Equipamento

Centro de Diabetes e Hipertensão inaugura brinquedoteca para auxiliar crianças em tratamento

A ação faz parte das iniciativas de comemoração aos 30 anos de atividades do centro

20:09 · 15.05.2018 / atualizado às 20:35
BRINQUEDOS
A brinquedoteca foi pensada como um local para as crianças que estão à espera do atendimento. ( Foto: Fabiane de Paula )

Um lugar colorido e aconchegante no meio do Centro Integrado de Diabetes e Hipertensão (CIDH), do Governo do Estado do Ceará, a brinquedoteca é agora mais um elemento para receber melhor os pequenos pacientes que se tratam de diabetes tipo 1, puberdade precoce e baixa estatura no Centro. A inauguração da brinquedoteca do CIDH, que agora completa 30 anos de atividades, faz parte das programações propostas pela gestão em comemoração ao aniversário. O equipamento busca auxiliar no tratamento das crianças oferecendo formas de diminuir o estresse, ansiedade e medo que podem afetar os jovens pacientes em tratamento. 

Segundo a endocrinologista e diretora do CIDH, Adriana Forti, o centro tem cadastrados mais de 1.700 pacientes de diabetes tipo 1, entre crianças, jovens e adultos. "Os pacientes diabéticos infanto-juvenil podem vir diretamente aqui que são atendidos. É a única população que a gente atende por demanda espontânea porque é uma população que a gente tem um departamento que é todo selecionado para isso".

A brinquedoteca foi pensada como um local para as crianças que estão à espera do atendimento, que pode ser, por vezes, desconfortável. "A brinquedoteca é uma estratégia educativa. A gente vai procurar fazer, através do brinquedo, que eles aprendam cada vez mais, e é também uma maneira de eles relaxarem. Brincar sempre é diversão, então ao invés de eles estarem numa sala de espera vão ter um lugarzinho para ficar", explica a diretora. 

O Centro Integrado de Diabetes e Hipertensão atende, por mês, cerca de 250 crianças com diabetes tipo 1 e 500 com puberdade precoce e baixa estatura. As crianças passam por uma triagem e são encaminhadas para os profissionais e serviços específicos para a patologia. Lá elas são acompanhadas pelos médicos e recebem os medicamentos, como insulina e análogos de insulina. "Eles têm a medicação e tem o atendimento pela equipe interdisciplinar. Tem muita procura, a população que atendemos aqui é grande", comenta Adriana. 

A mãe da pequena Yasmin (10), que faz tratamento de puberdade precoce no Centro, conta que o acompanhamento próximo dos profissionais passa mais confiança para quem procura ajuda. "Aqui as pessoas tratam bem a criança, são atenciosas, não te deixam esperando", disse Elisandra Wolff. A mãe acredita ainda que a brinquedoteca foi um ganho importante para o bem-estar dos pequenos: "a gente já vem com a criança ansiosa porque vem para uma consulta. A medicação na maioria das vezes é injetável. Então ter essa atenção para a criança é muito bom, já faz com que ela fique mais tranquila e se sinta confortável no ambiente". 

Outras programações 

Para comemorar os 30 anos de atividades o CIDH está promovendo uma programação voltada para a educação de profissionais e pacientes sobre as patologias tratadas pelo centro. "A gente resolveu fazer, de qualquer jeito. Para a comemoração, nessa fase em que a saúde está tão problemática no País, procuramos fazer só com atividades educativas, atividades que dependessem do profissional para realizar, independentemente de ter ou não recurso", explicou a diretora do CIDH. 

Além da brinquedoteca, o centro está promovendo cursos para pacientes que estão há muito tempo afastados da instituição. Os cursos, que tem a proposta de ser interativos, práticos, são sobre as patologias que tem cada paciente. Já aconteceram dois eventos com cerca de 60 participantes em cada turma. A gestão promove também workshops, reuniões e conversas para falar em termos de qualidade de vida e auxiliar os pacientes no manejo da doença, "para que cada vez mais eles conheçam e sejam motivados a participar do tratamento, já que é uma patologia crônica que vão ter que conviver para o resto da vida", completa Forti.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.