prazo

Modais devem ser integrados em 2019

A ideia é que ônibus, metrô e Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) sejam ligados pelos cartões do Bilhete Único

01:00 · 04.08.2018 / atualizado às 13:45 por Cadu Freitas - Repórter
foto
No sistema de ônibus e topiques, o usuário paga R$ 3,40 (inteira) ou R$ 1,50 (meia), mas não há integração com o metrô e VLT ( Foto: Agência Diário )

Em reunião com o secretariado ocorrida nessa sexta-feira (3), uma das decisões tomadas pelo prefeito da Capital, Roberto Cláudio, em parceria com os chefes das pastas municipais e o governador Camilo Santana foi a integração entre os diferentes meios de transporte presentes em Fortaleza.

As linhas de ônibus, a linha Sul do Metrô e o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) ramal Parangaba-Mucuripe devem ser integrados por meio dos cartões do Bilhete Único Municipal e Metropolitano em 2019. A razão pelo tempo definido pelos gestores encontra justificativa na necessidade de aprovar uma Lei que garanta a disponibilidade do serviço. Além disso, também será necessário período técnico para unir os softwares dos modais.

O metrô de Fortaleza já funciona há mais de seis anos sem integração com qualquer tipo de transporte urbano. Entre 2013 e 2017, o número de passageiros que trafegam pelas estações que vão do Centro da Capital à Maracanaú aumentou cerca de 238% – passando de 1,9 milhão para 6,5 milhões de usuários, ao longo do ano passado. O valor da tarifa é de R$ 3,40 (inteira) e R$ 1,70 (meia). 

O VLT, por sua vez, teve inauguração de oito de suas estações há menos de um mês, no dia 6 de julho, indo da Parangaba ao Papicu. No momento, ainda funciona em sistema de operação assistida, sem cobrança alguma. Contudo, Metrô e VLT ainda não possuem volume de usuários suficiente para as operações, por isso, técnicos da Prefeitura já estudam mudanças em linhas de ônibus para alimentar o sistema metroviário de Fortaleza. No sistema de ônibus e topiques, o usuário paga R$ 3,40 (inteira) ou R$ 1,50 (meia).

De acordo com o prefeito, “além dos ônibus e das vans, as bicicletas estarão ainda mais descentralizadas em 12 meses; nova linha de VLT passará a rodar neste ano, a linha sul do metrô, além do início da linha leste”. Segundo o chefe do Executivo municipal, a proposta é “fazer integrações inteligentes e economicamente eficientes para o cidadão, dando maior agilidade a múltiplos modais”. 

Ciclovias

A política cicloviária da Prefeitura deve continuar pelo menos até o fim da gestão do prefeito. Tanto que, das propostas levantadas na discussão, foi apontada a criação de uma ciclovia na Avenida Ministro José Américo – que liga a BR-116 e a Av. Washington Soares, no bairro Cambeba. Além disso, também foi debatida a integração da ciclofaixa da Av. Antônio Sales com o sistema voltado ao modal na Av. Washington Soares.

Educação

Na área da educação, ao menos cinco dos seis Centros de Educação Infantil (CEIs) em obras deverão ser entregues neste ano. Conjunto Ceará, Presidente Vargas, José Walter e Lagoa Redonda devem receber os equipamentos nos próximos três meses. 

Cinco Escolas de Tempo Integral também estão na pauta para inauguração em 2018, elas ficam nos bairros Planalto Ayrton Senna, Siqueira, Conjunto Ceará, Curió e Vila Velha. Outra novidade é a proposta do governo municipal em viabilizar 19 Escolas de Tempo Integral e 19 CEIs por meio de Parcerias Público-Privadas (PPP), tendo como base um modelo testado em Minas Gerais, no sudeste do País.

Saúde

Na reunião, ainda foi estimulado um plano de cirurgias, exames e consultas integradas entre Governo e Prefeitura com possibilidade de criação de call center único a fim de reduzir a espera nas filas e agilizar atendimento.

A entrega da primeira etapa do Instituto Dr. José Frota 2, no Centro, deverá ocorrer no fim deste mês; a Policlínica do Jóquei Clube e as reformas infraestruturais do Frotinha de Messejana, em setembro de 2018. Contudo, as obras do Hospital Infantil de Fortaleza, dos Frotinhas de Antônio Bezerra e de Parangaba e do Centro Obstétrico do Gonzaguinha da Barra do Ceará ficam para 2019.

Segurança Cidadã

Com relação às propostas municipais relacionadas à Segurança, há a ideia de integrar os sistemas de compartilhamento de dados e imagens das câmeras de vigilância da Cidade. Além disso, a área deve ter um incremento de mais 11 Células de Proteção Comunitária, das quais cinco já estão em processo de construção; o prazo para entrega desses equipamentos é dezembro deste ano. Atualmente, Fortaleza conta com duas: nos bairros Jangurussu e Goiabeiras.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.