Desfiles ao pôr do sol

Estrutura do Dragão Fashion quase pronta

Com 38 desfiles a serem divididos entre três ambientes, o evento deverá receber de 10 a 12 mil pessoas por dia

O principal palco do evento será o Ceará Sobe o Som. Nele, serão apresentados os shows das cantoras Iza e Karol Conká, que integram a programação musical do DFB na abertura (9) e no encerramento (12), respectivamente ( Foto: Thiago Gadelha )
01:00 · 08.05.2018

A dois dias da abertura do Dragão Fashion Brasil (DFB) Festival, não há tempo para descanso. A montagem das estruturas do evento corria a todo vapor em diferentes ambientes do Terminal Marítimo de Passageiros do Porto de Fortaleza, na tarde dessa segunda-feira (7), onde cerca de 350 funcionários erguiam e moviam peças para organizar palcos e salas de desfile.

A edição de 2018 marca a segunda vez em que o evento se apresenta como um festival. Agora, a programação deverá ser ainda mais diversa, expandindo não apenas em tamanho, mas em quantidade de conteúdo. "Nunca tivemos dança, e dessa vez teremos três apresentações, e também três palcos de música. Nós dobramos a quantidade de palestras e oficinas", destaca Cláudio Silveira, idealizador do DFB Festival.

O principal palco do evento será o Ceará Sobe o Som. Nele, serão apresentados os shows das cantoras Iza e Karol Conká, que integram a programação musical do DFB na abertura (9) e no encerramento (12), respectivamente. Ao longo dos quatro dias, o espaço receberá oito shows e quatro sets de DJs convidados.

O palco Moda apresentará pocket shows nos intervalos entre os desfiles, enquanto o palco Atlântico Sul terá apresentações diárias da banda Duetos. As apresentações de dança serão feitas no palco Ceará Sobe o Som, assinadas pela bailarina e coreógrafa Vera Passos.

Iluminação

Ao todo, o DFB Festival conta com 38 desfiles a serem divididos entre três ambientes: a Sala Branca, a Sala Negra e a DFBeach Club. "Quando você desce para a Sala Branca, você tem uma sala com um formato super diferenciado, onde as modelos saem pelas laterais ao invés de saírem pelo meio, e as pessoas vão ver isso na hora. Tem também uma iluminação que nós conseguimos trazer de fora do País para o evento, algo que nós nunca tivemos. Neste ano, vamos ter uma iluminação de primeiro mundo", explica Cláudio Silveira.

A Sala Negra, por sua vez, terá a mesma iluminação da Sala Branca, mas manterá o formato original em que as modelos entram na passarela pelo meio do corredor principal. A grande novidade para a estrutura do segmento da moda no evento é a DFBeach Club, situada no pavimento superior do Terminal Marítimo. "Ela tem vista para o Oceano Atlântico, e é a principal sala em termos de ser a mais moderna do evento, que é a nossa cara, é a cara do nosso Ceará. É uma sala com 600 lugares, todos acolchoados", revela o idealizador. O ambiente receberá desfiles exclusivos de moda praia, ou beachwear.

A mostra foi idealizada para estimular e dar maior visibilidade à indústria da moda praia cearense. A estrutura da sala é transparente e climatizada, e os desfiles terão início no fim da tarde, ao pôr do sol, a partir de 17h30.

O espaço deve comportar, por dia, de 10 a 12 mil pessoas. Para acompanhar a magnitude da proposta, o orçamento do evento ultrapassou R$ 2 milhões pela primeira vez. No ano passado, segundo Cláudio Silveira, o DFB Festival foi realizado com aproximadamente um milhão e seiscentos mil reais.

Talentos

Em meio à integração entre cultura, música, moda, dança e gastronomia, o evento também abre espaço para empreendedorismo e formação. A organização afirma entender a moda como sinônimo de oportunidade e, por isso, proporciona o acesso do público a talentos emergentes e em formação, bem como marcas e designers que não se encaixam nos formatos mais tradicionais do mercado.

"É preciso aportar os novos talentos, e investir nas pessoas da comunidade e nos novos que estão na mídia e na indústria", diz o idealizador. Para isso, será realizado mais uma vez o Concurso dos Novos, competição aberta a instituições de ensino superior e técnico de todo o Brasil. A disputa inclui, além do Troféu DFB e do reconhecimento de um número expressivo de profissionais da imprensa especializada do País, um prêmio em dinheiro no valor de dez mil reais.

Neste ano, os alunos das instituições participantes deverão desenvolver coleções-cápsula com o tema "Economia Circular: todos os ângulos da inovação e da renovação no pensamento e no fazer moda".

Os novos talentos terão, também, um momento para ocupar as passarelas e mostrar seus trabalhos. Dentre os nomes a serem apresentados em desfiles do DFB Festival em 2018, estão o projeto cearense Elo.Collab, comandado por um trio de mulheres com foco em design sustentável, a paulistana minimalista D-Aura, a cosmopolita Tanden e as apostas Jonhson Cavalcante, Bruno Olly, Ivanovick, Fábio Caracas e Herculano Marques. (Colaborou Barbara Câmara)

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.