Mobilidade urbana

Oito estações do VLT devem ser entregues no dia 6 de julho

De acordo com o governador do Estado, o serviço funcionará em operação assistida de forma gratuita

Quem passa pelas oito estações do VLT encontra estruturas perto de serem finalizadas. Cercas de proteção e trilhos já estão instalados, além do abrigo para os usuários e painéis informativos ( FOTO: SAULO ROBERTO )
01:00 · 12.06.2018 por João Lima Neto - Repórter

Iniciadas em 2012, parte do projeto do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) Parangaba/Mucuripe deve ser entregue no dia 6 de julho deste ano. Em visita ao Sistema Verdes Mares (SVM), na manhã de ontem, o governador Camilo Santana revelou a data de entrega de oito estações para ligar o equipamento da Avenida Borges de Melo ao bairro Papicu. De acordo com o chefe do Executivo estadual, o serviço funcionará em operação assistida de forma gratuita.

O restante da obra, com mais duas estações (Mucuripe e Iate), além de cercamento e outras obras complementares, deve ficar pronto até o final de 2018. O projeto prevê 13,4 quilômetros (1,4 km em elevado) de extensão com 10 estações, 12 pontes e três passarelas, além da urbanização de áreas de 22 bairros da capital cearense, e integração ao sistema de ônibus da Prefeitura de Fortaleza e às linhas Sul e Leste do metrô de Fortaleza.

"São oito estações. As últimas estão sendo construídas. Estamos tendo problemas com as desapropriações para poder a linha passar. A construção mexeu com diversas famílias. Ela só não é e ação de fazer o trilho, mas toda urbanização. Se formos no bairro Lagamar, dos dois lados, estão sendo construídas uma avenida com pracinhas e iluminação. Ali, muitas vezes o caminhão do lixo e o carro da Polícia não passavam. Nossa meta é no dia seis entregar essas estações com serviço gratuito em operação assistida. A meta do trecho Papicu/Mucuripe e ser entregue até o final do ano, em dezembro", explicou Camilo Santana.

arte
Quem passa pelas oito estações do VLT encontra estruturas perto de serem finalizadas. Cercas de proteção e trilhos já estão instalados, além do abrigo para os usuários e painéis informativos. Entre as avenidas Pontes Vieira e Antônio Sales, ontem, engenheiros e profissionais da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) realizaram intervenções no trecho. O morador Francisco das Chagas, 70 anos, vive há 50 anos no trecho do VLT próxima a Via Expressa. Ele segue morando na região, mas teme sair. "Eu tenho medo, pois eles vivem mudando projetos. Ainda não vieram falar nada com a gente", contou.

Intervenções

As obras do VLT Parangaba-Mucuripe foram iniciadas pelo Consórcio CPE-VLT Fortaleza, formado pelas empresas Consbem Construção e Comércio Ltda, Construtora Passareli e Engexata. Em 2014, o Governo do Ceará rompeu o contrato, após inúmeras notificações de atraso feitas pela Secretaria de Infraestrutura (Seinfra).

Houve uma nova licitação, em agosto de 2014, quando a Pasta de Infraestrutura recebeu uma proposta do consórcio VLT-Fortaleza, formado pelas empresas Marquise e Engesol. A proposta não foi aceita, após ser analisada por técnicos do governo. Uma nova tentativa de licitação foi realizada no dia 10 de dezembro de 2014, em Regime Diferenciado de Contratação-RDC (Lei 12.462), na qual se candidatou apenas a empresa Sultepa Construções e Comércio Ltda. A licitação não teve sucesso, já que a empresa candidata foi considerada inabilitada.

Em agosto de 2017, uma nova licitação foi realizada para conclusão do trecho 3. As obras estão sendo realizadas pelas empresas vencedoras do último certame, que subdividiu o trecho em três lotes. O primeiro lote, de responsabilidade da empresa CG Construções Ltda., corresponde a construção de quatro viadutos ferroviários, um elevado e duas pontes. Já o segundo, de responsabilidade da Construtora Morais Vasconcelos LTDA., se refere à construção e conclusão de seis estações e três passarelas. As obras do lote 3, que correspondem às vias férreas e acessos, são realizadas pelo consórcio formado pelas empresas CG Construções Ltda. E Domo Construções Ltda. - EPP.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.