IMUNIZAÇÃO

Fortalezenses voltam a lotar postos em busca da vacina contra H1N1

Desde cedo, pessoas formam longas filas em unidades de saúde da Cidade, em bairros como Dionísio Torres e Cidade 2000

No bairro Cidade 2000, muitos pais aproveitaram o sábado para levar os filhos para tomarem a vacina ( Renato Bezerra )
10:38 · 05.05.2018 / atualizado às 14:15
No posto de saúde Miriam Porto Mota, no Dionísio Torres, muitas pessoas reclamavam da demora no início dos atendimentos ( Renato Bezerra )

Assim como no último fim de semana, os fortalezenses voltaram a lotar os postos de saúde da Capital, neste sábado (05), em busca das vacinas de imunização contra a Influenza A (H1N1). 

Em visita à unidade básica de saúde Miriam Porto Mota, localizada no bairro Dionísio Torres, na Regional II, a reportagem se deparou com uma fila quilométrica formada por muitas crianças e idosos na área externa da instituição. 

Expostas ao sol, muitas pessoas reclamavam da demora no atendimento, iniciado somente às 10 horas, após a distribuição das senhas por volta das 9h40. Alguns, inclusive, informaram estar na fila desde às 5h30, pois não sabiam do horário de funcionamento do posto.

De acordo com a Secretaria de Saúde do Estado (Sesa), 19 unidades de saúde irão abrir as portas hoje em Fortaleza para realizar a imunização. Antes, apenas sete aderiam à campanha aos fins de semana. O objetivo da ação, segundo a Pasta, é fortalecer o combate ao vírus, que já causou pelo menos 21 óbitos no Ceará. Em uma semana, a quantidade de mortes quase dobrou no Estado.  

h1n1

Cidade 2000

O Posto de Saúde Rigoberto Romero, no bairro Cidade 2000, reuniu um público ainda maior, formado em grande parte por adultos com crianças de colo. Cerca de 2 mil vacinas chegaram ao local por volta das 10h e o atendimento foi iniciado imediatamente.
 
Aguardando em quatro filas diferentes, idosos, trabalhores, crianças e cadeirantes eram divididos em sete salas de vacinação, o que permitia uma melhor organização no processo de atendimento. 
 
No local, também havia quem estivesse na fila desde às 6h. Foi o caso da aposentada Salomé Amaral, 66 anos, que aguardou cerca de quatro horas até conseguir atendimento na unidade de saúde. Esta foi a terceira tentativa, já que nas anteriores a vacina sempre acabava antes de chegar a sua vez.  
 
São Cristóvão
 
No posto de saúde Francisco Melo Jaborandi, no Conjunto São Cristóvão, o movimento era mais tranquilo, com uma fila menor composta basicamente por crianças.
 
Como a unidade de saúde recebeu 100 doses da vacina nesta sexta-feira (4), o atendimento foi antecipado hoje para as 8h. Às 10h, chegaram mil doses e são esperadas outras mil até o fim do dia.
 
São João do Tauape
 
No posto de saúde Irmã Hercília Aragão, muitas pessoas, entre idosos e pais com suas crianças também chegaram cedo para garantir a sua dose. Apesar do horário de funcionamento ser a partir das 10h, o local abriu suas portas para o público às 8h para esperar as doses no horário previsto das 10h. Ao todo, 3.500 foram entregues no estabelecimento
 
Até 13h, 877 pessoas foram imunizadas. A previsão é manter a mesma médias dos últimos três sábados, de 1.500 vacinações. Amanhã, estão previstas mais 1.000, com funcionamento de 8h às 17h. "Eu acredito que até o próximo sábado o foco ainda vai ser o grupo de risco", segundo a gestora do posto, Maria Eli Lima. Ela ressalta da importância de levar o comprovante que faz parte do grupo prioritário, seja profissional ou de saúde, para garantir a vacina. 
 
h1n1

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.