roubos e furtos

Insegurança atinge postos de saúde

Os servidores do Posto de Saúde Paulo Marcelo, principal unidade do Centro da Capital, paralisaram parcialmente atividades, na manhã de ontem, em ato contra a insegurança no local ( FOTO: NATINHO RODRIGUES )
01:00 · 30.05.2018

Médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem estão com medo de trabalhar nos postos de saúde da Capital. Relatos de assalto e furto, durante o dia e também na madrugada, estão se tornando comuns no cotidiano dos profissionais de saúde. Segundo o Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos do Município de Fortaleza (Sindifort), a entidade já contabiliza seis ataques nas unidades de saúde. Conforme a direção do Sindicato, a presença de guardas municipais caiu nos últimos dias.

Os servidores do Posto de Saúde Paulo Marcelo, principal unidade do Centro da Capital, paralisaram parcialmente atividades na manhã de ontem, em ato contra a insegurança no local e por outras pautas específicas. Para não prejudicar a população, os funcionários estão trabalhando com 30% do efetivo do posto. Na semana passada, houve paralisação nos postos de saúde Flávio Marcílio, no Mucuripe e Casa Verde, em Messejana. Em ambos os locais, a reivindicação central dos servidores foi a questão da segurança. No caso do posto Flávio Marcílio, após a paralisação, houve a instalação de uma base móvel da PM próxima à unidade de saúde.

A segurança para servidores durante o horário de trabalho é uma das pautas da Campanha Salarial dos profissionais municipais neste ano. Anderson Ribeiro, diretor de mobilização do Sindifort, explica que os postos estão sem nenhuma segurança. "Na gestão anterior, existia a segurança patrimonial em pelo menos 110 unidades de saúde. A prefeitura, na gestão Roberto Cláudio, contratou também uma empresa terceirizada. Cada unidade passou a ter cerca de quatro guardas. No segundo ano começou a cair, passou a ser dois seguranças e depois um. Agora, boa parte não tem nenhum".

Segundo Ribeiro, de janeiro a maio deste ano, os registros de violência estão aumentando mês a mês. "A gente contabiliza que seis unidades foram roubadas e furtadas. Servidores foram assaltos dentro dos postos. A última unidade que foi assaltada que temos ciência foi na Regional V. No Centro, turistas utilizam os serviços médicos do Posto de Saúde Paulo Marcelo. Os trabalhadores estão vulneráveis", reclama.

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) informou, por meio de nota, que são adotadas medidas preventivas de segurança nos postos de saúde com objetivo de resguardar os profissionais, os usuários e a própria unidade. Os postos são equipados com câmeras de videomonitorameto e sistema de alarme conectado a uma central.

"A Prefeitura de Fortaleza firmou parceria com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para a implementação da metodologia "Acesso Mais Seguro (AMS)" que está capacitando profissionais dos serviços públicos essenciais para reduzir as consequências da exposição das equipes e da população à violência", disse a SMS em comunicado. Por fim, a Pasta conclui que "diante de situações de insegurança, a SMS orienta o registro do Boletim de Ocorrência (B.O) para que os órgãos competentes possam iniciar o processo investigativo. A SMS ressalta que o atendimento no posto de saúde Paulo Marcelo está acontecendo de forma regular".

Policiamento

A Polícia Militar do Ceará informou que o fato mencionado pela reportagem, no Posto de Saúde Paulo Marcelo, localizado no Centro da Capital, não chegou ao conhecimento do comandante da área, que realiza o policiamento nas proximidades do posto por meio viaturas e bicicletas do Policiamento Ostensivo Geral (POG), pertencentes à 1ª Companhia do 5° Batalhão. No entanto, por se tratar de uma unidade de saúde municipal, a responsabilidade da segurança interna do posto é da Guarda Municipal de Fortaleza.

Conforme o comandante da Companhia, é realizada na região, diariamente, apreensões de drogas e armas. Ressaltou ainda, que nesse quadrimestre, houve uma redução de 39,9 % no número de roubos na área se comparado a igual período do ano anterior.

Sobre o policiamento no entorno do Posto de Saúde Casa Verde, localizado em Messejana, é realizado por meio de viaturas e motocicletas, que realizam patrulhamento de maneira preventiva e ostensiva, a fim de frustrar ações de agentes criminosos. A área é atendida pelo 16° Batalhão Policial Militar.

Já o policiamento nas proximidades do Posto de Saúde Flávio Marcílio, localizado no Mucuripe é realizado pelo 8° Batalhão Policial Militar, que desenvolve suas ações através de viaturas do Policiamento Ostensivo Geral (POG) e da Força Tática (FT), além do policiamento realizado por policiais militares em motocicletas. O bairro também recebeu medida de reforço na região com ações policiais e com a presença da Base Móvel, policiamento itinerante que realiza patrulhas nas áreas mais críticas

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.