meio ambiente

Educação ainda é desafio na gestão de resíduos

A sensibilização dos habitantes das cidades não consegue ser atingida com eficiência e desafia o poder público

01:00 · 23.05.2018
Image-0-Artigo-2403552-1
No segundo e último dia do 5º Seminário Política Nacional de Resíduos Sólidos foi discutido a temática da "Educação Ambiental" e também dos "Consórcios de Resíduos Sólidos" ( FOTO: FABIANE DE PAULA )

Há algumas décadas, já se tornou rotina alertar sobre os perigos que o modo de consumo moderno pode trazer sobre o meio ambiente, com a poluição do solo, da água e do ar e, como consequência, prejudicando a vida de ecossistemas inteiros. Contudo, ainda hoje, a sensibilização dos habitantes das cidades, sejam metrópoles ou exemplos do interior, não consegue ser atingida com eficiência, desafiando o poder público e entidades de proteção ambiental. O tema foi discutido no curso "Educação Ambiental", dentro da programação do 5º Seminário Política Nacional de Resíduos Sólidos, na CDL Fortaleza.

A conversa foi conduzida pelo professor Luís Eduardo Salvatore, presidente do Instituto Brasil Solidário (IBS), para quem o uso de contêineres e placas indicando "Proibido colocar lixo" fazem parte de um "modelo falido". "A raiz é quem tá jogando. É diálogo", defende, lembrando que, em muitos bairros, o lixo domiciliar fica exposto à beira de muros, em frente às portas de residências e escolas.

Os participantes também pensaram em exemplos de sucesso no engajamento da população na destinação correta dos resíduos. "Em Crateús, optamos por não usar lixeiras; preferimos otimizar o processo de coleta seletiva, com caminhões que usam musiquinha chamando para a coleta. Assim, a população sente prazer em participar", destaca a gestora ambiental Márcia Andrade, que já atuou como secretária do Meio Ambiente da cidade.

"Ninguém paga por resíduos como paga por energia e água. Enquanto não mexer com o bolso, não vai melhorar muito. Mas, em compensação, só se pode cobrar com um serviço eficiente", diz Márcia Andrade.

Leste-Oeste

Outra iniciativa elogiada foi a circulação de ciclomonitores na Avenida Leste Oeste, em Fortaleza, que passou por diversas intervenções no segundo semestre do ano passado. Fardados, os profissionais fazem rondas nos bairros adjacentes observando quem joga lixo na rua e, em casos de flagrantes, direcionam qual deve ser o comportamento correto. "Tem que envolver a comunidade", afirma Luís Eduardo Salvatore.

Para o presidente do IBS, a chave da conscientização está nas crianças, que, por sua vez, podem educar os pais. Ele defende a aplicação de projetos nas escolas, como o uso de papel reciclado, pufes e molduras com materiais reaproveitados e o cultivo de hortaliças em canteiros produtivos, bem como "a caixa de decomposição", que indica os tempos de deterioração de resíduos encontrados no caminho da escola.

Consórcios

No segundo minicurso do Seminário, os participantes discutiram sobre "Consórcios de Resíduos Sólidos", sob orientação do professor Alisson Melo, analista de Regulação da Coordenadoria de Saneamento Básico da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará (Arce). Segundo ele, a aplicação de consórcios gera quatro pontos importantes: a eficiência administrativa, o ganho de escala, a redução de despesas e o pensamento regionalizado.

"A eficiência é economicidade, é fazer mais com a mesma quantidade de recursos, com expectativa de que o dinheiro repercuta para o maior número de pessoas. A eficácia se preocupa em cumprir a meta do que foi planejado e, a efetividade, em ver se isso gerou resultados", detalha, explicando que a escolha do município gerenciador de um consórcio de coleta de resíduos depende de critérios como tamanho da cidade e população.

Já o ganho de escala, conceito da área econômica, aplica-se na diferença de que, em vez de ter uma empresa intermunicipal consorciada, cada município contrataria uma diferente. "O custo seria muito maior. Com o consórcio, o custo é dividido", define o analista de regulação.

Seminário

Iniciado em 2014, o Seminário Política Nacional de Resíduos Sólidos discute a avaliação da PNRS, Lei Nº 12.305/2010, os rumos para o setor público atingir os objetivos da legislação, a geração de energia a partir do lixo e a gestão integrada dessas políticas. O evento conta com gestores públicos municipais e estaduais; representantes dos consórcios em formação; setores empresariais, acadêmicos; e membros da sociedade civil ligados à cadeia produtiva dos resíduos sólidos.

O 5º Seminário Política Nacional de Resíduos Sólidos é uma realização da Arce, com promoção do jornal Diário do Nordeste, Fundação de Cultura e Apoio ao Ensino de Pesquisa e Extensão (Funcepe) e Instituto Future. Tem ainda apoio institucional da Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece) e apoio da Prefeitura de Fortaleza, da Enel Distribuição Ceará, da CDL Fortaleza e do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Ceará (Sinduscon-CE). Os patrocinadores são o Grupo Marquise, a Ecofor, o Banco do Nordeste do Brasil e a Indaiá. A organização é da Decora Eventos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.