Lua Vermelha

Leitora registra eclipse lunar em Fortaleza

Este será o primeiro de uma série de quatro eclipses lunares que deve ocorrer, aproximadamente, a cada 6 meses

09:49 · 15.04.2014 por Redação Web
Lua |Eclipse
Os eclipses totais da Lua são pouco frequentes. O último registrado aconteceu no dia 10 de dezembro de 2011 (Clique na imagem para ampliar) ( Foto: Christine Leão )

A leitora Christine Leão registrou, na madrugada desta terça-feira (15), o eclipse lunar, quando a Lua ficou na sombra da Terra em relação ao Sol e ganhou um tom levemente avermelhado, razão pela qual o fenômeno foi chamado de "Lua de Sangue" e de "Lua Vermelha". O registro foi feito do bairro Farias Brito (também chamado de Otávio Bonfim).

A última vez que aconteceu uma série de quatro eclipses lunares totais foi entre 2003 e 2004, segundo a agência espanhola EFE. Este será o primeiro de uma série de quatro eclipses lunares que deve ocorrer, aproximadamente, a cada 6 meses. O fenômeno se repetirá apenas 7 vezes neste século. O próximo eclipse total está previsto para o dia 8 de outubro.

> Confira os pontos mais perigosos das estradas cearenses na Semana Santa
> Saiba o que abre e o que não abre durante o feriadão da Semana Santa
> Radar com proteção surpreende condutores

Confira quando devem acontecer os eclipses previstos para 2014:

- 15 de abril: Eclipse total da Lua – visível na parte oeste da África, na parte oeste da Europa, Américas, Austrália e leste da Ásia
- 29 de abril: Eclipse anular do Sol (quando a Lua fica na frente do Sol e se forma um "anel" do Sol em volta da Lua) – visível na Antártica e Austrália
- 8 de outubro: Eclipse total da Lua – visível nas Américas, na Austrália e Ásia
- 23 de outubro: Eclipse parcial do Sol – visível na maior parte da América do Norte, no México e na Rússia

Para o astrônomo Jair Barroso, pesquisador do Observatório Nacional, o desconhecimento sobre o universo é o que desperta essa fascinação pelos eventos astronômicos. “Apesar de toda tecnologia, de termos conseguido mandar naves para o espaço, conhecemos apenas um pedacinho do que nos cerca. Somos muito pequenos e a astronomia nos permite, a cada dia, uma descoberta nova”, concluiu o astrônomo.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.