maior da história

Concurso da Polícia Civil deve abrir 1.496 vagas neste ano

Sem certame voltado para a categoria desde 2014, Governo Estadual autorizou processo para contratar novos policiais

01:00 · 15.08.2018 / atualizado às 10:52

Embora as datas concernentes ao período de inscrições e às primeiras provas do novo concurso público voltado ao provimento de 1.496 novos policiais civis não tenham sido divulgadas, o governador do Ceará, Camilo Santana, autorizou que a Secretaria do Planejamento e Gestão (Seplag) inicie as tratativas para o início do processo.

A confirmação do que é considerado o maior concurso da história da categoria foi dado por meio de vídeo publicado nas redes sociais do governador, o qual inicia campanha para reeleição ao cargo no Poder Executivo a partir de amanhã (16).

De acordo com Camilo Santana, as vagas serão preenchidas por novos delegados, inspetores e escrivães da Polícia Civil do Ceará. Para isso, o governador informou que contratou uma consultoria externa para fazer a avaliação dos custos.

"Quero fazer da Polícia Civil do Estado do Ceará a melhor Polícia Civil do Brasil", declarou o chefe do Estado, ao pontuar que chamou durante a sua gestão cerca de 1.300 profissionais. O novo processo seletivo deve ser autorizado pela Assembleia Legislativa do Ceará antes de ter o edital publicado.

No mês de julho de 2018, conforme pesquisa realizada no Portal da Transparência do Governo do Estado, 4.149 servidores ativos estavam lotados na Polícia Civil. Destes, 529 dispunham do cargo de delegado, 1.049 de escrivão e 2.391 de inspetor. 

Salário

É nesse sentido que uma das únicas críticas apontadas pela presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Ceará (Sinpol), Ana Paula Cavalcante, com relação à valorização da Corporação ganha espaço: "o que existe hoje é uma enorme desproporção, que é a maior do País. Um inspetor e um escrivão ganham 18% o de um delegado, a média brasileira é de 35% a 40%. O que não se justifica é a tamanha desproporção, é um desequilíbrio dentro a Instituição", afirma.

Segundo a presidente do Sinpol, essa é uma das questões que não garantem que a Polícia Civil seja a melhor do Brasil. "O que falta apenas para o governador ter o resultado que ele precisa é uma melhoria salarial para segurar esses profissionais", ressaltou Ana Paula Cavalcante.

Ainda que essa seja uma questão debatida pelo Sindicato, a policial concorda que as ações efetuadas pelo gestor cearense têm trazido melhorias fundamentais para a categoria. "Vai ser o maior concurso da história da Polícia Civil do Ceará. Não resta dúvida de que vamos ter um reforço muito bom nas delegacias", garantiu Ana Paula, ao classificar as reformas nas delegacias do Estado, retirada de detentos desses espaços e realização de concurso como "mudanças muito positivas".

Quatro anos

O último certame realizado pelo Governo do Estado para a Polícia Civil iniciou ainda na segunda gestão do ex-governador Cid Gomes, em 2014. As primeiras avaliações, contudo, foram feitas em janeiro de 2015, quando Camilo Santana havia acabado de assumir o mandato no Poder Executivo do Estado.

Na época, foram abertos 763 postos de trabalho, com remunerações iniciais de R$2.946,19 para inspetores e escrivães e R$ 14.592,39 para delegados. Com jornada de trabalho de 40 horas semanais, cada profissional inscrito deveria ter nível superior e Carteira Nacional de Habilitação (CNH), no mínimo categoria "B". Na ativa, desde o último concurso, o número de profissionais aumentou 38,5% (1.104 novos policiais entre 2015 e 2018).

Tendo como base o total de servidores ativos no Estado em julho deste ano (92.772), o efetivo da Polícia Civil, atualmente, (4.149) representa 4% de todos os profissionais lotados no Governo. A Polícia Militar, por sua vez, dispõe de um quadro com 21.773 PMs na ativa - o que corresponde a 23% de todos os servidores do Estado.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.