Adesões à greve dos PMs avançam de minuto a minuto e já passam de 3500, diz associação

Atualizada às 16h40min

08:30 · 30.12.2011 por Felipe Lima

O presidente da Associação dos Praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar do Ceará (Aspramece), Pedro Queiroz, afirmou que a greve da categoria será mantida por tempo inderteminado e frisou o número de novas adesões, que já passam de 3500.  

"Temos mais de trê mil e quinhentos profissionais em greve e a cada minuto esse número aumenta. Em relação ao Réveillon, se o Governador sentar conosco até amanhã pela manhã, daremos o sangue para manter nosso planejamento de segurança na Praia de Iracema", pontuou André.

O presidente da Aspramece também adiantou que será lançado um comercial que mostrará a população cearense os motivos da paralisação.

"Estamos finalizando a arte e, possivelmente, lançaremos esse comercial neste sábado (31), relatando o porquê de não fazermos a segurança do réveillon de Fortaleza", destacou o presidente.

Ainda de acordo com o André Queiroz, o número de militares que aderem a manifestação da categoria é crescente e o governador Cid Gomes não realizou nenhum contato com a classe grevista até o momento. 

A greve teve início na noite desta quinta-feira (29) após assembleia geral da categoria. A classe exige melhorias na carga horária de trabalho.

Viaturas paradas

Cerca de 130 viaturas do Ronda do Quarteirão de Fortaleza estão paradas nas redondezas da 6ª Cia do 5º BPM. Policiais, bombeiros e agentes da Autarquia Municipal de Trânsito, Serviços Públicos e de Cidadania de Fortaleza (AMC) aguardam um acordo com Comando da PM e o Governo do Estado.

Com este número, a paralisação de policiais em Fortaleza é quase total. Já em Caucaia, na Região Metropolitana, todas as viaturas do Ronda estão paradas.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metropolitana de Fortaleza (Sindiguardas), Márcio Cruz, se a Polícia Militar decidir não realizar a segurança no Réveillon, a Guarda Municipal também não dará apoio.

Pneus esvaziados

Vinte e seis viaturas da Polícia Militar tiveram os pneus esvaziados durante o início da manhã desta sexta-feira (30) em forma de protesto. Na noite desta quinta-feira (29), um grupo de policiais e bombeiros anunciou a paralisação da categoria.

De acordo com o Relações Públicas da Polícia Militar, tenente-coronel Fernando Albano, a movimentação da tropa é considerada tranquila. ?Torcemos que essa reação se normalize mais ainda para tranquilidade da população. A tropa é consciente e sabe que existem regras a serem cumpridas?, afirma.

O oficial afirmou que a paralisação dos profissionais é ilegítima. ?Tudo que ferir normas é considerado ilegal. Acima das regras há a Lei. Isso pode ser considerado um crime de natureza militar. A paralisação é ilegítima?

Segundo o tenente-coronel Albano, os responsáveis pela adulteração dos pneus já estão sendo identificados e poderão sofrer punições. As viaturas que tiveram os pneus adulterados já estão sofrendo manutenção. Além disso, há uma ?reserva técnica? caso necessite de um reforço de veículos, informou o oficial da PM ao Diário do Nordeste Online.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.