Rede municipal

Após 23 dias, professores de Fortaleza encerram greve

Nesta sexta-feira (11), os professores deverão retornar às escolas e será estabelecida uma proposta de reposição das aulas

19:20 · 10.05.2018 / atualizado às 19:31
professores
Os professores da rede estadual decretaram a greve no dia 18 de abril ( Foto: José Leomar )

Os professores da rede municipal de Fortaleza decidiram, na tarde desta quinta-feira (10), em assembleia, pelo encerramento da greve da categoria iniciada no dia 18 de abril. A decisão teve como base a negociação, realizada durante a manhã, entre a Prefeitura de Fortaleza e os representantes do Sindicato da União dos Trabalhadores em Educação do Ceará (Sindiute). No acordo, o Município se comprometeu a atender algumas solicitações da categoria, dentre elas: o pagamento do Piso Salarial 2018, de 6,81%, divididos em três parcelas.

Nesta sexta-feira (11), os professores deverão retornar às escolas e será estabelecida uma proposta de reposição das aulas. A opções a serem feitas são de aulas aos sábados, quinto tempo ou prorrogação do ano letivo.

Segundo a presidente do Sindiute, a assembleia desta quinta-feira (10), ocorrida na Praça José Bonifácio, no Centro, contou com a participação de cerca de 1.500 professores. Para ela, a proposta apresentada pelo Município “contempla uma grande parte da pauta dos professores. Apesar de continuar sem cumprir a Lei do Piso no que diz respeito a dada base, que é janeiro”. Isto porque, o reajuste, conforme acordado será dividido em três parcelas: janeiro (2,95%), julho (1,86%) e novembro (1,86%). O piso será garantido integralmente no décimo terceiro e esse reajuste será estendido ao assistentes da educação infantil.

Reformas das escolas

Outro ponto pactuado, segundo a representante sindical, foi a composição de uma comissão envolvendo a Secretaria Municipal de Educação e o Sindiute para propor e acompanhar um Projeto de Requalificação do Parque Patrimonial das Escolas. “A Prefeitura concordou que o sindicato indique as escolas a serem reformadas”, explica Ana Cristina. Além disso, ela aponta que todas as escolas deverão receber uma verba emergencial de 10 mil reais cada para manutenção imediata das edificações. O objetivo, garante a presidente do Sindicato, é atender emergencialmente as 500 unidades escolares da rede.

Também foi acordado, conforme Ana Cristina, a organização de um protocolo de direito de greve. O acordo de anistia de greve deverá ser elaborado, contemplando alguns pontos como: anistia da multa de 10 mil reais por dia de greve, atribuída ao Sindicato; garantia dos professores substitutos de reposição das aulas, sem prejuízo e orientação aos gestores das escolas acerca da acolhida cordial e respeitosa no retorno dos professores após a greve.

Uma reunião deve acontecer às 17h de sexta-feira (11) para que o prefeito Roberto Cláudio assine o acordo proposto e a categoria possa organizar o cumprimento da proposta.

Confira algumas propostas acordadas entre Prefeitura e professores:

  • Manutenção da regência de sala em 20%;

  • Reajuste de 10% na Gratificação de Dedicação Exclusiva;

  • Regulamentação de políticas de Assédio Moral;

  • Regulamentação da lei de redução da jornada dos profissionais da educação de mães ou pais de crianças especiais;

  • Inclusão dos assistentes da educação infantil para a Gratificação de Incentivo a Lotação

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.