GREVE

Trabalhadores da Construção Civil fazem protesto na Praça Portugal

De acordo com a categoria, a intenção é que a greve continue, mesmo com uma ação declaratória de abusividade emitida pelo TRT

11:05 · 17.07.2017 / atualizado às 13:03
greve construção civil
Profissionais estão de braços cruzados desde o dia 6 de julho. ( FOTO: Kid Júnior )

Trabalhadores da Construção Civil, em greve desde o dia 6 de julho, realizaram novo protesto durante assembleia da categoria realizada na manhã desta segunda-feira (17), na Praça Portugal, no bairro Aldeota.

As negociações do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil da Região Metropolitana de Fortaleza (STICCRMF) com o Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon) estão em andamento. Na próxima quinta-feira (20), uma reunião junto ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 7ª Região, está marcada para tentar por fim às paralisações.

De acordo com tesoureiro do STICCRMF, Roberto Santos, a categoria exige o reajuste de 6% e ainda a inclusão do auxílio-combustível nos nefícios da categoria. De acordo com ele, somente em Fortaleza, cerca de 90 canteiros de obras estão fechados.

“O encaminhamento é que a greve continue, mas estamos abertos a negociação. O que está engasgado é a questão do reajuste de 4,5%, que eles [Sinduscon] estão ofertando, além do vale-combustível”. 

O Sinduscon emitiu uma nota que indicava abuso de greve por meio de uma ação do TRT. Na decisão, foi estabelecido que o Sindicato das Construção Civil se abstenha de:

1. Realizar bloqueio de acesso dos trabalhadores aos canteiros de obras das empresas  ou promover a invasão aos canteiros e danificação ao patrimônio;

2. Manter uma distância mínima de 200 (duzentos) metros do primeiro portão da obra;

3. Ameaçar ou constranger trabalhadores, bem como se abster de praticar qualquer ato danoso ao patrimônio das empresas representadas pelo autor.

Na Ação, está prevista multa de R$ 50 mil, por cada dia de descumprimento de quaisquer das determinações constantes na decisão. O Sinduscon/CE afirma que continua aberto à negociação da convenção coletiva dos trabalhadores da construção civil. Para o sindicato patronal, o sindicato dos trabalhadores ''insiste em uma pauta fora da atual realidade econômica do país, que inclui demandas extras, como o Vale Combustível''.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.