Ação

'Histórias de Meu Pai': leitores prestam suas homenagens

O Diário do Nordeste convidou seus leitores a falar sobre seus pais. Três relatos ganham destaque no jornal

01:00 · 12.08.2017

Em cada casa, uma história de amor e orgulho de filhos por seus pais. Do dia 4 a 9 de agosto, o Diário do Nordeste convidou seus leitores, através de suas redes sociais (página do Facebook e perfil do Instagram), a contar a história de seus pais. Os três melhores relatos seriam recontados nas páginas do jornal.

Alberto Varela escreveu para o jornal a vida de Antônio Plutarco. O filho contou como o sobralense conseguiu, desde muito jovem, fugir da pobreza e formar uma família repleta de amor.

"Foi daqueles pais que todos gostariam de ter, um pai presente, amoroso com os filhos e extremamente apaixonado por minha mãe", conta Varela sobre o pai. Além da relação de afeto com a família, o que comove no relato do filho é a admiração pelo homem que desde muito cedo teve que rodar o Brasil em busca de oportunidades.

Antônio Plutarco morou no Rio de Janeiro, foi soldado da Borracha no Amazonas, durante a Segunda Guerra Mundial, além de outro municípios cearenses. "Papai era um autêntico contador de histórias, tinha sempre algo a contar, baseado em sua experiência de vida ao longo dos anos", conta.

"Nossa casa era um verdadeiro espaço acolhedor, onde havia interação e harmonia entre todos os que por lá passavam. Um dos elementos que eu considero mais importante em nossa convivência com o papai era a mesa da sala de jantar, pois naquele lugar nós nos reuníamos todos os dias para o café da manhã, almoço e jantar, pelo menos. Eram três fabulosos e saudosos encontros diários que serviam para promover diversos valores entre todos nós. A mesa era o lugar de aprendizado, troca de opiniões, diálogos, muitas vezes calorosos, risadas, às vezes choro, outras vezes, apenas silêncio", lembra.

Valores

Os valores apreendidos com o pai sempre foram destaque. Generoso, ensinou com exemplos, contados sempre em grupo ao redor da mesa, que foi sempre ponto de encontro da família. "Aqueles encontros ao redor da mesa nos proporcionou amadurecimento, crescimento, conhecimento e um valor imprescindível, o amor. Pois meu pai sabia transmitir tudo isso, de forma simples e verdadeira, contando histórias, nos dando exemplo, respeitando as diferenças de cada um e promovendo um ambiente seguro para se viver".

A segunda história que se destacou entre tantos relatos amorosos enviados pelos leitores foi o do analista de planejamento Fernando Fiúza, 42 anos. Ele divide a casa com seus pais e ressalta a trajetória de vida de Francisco Fiúza, nascido em 1930, em Maracanaú, então distrito do Município de Maranguape.

"Com ele aprendemos tanto! Os valores, a entrega e luta por aqueles que amamos, a fé em Deus que norteia as esperanças em dias cinzentos, o agradecer por tudo que nos é entregue de forma justa. Hoje eu e meus irmãos que satisfazemos o ego, lhe damos carinho e atenção", reforça a importância do pai na vida da família.

Francisco, apesar de muito trabalhador, soube aproveitar a vida. Divertido, boêmio e conquistador, teve três casamentos, 13 filhos e alguns falatórios na cidade. No entanto, seu último flerte, apesar das desaprovações, se tornou um casamento que já dura 52 anos. "A idade trouxe uma insuficiência cardíaca. Logo ele que soube tanta amar a vida, ironicamente o coração parece lhe negar força. Mas a gente segue junto", conta o filho que aprendeu a amar ouvindo as histórias do pai

Já para Levy Cosmo Silva, o pai José Silva tem como marca de vida a superação pelos estudos. Filho de agricultor e costureira, hoje o menino que nasceu com saúde frágil e quase não sobrevivia, exibe orgulhoso o título de "Doutor".

"Hoje ele é conceituado educador. Inclusive mestrando em Letras/Inglês. É um orgulho para nós, ainda mais sabendo de toda sua trajetória", conta o filho. "Apesar das dificuldades aquele garoto era muito interessado nos estudos. Alguns notaram, isto é, começaram a doar material e apoiar em sua caminhada escolar. Tempos depois ele tentou vestibular pela Universidade Federal do Ceará".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.