R$ 130 milhões

Maracanaú terá intervenção na rede de água e esgoto

Para a Capital, serão destinados R$ 72 milhões para mecanizar e substituir trechos do sistema de esgotamento

De acordo com dados da Companhia datados de maio deste ano, na Capital, o déficit de cobertura chega a 38%. Em dois anos, de 2016 a 2018, o índice de acesso à rede de esgotamento passou de 49,7% para 62% ( FOTO: KLÉBER A. GONÇALVES )
01:00 · 10.07.2018

Os sistemas de água e esgoto de Fortaleza e da Região Metropolitana passaram a contar com recurso de R$ 235,3 milhões para a realização de obras de melhorias. A verba, obtida por meio de contrato assinado na última semana pelo Banco do Nordeste e pela Companhia de Água e Esgoto (Cagece), será utilizada em projetos que, segundo o Governo do Estado, devem beneficiar cerca de 3 milhões de pessoas, em especial moradores da Capital e dos municípios de Maracanaú e Pacoti, onde serão executados serviços de saneamento.

Embora um levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) tenha revelado que o Estado possui 40 obras atrasadas de esgotamento, conforme mostrou reportagem do Diário do Nordeste publicada nesta segunda-feira (9), a Cagece anunciou, em nota, que aplicará o recurso em novos projetos. O principal será o pacote de intervenções nas redes de água e esgoto de Maracanaú, orçado em cerca de R$ 130 milhões.

O Município, cujos serviços de saneamento voltaram a ser operados pela Companhia em março deste ano após renovação do contrato de concessão, receberá verbas para melhorias dos sistemas e estudos sobre a ampliação da cobertura da rede.

Para a Capital, serão destinados R$ 72 milhões, com o objetivo de reformas, mecanizar e substituir trechos do sistema de esgotamento sanitário. Outros projetos são a aquisição de equipamentos para melhorias na Estação de Pré-condicionamento de Esgoto (EPC), na qual o esgoto produzido na cidade é tratado, e o investimento no sistema de gestão de cadastro georreferenciado.

Já em Pacoti, R$ 5 milhões serão utilizados para a readequação da estação de tratamento de esgoto do município.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de comunicação da Cagece e solicitou entrevista com representante do órgão, mas a empresa apenas se pronunciou por nota. Segundo a companhia, "os recursos financiados pelo BNB serão liberados conforme cronograma de licitação e contratação de cada obra ou serviço".

De acordo com dados da Companhia datados de maio deste ano, aproximadamente 59% dos 152 municípios cearenses atendidos pelo órgão não possuem cobertura do sistema de esgoto. Entre 2017 e 2018, o acesso à rede cresceu apenas 0,8 pontos percentuais. Na Capital, o déficit de cobertura chega a 38%. Em dois anos, de 2016 a 2018, o índice de acesso à rede de esgotamento passou de 49,7% para 62%.

Em relação ao abastecimento de água, 98,3% dos municípios atendidos têm acesso ao recurso. A evolução do índice, no entanto, tem sido baixa. Em 2017, o total era 98,26%. Em Fortaleza, o acesso saiu de 67,4% em 2016 para 97,2% neste ano. O Ranking de Saneamento 2018 do Instituto Trata Brasil, divulgado em abril deste ano, analisou a situação das redes de água e esgoto em 100 municípios do País.

Fortaleza e Caucaia, duas únicas cidades cearenses presentes no levantamento, ficaram na 65ª e na 72º posição, respectivamente. Em Caucaia, segundo o Instituto, o atendimento total de água chegou a 67,4% dos domicílios. Já o atendimento de esgoto atingiu 31,13%.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.