reunião com prefeitura

Comerciantes conhecem Projeto da Av. Beira-Mar

Encontro faz parte do processo de regularização de cerca de 1.500 comerciantes informais no polo

Previsto para início em agosto deste ano, o processo de intervenção contará com a regularização de todos os comerciantes informais. Do total, 658 são apenas da Feirinha de Artesanato ( FOTO: REINALDO JORGE )
01:00 · 16.06.2018 / atualizado às 02:50
Em matéria publicada em fevereiro deste ano, o Diário do Nordeste, antecipou alguns detalhes do projeto como a padronização das barracas

Na próxima segunda-feira (18), o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, se reúne com cerca 1.500 permissionários que atuam na Avenida Beira-Mar para apresentar o projeto de requalificação do polo, intitulado Beira-Mar de Todos. Previsto para início em agosto deste ano, o processo de intervenção contará com a regularização de todos os comerciantes informais. Do total, 658 são apenas da Feirinha de Artesanato. As informações são do secretário da Regional II, Ferruccio Feitosa.

Durante o encontro, que acontece no Náutico Atlético Cearense a partir das 8h, os comerciantes receberão uma autorização temporária para exercer o trabalho na região, com validade de 30 dias. Esse é o mesmo prazo, de acordo com o secretário, para que os ambulantes comparem à Regional e assinem os termos de permissão prolongada para atuar no local.

"Cada pessoa vai receber essa autorização, que é para iniciar um processo de permissão, válida por seis meses e renovável por mais seis meses. Todos os permissionários que hoje desenvolvem atividades econômicas na Beira-Mar entre a Avenida Rui Barbosa e o Mercado dos Peixes serão regulamentados. Isso é de suma importância: sair da informalidade para ter o trabalho reconhecido pelo gestor municipal. Vai beneficiar o sujeito que está trabalhando e muitas vezes tem que fugir da fiscalização", afirma Ferruccio Feitosa.


Barracas

Os bares, restaurantes e barracas de praia, por sua vez, serão padronizadas, estando garantido a permanência das 63 já existentes, segundo o secretário. "No projeto da Beira-Mar vamos ter um número maior que esse, são 80 espaços, mas de forma mais ordenada e bonita. Vamos sentar com eles e conversar porque todos serão contemplados. Em julho, teremos uma agenda de discussão e não temos problemas para nos adequarmos", destaca Feitosa.

O conjunto de intervenções a ser realizado na Beira-Mar prevê, também, a construção de um novo calçadão com três pavilhões multiusos, dotados de 40 quiosques de alimentação e bebidas, a urbanização dos espigões da Rua João Cordeiro e das Avenidas Desembargador Moreira e Rui Barbosa, além da ampliação da faixa de areia entre a Praia de Iracema e o bairro Meireles. De acordo com a prefeitura, o trecho entre a Avenida Rui Barbosa e a Rua Tereza Hinko receberá urbanização completa.

No total, o projeto contempla a requalificação de mais de 211 mil metros quadrados (m²) de área construída. As obras estão orçadas em R$ 120 milhões, com recursos provenientes do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), e a ordem de serviço deve ser assinada no próximo mês.

A engorda do Aterro, também previsto no projeto, consistirá no aumento de 80 metros da faixa de areia mar adentro, no trecho da Avenida Desembargador Moreira, no Meireles, até o espigão da Rua João Cordeiro, na Praia de Iracema.

Esta obra em particular será dividida em dois trechos: o primeiro entre os espigões da Rua João Cordeiro e da Avenida Rui Barbosa. Após o processo, a Praia de Iracema deve contar com 71 mil m² de área. Já o aumento da faixa de praia entre a Avenida Rui Barbosa e a Avenida Desembargador Moreira será o segundo trecho, aonde o novo aterro contará com cerca de 81 mil m² de área.

Impacto

Para a Prefeitura de Fortaleza, o impacto positivo com a requalificação está na economia local, proporcionando o fortalecimento e a geração de emprego e renda da cidade. A estimativa da Pasta é que haja um aumento significativo no número de turistas, consolidando ainda mais o setor da indústria hoteleira.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.