Nesta segunda-feira

Caminhoneiros realizam protesto nesta manhã e bloqueiam Anel Viário, próximo à Ceasa

Manifestantes reivindicam redução no preço dos combustíveis. Ato causa grande congestionamento no local

09:04 · 21.05.2018 / atualizado às 14:37
Durante o ato, os caminhoneiros queimaram alguns pneus e pararam seus veículos próximos à via, bloqueando alguns trechos. ( Foto: José Leomar )

Uma manifestação de caminhoneiros bloqueou, no início da manhã desta segunda-feira (21), um trecho do Anel Viário próximo à Central de Abastecimento do Ceará (Ceasa). Nas primeiras horas do dia, um grande congestionamento já se formava no local, tendo em vista que o tráfego ficou parcialmente comprometido nos dois sentidos da via.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), quatro equipes foram deslocadas ao local para auxiliar no trânsito próximo à manifestação, que reuniu cerca de 50 caminhões. Os agentes relizaram alguns desvios para tentar normalizar a situação nesta manhã, que já contava com mais de de cinco quilômetros (km) de congestionamento.

"Foram realizados os seguintes desvios: 1) Sentido Caucaia - Fortaeza, na rotatória da Ceasa, evitando que os caminhões sigam pelo Anel Viário (BR-020); 2) Sentido Fortaleza - Caucaia, desvio pelas vias locais no sentido Pajuçara (esquerda) ou Centro (direita)", informou a PRF.

A manifestação desta manhã reivindica a redução no preço dos combustíveis, que passaram por uma série de aumentos nas últimas semanas. Durante o ato, os caminhoneiros queimaram alguns pneus e pararam seus veículos próximos à via, bloqueando alguns trechos.

Boa Viagem
 
Em Boa Viagem, na BR-020, também ocorre protesto de motoristas de caminhões pipas, com uma interdiçaõ total da via, na altura do Km 201, por volta das 11h50. A manifestação, que reivindica a redução no preço dos combustíveis, é pacífica. Uma equipe da PRF se encontra no local. 

Movimento Nacional

Os caminhoneiros também paralisam outras rodovias pelo País nesta segunda-feira (21), em protesto contra o aumento nos preços do diesel. A categoria já havia prometido a paralisação na semana passada se não fossem atendidas uma série de reivindicações apresentadas ao governo federal.

Na manhã desta segunda-feira, são registrados atos em ao menos outros sete Estados: São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia, Espírito Santo, Paraná e Rio Grande do Sul.

Em São Paulo, na zona leste da capital, a Avenida Jacu-Pêssego, no sentido Ayrton Senna, próximo à Rua Jaime Ribeiro Wrigth, estava com duas faixas interditadas por volta das 8h, de acordo com informações da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Na Marginal Pinheiros, zona sul, no sentido Castelo Branco, pouco depois da Ponte Octavio Frias de Oliveira (Estaiada), a manifestação ocupava quatro faixas no mesmo horário.

Em razão dos reajustes diários no diesel, os caminhoneiros autônomos dizem estar trabalhando no limite. Nos últimos 12 meses, o diesel subiu 15,9% no posto. O aumento é resultado da nova política de preços da Petrobras, que repassa para os combustíveis a variação da cotação do petróleo no mercado internacional, para cima ou para baixo. 

A reivindicação dos caminhoneiros é apoiada pelos donos de postos de combustíveis, que dizem estar perdendo margens com os aumentos de preços. Segundo o presidente da Fecombustíveis, Paulo Miranda Soares, o setor vai sugerir ao governo a redução dos impostos sobre os combustíveis e também que a Petrobras faça o reajuste em intervalos maiores. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.