DE FORTALEZA PARA O UNIVERSO

Observatório completa 40 anos

01:19 · 10.10.2005
( Eduardo Almeida )
O universo é cheio de fenômenos que não param de acontecer. A todo instante tem um meteoro passando em frente a uma estrela ou quase raspando na Terra, explosões que mudam a configuração de planetas, objetos não-identificados que despertam curiosidade e temor, outros que caem em nosso planeta e levam nomes de diamantes e peridotos, sendo comercializadas como jóias raras.

É o que diz o professor aposentado de Astronomia, Meteorologia e Climatologia da Universidade Estadual do Ceará (Uece), Cláudio Pamplona. Há 40 anos ele vem observando o céu do jardim e do quintal de sua casa, que transformou no Observatório Astronômico Herschel-Einstein (O.A.H.E.), fundado em 10 de outubro de 1965, sob a luz do cometa Ikeya-Seki.

Hoje haverá uma solenidade, às 21 horas, em comemoração a tantos anos de observação e pesquisas científicas nas áreas de Astronomia, Meteorologia e Climatologia. Serão feitas homenagens a pessoas que têm colaborado para o trabalho do O.A.H.E.

Em uma localização privilegiada no Planeta, com poucas nuvens ao longo do ano, o céu de Fortaleza já não é mais o mesmo, depois de 40 décadas. De acordo com o astrônomo, a poluição e os prédios estão comprometendo a visão do homem sobre o universo. “Com as grandes lentes e telescópios avançados a gente ainda consegue ver bem o céu, mas pode chegar um tempo em que as pessoas terão dificuldade de ver as estrelas a olho nu”, lamenta.

Cláudio Pamplona ainda tem as lentes do primeiro telescópio, feito de madeira, atacado pelos cupins. A partir deste equipamento começou, há 35 anos, a colher registros diários da pluviometria e dos fenômenos transitórios lunares e geofísicos ocorridos no Ceará e no resto do mundo. Também colaborou com a Nasa e o Instituto Smithsoriano, durante as missões Apollo à Lua, nos anos de 1968, 1969 e 1970.

O Observatório figurou entre as equipes de observação de 44 eclipses, sendo 12 solares e 32 lunares, e 34 cometas. Tudo está registrado em acervo que conta, também, com CDs, DVDs e mais de 2 mil títulos, bem como maquetes didáticas, meteoritos e material geológico. Os textos da Coluna Cosmos, que publicou semanalmente na “Tribuna do Ceará”, e depois no jornal “O Povo”, entre dezembro de 1973 e dezembro de 1978, compõem, ainda, este acervo.

O O.H.A.E. mantém um trabalho independente e está sempre aberto a visitações pré-agendadas, que são gratuitas, em grupos de até dez pessoas, e consultas de publicações. “A empolgação ainda é a mesma. Tenho o maior prazer passar o conhecimento que tenho sobre o universo. Até porque, quanto mais a gente aprende, mais entende que há muito a aprender”, diz o astrônomo.

SERVIÇO - O Observatório Astronômico Herschel-Einstein (O.A.H.E.) fica na Rua General Joaquim de Andrade, 68 - Aldeota. Informações e agendamento de visitas: (85) 3224.5496. Site: http://oahe.zip.net.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.