Regularização

Governo entrega escrituras de imóveis a 1.037 famílias em Fortaleza

Contratos são referentes a imóveis construídos, financiados e quitados junto à Companhia de Habitação do Estado do Ceará (Cohab) ainda na década de 1980.

12:23 · 05.05.2018 / atualizado às 13:11

Mais de 1.000 famílias cearenses receberam, neste sábado (5), as escrituras dos imóveis onde vivem por meio do Programa Papel da Casa, do Governo do Estado em parceria com o Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE). Ao todo, 1.037 documentos de transferência de propriedade foram entregues a moradores do Conjunto Ceará, Tancredo Neves, Conjunto José Walter e de outras comunidades de Fortaleza. 

A entrega das escrituras aos beneficiados foi feita pelo governador Camilo Santana em evento nesta manhã. Segundo o gestor, os contratos são referentes a imóveis construídos, financiados e quitados junto à Companhia de Habitação do Estado do Ceará (Cohab) ainda na década de 1980.

"O Governo criou uma política de redução de pagamento de taxas, isenção em algumas delas, para que pudesse regularizar a moradia de pessoas que adquiriram imoveis através da Cohab. É o sonho de famílias que há decadas esperam essa documentação e agora vão poder dizer que a casa é delas por direito", disse o governador. 

Imóveis irregulares

Até o fim do ano, segundo Camilo, o Governo deve entregar mais 10 mil escrituras por meio do programa. A longo prazo, a meta é regularizar todos os imóveis da Capital que hoje se encontram em situação irregular. Conforme o governador, o percentual de residências nessa situação em Fortaleza pode chegar a 70%

"Historicamente, as grandes capitais brasileiras têm algo em torno de 70% dos seus imóveis ainda não regularizados", afirmou o governador. "Esse trabalho será contínuo, não só com habitações adquiridas através da Cohab, mas também com imoveis em assentamentos precários que foram ocupações no passado ou que participaram de políticas de distribuição de terrenos para construção de habitações", destacou Camilo. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.