Mais de 100 transplantes de médula óssea são realizados no Ceará - Cidade - Diário do Nordeste

Mais de 100 transplantes de médula óssea são realizados no Ceará

00h00 | 18.11.2013

Com a marca de 37 transplantes de médula óssea realizados este ano, o  Ceará chegou aos 104 transplantes desde 2008, quando o procedimento passou a ser realizado pelo Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), em parceria com Hospital Universitário Walter Cantídio, da Universidade Federal do Ceará (UFC).

O Hemoce está realizdo os procedimentos de seleção de pacientes e doadores para a realização de transplantes. FOTO: MIGUEL PORTELA/ ARQUIVO

Em outubro deste ano o Hemoce recebeu autorização do Ministério da Saúde para realizar transplantes alogênicos, em que o paciente recebe células sadias de outra pessoa. Com a autorização, o Hemoce já está realizando os procedimentos de seleção de pacientes e doadores para a realização de transplantes.

O Hemoce é responsável pelo cadastro de possíveis doadores de médula óssea no Ceará desde o ano 2000. A Hemorrede estadual possui cerca de 120 mil pessoas cadastradas no Registro Nacional de doadores de Medula óssea (Redome). Em 2012, o Hemoce, em parceria com o Hospital Universitário, foi autorizado a realizar a coleta em doadores para transplante de medula alogênico, não aparentado. O procedimento antes era realizado apenas nos hemocentros de Natal e Recife.

Foram 3 transplantes em 2008, 7 em 2009, 14 em 2010, 17 em 2011 e 26 em 2012, todos autólogos, em que o paciente recebe suas próprias células sadias. A expectativa do médico hematologista e coordenador do Banco de Cordão Umbilical e Placentário do Hemoce, Fernando Barroso, é de que este ano sejam realizados 40 transplantes de medula óssea no Ceará.

No Banco de Cordão Umbilical e Placentário há 140 amostras armazenadas, com a taxa de 80% disponibilizadas para transplantes. A média nacional é de 50%. Com a realização de transplante alogênico aqui mesmo no Ceará não haverá mais a necessidade de encaminhar pacientes para Atendimento Fora de Domicílio (TFD), em outros estados, como São Paulo, Santa Catarina e Rio de Janeiro. Segundo Fernando Barroso, o alcance de 80% de disponibilização das amostras para transplantes alogênicos deve-se, principalmente, ao rigor na seleção das doadoras e a qualidade da coleta e processamento das células tronco.

Entenda o que é médula óssea

A medula óssea é um líquido que fica armazenado dentro de alguns ossos do corpo e que tem como função produzir as células do sangue. O transplante de medula óssea é um tipo de tratamento para algumas doenças que afetam as células do sangue, como leucemia e linfoma. Consiste na substituição de uma medula óssea doente, ou deficitária, por células normais de medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula saudável.

O transplante autólogo é aquele em que o paciente recebe células sadias da própria medula. No transplante alogênico a medula vem de um doador. O transplante também pode ser feito a partir de células precursoras de medula óssea, obtidas do sangue circulante de um doador ou do sangue de cordão umbilical.

Comente essa matéria


Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa, S/N. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999