TRANSPORTE COMPARTILHADO

Taxistas pedem emendas em projeto para regulamentação de aplicativos

Os motoristas, mobilizados pelo Sinditaxi, fizeram carreata em direção à Câmara Municipal

11:41 · 02.05.2018 / atualizado às 12:40

 

Em torno de 100 motoristas de táxi se reuniram em manifestação nesta quarta-feira (2) pedindo celeridade no projeto de regulamentação de aplicativos de transporte compartilhado. Segundo a categoria, as emendas propostas para a Câmara Municipal buscam "igualar" motoristas na legalidade e exigências da profissão. Os motoristas deixaram a Arena Castelão em direção à Câmara Municipal de Fortaleza em carreata, onde entregaram um documento contendo todas as pautas defendidas. 

De acordo com Vicente de Paula, presidente do Sindicato dos Taxistas do Ceará (Sinditaxi), "nós não somos contra nenhuma regulamentação de aplicativo, só queremos igualdade e que a população saiba que está usando um transporte regulamentado". Entre as emendas sugeridas pela categoria à CMF, estão a exigência de uma porcentagem de veículos acessíveis, que possam transportar pessoas com deficiência, a exigência de carros com até cinco anos de uso e fiscalização efetiva pela Etufor. 

"Queremos mudar o tempo de carência para a troca de carros antigos, colocar de 2 anos para 6 meses, incluir os carros acessíveis e a fiscalização", coloca de Paula: "A lei dá direito ao prefeito fazer regras, colocar punição, colocar que o motorista passe por capacitação, da mesma forma que o taxista". A lei federal que regulamenta o o transporte por aplicativos entrou em vigor em 27 de março deste ano. De Paula acredita que o projeto, aqui na capital, seja votado logo: "Eu creio que nessa semana devem ser analisadas as nossas emendas pelos vereadores e tenho certeza que até o fim dessa semana, na próxima deve ser votado o projeto", projeta o presidente. 

Uber 

Em relatório exclusivo para o Diário do Nordeste, a Uber apresentou estudos comprovando que, com a regulamentação, os preços das corridas subiriam até 80%. As mudanças também acarretariam a saída de 10 mil motoristas.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.