) fotos e o endereço detalhado do ponto de lixo para ser acrescentado no mapa.

O lojista Mauro Savóia avalia que o principal problema "é a falta de conscientização por parte da população". Em apenas dois quarteirões, a reportagem identificou três pontos de lixo. "Até há a coleta, mas toda manhã é comum a gente flagrar várias pessoas depositando lixo e entulho ao longo da Avenida", pontua o comerciante.

Na Avenida Perimetral as queixas dos moradores são as mesmas. Moradora do bairro há 35 anos, a aposentada Marta Maria de Jesus, 70, conta que flagra, com periodicidade, pessoas despejando lixo no canteiro central da via. "Hoje mesmo passou o carro da coleta, mas veja como já está o canteiro, cheio de lixo".

De acordo com o especialista em resíduos sólidos Albert Gradvohl, coordenador especial de limpeza urbana de Fortaleza, o problema dos pontos de lixo melhorou na Cidade no período dos últimos cinco anos, contudo ainda enfrenta problemas.

"Fizemos uma evolução muito grande, pois, por muitos anos, entre 2006 e 2013, houve uma acentuada evolução de pontos de lixo por uma coleta que deveria ser corretiva e terminou incentivando a população a usar as ruas para o lixo", pontuou o pesquisador, ao ressaltar que isso ocorria em razão da grande quantidade de vezes que os caminhões passavam nas ruas.

Conforme Gradvohl, a Capital tem apresentado índices importantes a partir da inclusão de políticas públicas como os ecopontos, ecopolos e o programa e-carroceiro - o qual paga por entulhos entregues nos ecopolos por carroceiros.

"Temos um resultado surpreendente, pois, em cada ecoponto, conseguiu-se eliminar todo o lixo num raio de 320 metros; o ecopolo provoca mudanças em um raio de 1,5 mil metros ao seu redor; e o e-carroceiro muda o processo de descarte de lixo", classificou, acrescentando que Fortaleza conta atualmente com 46 ecopolos e a ideia é ter 119 até 2020 (um por bairro).

Arte

Lei Municipal

Em 2015, entrou em vigor a Lei Municipal Nº 10.340/15 que dispõe sobre o descarte e destinação de resíduos sólidos por empresas. A lei determina que indústrias, empresas e equipamentos que produzam lixo acima de 100 litros por dia passam a ser responsáveis pela coleta e destinação dos próprios resíduos. De acordo com a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis), de janeiro a junho deste ano, já foram realizadas 612 atividades de fiscalização com 509 autuações por irregularidades encontradas.

Para alertar acerca da existência de pontos de lixo na cidade, ou denunciar descartes irregulares de lixo em locais inapropriados, a população pode entrar em contato gratuitamente com a Central de Fiscalização através do telefone 156, ou utilizar o aplicativo Central 156.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.