coluna

Comunicado: Plataforma de interação

roberto-maciel

Comunicado

ROBERTO MACIEL - roberto.maciel@diariodonordeste.com.br • Coluna da editoria Cidade

01:00 · 07.05.2018

O vereador Salmito Filho (PDT), presidente da Câmara de Fortaleza, abraçou a ideia de estabelecer na Região Metropolitana de Fortaleza uma plataforma de diálogo entre gestões e representações sociais. E não é que tem conseguido êxito? Salmito está numa autêntica peregrinação por parlamentos municipais e arregimentando apoios. Não só de legisladores, mas de executivos. Ele avalia que, por haver demandas coincidentes para as comunidades, é possível alinhar negociações, com outras instâncias de poder. Se a articulação funcionar mesmo, pode se tornar um caso exemplar.

Image-0-Artigo-2396797-1

Não são só movimentos políticos que amparam a defesa do Parlamento Metropolitano. Há também razões econômicas e financeiras. Salmito diz que uma das possibilidades é a criação de um Fundo Financeiro para investimento e captação de verbas internacionais. "E, quem sabe?, até a construção de um Plano Diretor Integrado".

12 por cento

Do lixo coletado destinado à reciclagem. Essa é a meta da Prefeitura de Fortaleza para o tratamento de resíduos sólidos, a ser cumprida até 2019. Atualmente, a taxa do município é de 8%.

42 Ecopontos

Já funcionam em Fortaleza, segundo a Prefeitura. Nessas unidades, materiais recicláveis podem ser trocados por bônus de serviços públicos. Cerca de 19 mil fortalezenses utilizam os ecopontos.

"Quando uma denúncia chega ao gabinete de um deputado, ele precisa ter todo o cuidado para saber a procedência desta denúncia"
Deputado Evandro Leitão (PDT) passando carão em parlamentares que, pela primária necessidade de fazer encrenca política, não conferem informações que levam à tribuna.

Passando o chapéu

A Justiça Eleitoral está dando ares oficiais a um arranjo que há quase uma década tem ajudado a bancar de cirurgias e lançamentos de discos e livros. É o crowdfunding - uma espécie de "vaquinha" virtual, na qual colaboradores põem num fundo comum doações específicas para projetos propostos.

Por que não?

Pois o TSE está cadastrando empresas e entidades que queiram fazer serviço de arrecadação para campanhas eleitorais. A lógica é básica: se dá certo para atividades quase amadoras, por que não funcionaria num processo cheio de profissionais e com controle? Talvez por isso, né?

Produtividade social

Image-1-Artigo-2396797-1

O Serviço Social da Indústria no Ceará criou uma iniciativa bacana que só, atacando de frente o consumo de álcool e de drogas. Na ação, o Sesi vem prestando assessoria a empresas na implantação de um programa de prevenção ao uso de substâncias, com uma agenda de cursos e outras atividades voltadas para empregados e famílias. O centro é a qualidade de vida.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.