MAIO AMARELO

Pedestres são o foco de ação educativa da AMC

Em 2017, 37% das mortes por acidentes de trânsito em Fortaleza foram de pedestres, segundo a AMC

A ação da Autarquia Municipal de Trânsito (AMC) foi nomeada "Dê passagem para a vida" e faz parte da programação do 'Maio Amarelo' ( Foto: Helene Santos )
01:00 · 16.05.2018

Em meio ao trânsito agitado da Rua Barbosa de Freitas, um tapete vermelho ganhou a atenção de motoristas e pedestres que passavam pelo local. Isso porque, ontem, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) realizou uma ação educativa para incentivar o respeito aos transeuntes, colocando o tapete em cima da faixa de pedestres e os convidando a fazerem uma travessia segura.

A ação, nomeada "Dê passagem para a vida", faz parte da programação do 'Maio Amarelo', em que atividades educativas de trânsito são realizadas para reduzir as mortes de motociclistas e pedestres, que são as principais vítimas fatais de acidentes de trânsito. Segundo o gerente da Gerência de Educação da AMC, Nertan Rocha, a quantidade de mortes de pedestres em Fortaleza nunca havia ficado abaixo de 300, mas nos últimos três anos o número reduziu. Em 2017, segundo o gerente, 286 pedestres morreram, totalizando 37% dos óbitos de trânsito. Os motociclistas, no entanto, foram os que mais morreram no último ano, atingindo o percentual de 50%.

Prioridade

Rocha explica que as ações educativas são realizadas diariamente e no mês de maio elas são intensificadas. Atualmente, as atividades da AMC acontecem quatro ou cinco vezes por dia. O atendimento é feito em escolas, com palestras, além do hospital Sarah Kubitschek.

Este ano, o 'Maio Amarelo' tem como foco o pedestre. O primeiro lugar em que foi realizada a atividade de estender o tapete "Dê passagem para a vida" foi no Centro, próximo ao Paço Municipal. A próxima será perto do Terminal de Passageiros Engenheiro João Thomé, onde, segundo Nerton, há um grande fluxo de carros e pedestres. "A prioridade sempre é do pedestre. Ele é o ator mais frágil do trânsito e nosso objetivo com a educação é salvar vidas. Vamos continuar tentando conscientizar os motoristas para que eles tenham respeito pelo pedestre", afirma.

Durante o período da ação, que durou 30 minutos da tarde de ontem, muitos motoristas pareciam bravos, sem entender o que estava acontecendo, enquanto os agentes de trânsito sinalizavam a parada para os pedestres passarem. Um carro chegou a avançar enquanto uma mulher atravessava a rua.

Para Leandro Oliveira, taxista, o problema é a falta de educação dos motoristas e, por isso, a iniciativa de educar é sempre bem-vinda. "É uma questão até de cultura. Hoje, até na porta dos melhores colégios da cidade, você vê pais de alunos dando péssimo exemplo aos filhos e isso vai passando de geração para geração", opina. "Eu respeito o máximo que posso, há certas situações que a gente se sente constrangido pela falta de educação. Já aconteceu comigo de eu parar para um pedestre passar e outro motorista brigar comigo", relata o taxista.

Os transeuntes também agradecem e incentivam a ação de educação realizada. O empresário Wellington Moreira parou e observou, durante um tempo, o que estava sendo feito. "Eu achei interessante a parte que a AMC não está aqui para multar. Acredito que a atividade seja construtiva para o pedestre e também para o condutor do veículo. Aqui eles estão mostrando como o motorista deve proceder e também como o pedestre deve usar a faixa, que não é algo da nossa cultura", revela o empresário.

O gerente de educação da AMC concorda com Wellington no que diz respeito ao não uso da faixa pelo pedestre. O aconselhamento que Nertan deu foi que, ao atravessar fora da faixa, os transeuntes passem em linha reta, e não diagonal. Dessa forma, eles ficam menos tempo na pista e reduzem o risco de morte.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.