Centro

Obras da José Avelino serão entregues nesta sexta (6) com nova sinalização para veículos

Segundo Roberto Cláudio, a Prefeitura vai sinalizar a proibição de estacionamento na via e fiscalizar eventuais irregularidades

09:59 · 03.10.2017 / atualizado às 10:12 por Áquila Leite
joseavelino
Prefeito diz que estacionamento irregular de veículos na Rua José Avelino ainda ocorre porque a proibição ainda não foi sinalizada ( Foto: Saulo Roberto )

Desocupada em maio deste ano, a Rua José Avelino, no Centro de Fortaleza, segue com alguns problemas visíveis, como a ocupação de veículos em um dos lados da via. Segundo o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, o transtorno deve acabar na próxima sexta-feira (6), dia em que as obras de revitalização do local serão oficialmente concluídas e uma nova sinalização será implantanda para proibir o estacionamento na rua.

Em visita ao Sistema Verdes Mares nesta terça-feira (3), o prefeito afirmou que o estacionamento irregular de veículos na José Avelino está ocorrendo porque "as obras ainda não acabaram e a sinalização da probição não foi feita". Conforme diz, a partir da próxima sexta-feira, porém, haverá fiscalização para carros e ônibus não causarem mais problemas às pessoas que circulam pela via. "Haverá também novas regras de ocupação do solo e um ordenamento dos espaços em torno dos galpões de comécio formal que existem no local. Não inauguraremos só a obra, mas também um novo padrão de ocupação daquele espaço", complementa.

O prefeito disse também que a reinauguração oficial das ruas José Avelino e Alberto Nepomuceno marcará uma nova realidade de oportunidades para o 'atacarejo', que, segundo ele, é a mistura do  atacado com o varejo têxtil de Fortaleza. "Estou apostando muito que será o pontapé de uma progressiva e contínua revitalização do Centro da cidade", opina.

Ambulantes não são problema

Ainda frequentada por alguns ambulantes, mesmo depois do fim da Feira que acontecia no local, a José Avelino não sofre mais com a ocupação irregular, afirma o prefeito. Para ele, a presença de alguns vendedores informais não é mais um problema a ser considerado pela Prefeitura. "Hoje o que ainda tem é residual. Em horário de pico, há, no máximo, de 30 a 40 ambulantes de calçada, com sacola na mão, comprando e vendendo mercadorias. O problema é quando havia uma feira com até 5 mil barracas ocupando as ruas da cidade, fechando o trânsito, gerando lixo e fazendo ligações clandestinas de luz. Isso, felizmente, não ocorre mais", ressalta.

Ainda de acordo com o prefeito, os agentes da Prefeitura que estão fiscalizando a via durante as obras de requalificação não têm enfrentado muitos problemas problema com ocupação indevida do espaço público, pelo menos no que diz respeito ao comércio informal. O que ainda há, segundo ele, é a concentração de pessoas do comércio formal, o que é normal e acontece em outras áreas do Centro.

Investimento

O projeto que prevê requalificação da Rua José Avelino está orçado em R$ 2 milhões. Foram realizados a desobstrução do sistema de drenagem e a construção de novos passeios. Houve ainda o projeto paisagístico, a restauração do pavimento - que permanece em pedra tosca da época - e nova iluminação.

Foram construidos, ainda, cinco faixas elevadas para pedestres nas ruas José Avelino, Baturité, Avenida Alberto Nepomuceno, Travessa Icó e no cruzamento das ruas Castro e Silva com Conde D'eu, facilitando o acesso de pedestres à Catedral Metropolitana de Fortaleza e ao Mercado Central.

Os ambulantes que foram prejudicados com o fim da feira na Rua José Avelino concorreram, no mês passado, a 522 boxes divididos entre o Centro Comercial dos Pequenos Negócios (Beco da Poeira) e o Mercado São Sebastião. As vagas contemplaram feirantes com baixo perfil socioeconômico que se cadastraram para participar do sorteio. Além das vagas, foram registradas 200 pessoas para cadastro de reserva.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.