solidariedade

Fundação do Rim oferece projetos de ressocialização

A Fundação conta atualmente com cerca de 400 pacientes fixos, atendendo através de algum tipo de projeto ( Foto: Marcelino Júnior )
01:00 · 12.04.2018

Com a missão de desenvolver ações voltadas para a prevenção e o diagnóstico precoce da doença renal crônica, há dez anos a Fundação do Rim promove a reinserção dos pacientes que se submetem à diálise em situação de vulnerabilidade social. Com projetos voltados para programas de educação, saúde bucal, saúde preventiva, amparo social, profissionalização e geração de renda, a Fundação não tem fins lucrativos, sobrevivendo principalmente através de parcerias e doações.

De acordo com o dr. Paulo Rossas, nefrologista, fundador e diretor da Fundação dos Rins, o espaço foi criado devido ao desconhecimento da população no que se refere à doença renal crônica, mesmo ela tendo crescido significativamente nas últimas quatro décadas. Segundo o fundador, é preciso que a população entenda a doença para que possa se prevenir. "No Ceará, cinco mil pessoas fazem a hemodiálise. Essas, em sua maioria, estão em situação social vulnerável, são de baixa renda, baixa escolaridade, uma série de problemas juntos", aponta o nefrologista, enfatizando que a doença é silenciosa e só apresenta sintomas quando já está em estágio avançado. Para a prevenção, o principal é manter uma dieta balanceada e fazer exercícios físicos.

Parceria

Dessa forma, a Fundação atua na ressocialização dos pacientes que fazem a diálise na rede pública. Através de uma parceria com a Universidade de Fortaleza (Unifor) e com a Secretaria de Trabalho e Ação Social, a instituição oferece aulas profissionalizantes e de ensino fundamental para todos enquanto o processo de diálise acontece. "Quem vai lecionar, geralmente, passa por um treinamento antes. É preciso que eles entendam a doença, por que eles vão lidar com o paciente que faz hemodiálise há muitos anos, saber como não se contaminar e nem contaminar o paciente, ou seja, entender sobre a doença e o ambiente que eles vão frequentar", explica.

Além disso, também é feita a distribuição de cestas básicas para os pacientes mais carentes.

Atualmente, a Fundação conta com cerca de 400 pacientes fixos, atendendo através de algum projeto. Segundo o fundador, o que a instituição mais precisa é de recursos financeiros para manter funcionários e o próprio local.

Bazar

Para arrecadar donativos, a Fundação realizará o "Bem Bazar", no Hotel Gran Marquise, nos dias 4, 5 e 6 de maio. Para doar itens ao evento, basta ir até a sede da instituição, localizada no bairro Meireles. "Podem doar o que quiserem, vendemos tudo! Só pedimos que doem itens em condições de venda", requisita o fundador.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.