vacinação

Dia "D" contra Poliomielite e Sarampo tem tranquilidade na Capital

No Posto de Saúde Paulo Marcelo, no Centro, e no Centro de Saúde Escola Meireles, no bairro homônimo, as filas eram pequenas

13:02 · 18.08.2018 / atualizado às 13:26
Vacina
No Posto de Saúde Paulo Marcelo, no Centro da Cidade, havia poucas pessoas na fila e atendimento rápido ( Foto: Natinho Rodrigues )

O auxiliar administrativo Luiz Eugênio de Oliveira, 47, acordou mais cedo neste sábado (18) por uma boa razão. O filho Jimmy, de três anos, ainda não havia tomado a vacina que previne as doenças como Poliomielite e Sarampo no período de Campanha Nacional definido pelo Ministério da Saúde. 

No Dia "D" de imunização, Jimmy e a família foram ao Posto de Saúde Paulo Marcelo, no Centro da Cidade, e encontraram poucas pessoas na fila e atendimento rápido. "É ótima essa campanha, toda vida que tem, eu trago o caderninho dele pra que a moça olhe se tá bem direitinho. Tanto que tem uma que tá atrasada, que é a vitamina A, mas ele vai tomar agora junto com a da campanha pra ficar atualizado", explica o pai, Luiz Eugênio de Oliveira. 

O posto mais popular do Centro abriu às 8h à espera de crianças entre zero e abaixo de cinco anos para receberem a dosagem contra as doenças da Campanha. De acordo com a vice-coordenadora da unidade, Mazé Carvalho, foram disponibilizadas 460 doses para o local e mais dois minipostos geridos pelo Paulo Marcelo (um no Poço da Draga e outro no Centro).

"Está uma procura na medida do possível até alta. Ontem, parecia dia de campanha, a procura foi muito grande. Hoje, eu até imaginei que seria menos por causa da semana que foi muito lotada", afirma a vice-coordenadora, ao pontuar que, caso faltem dosagens, haverá reposição.

Segundo Mazé Carvalho, os pais precisam se atentar para o documento de saúde da criança. "Eles tem de trazer o principal, que é o cartão de vacina. Sem o cartão, fica meio difícil, mas, se ela tiver nessa faixa etária, a gente naõ pode deixar de vacinar", argumenta.

No Centro de Saúde Escola Meireles, no bairro homônimo, até o meio-dia deste sábado, foram vacinados pouco mais de 60 crianças. Na fila de espera para a imunização, a publicitária Silvandira Cavalcante levou o filho Ednardo Weyne, de quatro anos, em razão da necessidade da imunização. 

"Acho importante manter as vacinas em dia, principalmente já que está tendo esse surto de sarampo. Ele já tomou a vacina, vai apenas tomar a dose extra só para garantir", afirmou a mãe. 

As vacinas

As crianças que ainda não tomaram nenhuma dose da vacina contra a Poliomielite serão vacinadas com a Vacina Inativada Poliomielite (VIP); quem já tiver tomado uma ou mais doses, deverão receber a gotinha (Vacina Oral Poliomielite - VOP). 

Em relação ao Sarampo, todas as crianças devem receber uma dose da vacina tríplice viral, independente da situação vacinal. As que tenham sido vacinadas nos últimos trinta dias não necessitam de uma nova dose.

O Brasil passa, atualmente, por surtos de sarampo em dois estados do País: Roraima e Amazonas. Até 14 de agosto, de acordo com o Ministério da Saúde, 910 casos foram confirmados no Amazonas e 296 em Roraima. Os órgãos oficiais avaliam que os casos estão relacionados à importação do vírus por meio de imigrantes da Venezuela, cuja situação epidemiológica enfrenta surto da doença desde o ano passado.

Cobertura

No Ceará, 193.823 doses foram aplicadas até a sexta-feira (17), conforme dados do Ministério da Saúde, correspondendo a 19,04% do público-alvo para poliomielite e 19,02% para sarampo. 

A quantidade de aplicações das vacinas das duas doenças pelo público-alvo no Ceará é a maior do Nordeste brasileiro até o momento. O Estado, a nível nacional, só imunizou menos que Rondônia (45% para Polio e 43,8% para Sarampo); Amapá (23,2% e 23%, respectivamente); Espírito Santo (23% e 22,4%) e São Paulo (28,3% e 27,9%).

A campanha iniciou no dia 6 de agosto e segue até 31 do mesmo mês a fim de alcançar 95% de todas as crianças dentro da faixa etária necessária.

No Estado, há 2.397 postos fixo de vacinação distribuídos por todo o território cearense, além de 1.100 postos volantes e 1.100 veículos terrestres. Em Fortaleza, são 111 postos de saúde da Capital abertos, bem como minipostos em supermercados, igrejas e associações. O horário de funcionamento de todos esses locais segue até 16h30. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.