Notificação compulsória

Ceará não contabiliza mortes por chikungunya em 2018

Até a semana epidemiológica 13, dengue acumulou 697 casos e quatro óbitos; outras 16 pessoas foram contagiadas pelo zika vírus

10:46 · 08.04.2018 / atualizado às 11:46
mosquito
Já a dengue acumulou 697 casos em 35 municípios, sendo 8 deles considerados graves ( Fábio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil )
Responsável por 173 óbitos no ano passado, a febre chikungunya ainda não fez vítimas no Ceará em 2018. Conforme a última atualização semanal doenças de notificação compulsória, que abrange os casos confirmados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação Compulsória (Sinan), do Ministério da Saúde, neste ano foram registrados 342 casos até a semana epidemiológica 13, que compreende o período entre 1 de janeiro e 31 de março. No ano passado, foram 103.007 casos confirmados em todo o estado.
 
No entanto, outro arbovírus — doença transmitida por picada de mosquito — já gerou vítimas. Nas primeiras semanas, a dengue acumulou 697 casos em 35 municípios, sendo 8 deles considerados graves e com o registro de 4 mortes (três em Fortaleza e um em Solonópole). Em 2017, foram registrados 24.879 casos, com taxa de incidência calculada em 277,6 por 100 mil habitantes.
 
No que diz respeito ao zika vírus, foram contabilizados 16 casos, sendo 6 em mulheres gestantes. A transmissão do vírus pode resultar na microcefalia, uma malformação congênita que não permite desenvolvimento adequado do cérebro de crianças.
 
Em Fortaleza, atualmente, estão sendo executadas 18 ações prioritárias no intuito de combater as doenças oriundas do Aedes Aegypti, baseadas no Plano 2018 do Comitê Permanente Intersetorial de Enfrentamento às Arboviroses. Atualmente, a Prefeitura está conduzindo um estudo que analisa os fatores de risco associados aos óbitos, excesso de mortalidade, taxa de cronicidade, componente neurológico e formas de transmissão. No total, foram liberados R$ 500 mil para o financiamento do projeto. Neste ano, 495 pessoas foram vítimas de arboviroses na Capital. 
 
Além do estudo em curso, foram desenvolvidas uma série de ações estratégicas e preventivas em âmbito municipal para o enfrentamento ao mosquito no ano passado, como a vigilância e o controle do vetor, monitoramento de imóveis, inspeção de pontos estratégicos, entre outros. Ao todo foram realizadas 2.174.907 visitas domiciliares (casa a casa no combate à larva) e 82.819 visitas domiciliares especiais (mutirões), além de outras atividades de combate. As ações foram executadas em meio a um dos piores cenários epidêmico de arboviroses registrado nos últimos 30 anos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.