Av. Dioguinho

Prefeitura apreende medicamentos ilegais em feira na Praia do Futuro

Os remédios eram vendidos sem receita médica e estavam armazenados em condições insalubres, próximo a contêineres de lixo

O material apreendido deve ser destruído em razão das condições em que estava armazenado ( Foto: Divulgação )
13:55 · 19.05.2018 / atualizado às 14:11
Entre os medicamentos apreendidos, estão: antibióticos, analgésicos, anti-inflamatório, antitérmicos e antifúngicos ( Foto: Divulgação )
A Prefeitura de Fortaleza apreendeu, neste sábado (19), 200 medicamentos que estavam sendo vendidos ilegalmente em uma feira no calçadão da Av. Dioguinho, na Praia do Futuro. Os remédios eram vendidos sem receita médica e estavam sem as condições mínimas de armazenametno sanitário, tendo sido parte encontrada próximo a um contêiner de lixo. O valor da mercadoria está estimado em R$ 5 mil.
 
Entre os medicamentos apreendidos, estavam antibióticos, analgésicos, anti-inflamatórios, antitérmicos e antifúngicos.
 
A apreensão foi realizada pela Agência de Fiscalização (Agefis), com apoio da Polícia Militar (PM) e da Inspetoria de Proteção Ambiental da Guarda Municipal. Ao todo, participaram da ação 12 agentes da Agefis, seis PMs e três guardas municipais.
 
Suspeitos fugiram do local
 
Segundo o inspetor da Guarda Municipal Anacleto Moreira, quando a equipe de fiscalização chegou ao local, os feirantes que vendiam os medicamentos ilegalmente fugiram. Até o momento, ninguém foi preso. Anacleto Moreira ressaltou, ainda, que a mercadoria estava dentro da validade, mas era armazenada em condições de insalubridade e pode ter sido contaminada.
 
Ainda segundo Moreira, o material apreendido foi encaminhado para a Secretaria Regional II e deve ser destruído em razão das condições em que estava armazenado.
 
A Prefeitura fará o rastreamento do lote da mercadoria para localizar e comunicar as indústrias farmacêuticas das condições e do modo que os medicamentos estavam sendo vendidos para encontrar e punir quem alimentava este comércio irregular.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.