Cidade é repleta de tradições e costumes - Cidade - Diário do Nordeste

VÁRIAS FACES

Cidade é repleta de tradições e costumes

13.04.2009

A população deu um salto em 100 anos. Entre 1850 e 1950, o aumento de moradores foi de 2.989%

O crescimento de Fortaleza pode ser constatado sob incontáveis olhares: dos moradores que vieram do sertão, do litoral, das fronteiras do Estado e que trouxeram dos mais diferentes espaços costumes que, a certo custo, ainda se mantêm. Em meio a 526.079 domicílios, em muitas casas ainda se guardam hábitos que vieram a galope fugidos de secas ou de enchentes, sempre em busca de progresso. Hoje, com 283 anos de fundação, a maneira de ser da antiga vila de pescadores, que em 1777 somava 2.874 moradores, resiste contra uma imigração mais feroz. Com tantas caras e origens, Fortaleza assume, assim, o papel de várias cidades em uma.

O primeiro grande avanço populacional se deu em 1872, ano do primeiro censo oficial realizado no Brasil. Em apenas sete anos, a cidade passou de 19.264 para 42.458 habitantes. O incremento demográfico deu um salto em 100 anos. Entre 1850 e 1950, a população cresceu 2.989%, o que corresponde a um aumento de 260 mil habitantes. Isso prova que Fortaleza só começou a crescer, de fato, 200 anos após a sua fundação, em 1726.

Por volta de 1880, a cidade passou por uma renovação não só em número de moradores. A iluminação a gás ganhou incremento da chegada da água encanada. Nessa época, a cidade já tinha piano nas casas e bebia cerveja francesa. Foi no final do século XIX que, além dos cafés no Centro, no entorno da Praça do Ferreira, o bairro ganhou o Cine Moderno e o Hotel Excelsior.

A cidade passava a ser, sob o olhar do escritor e dramaturgo cearense Eduardo Campos, um espaço de deferência: “Ah, Fortaleza! És tu o mundo todo que fui até agora! O sentido da paz doméstica, da contemplação e da paz, das lágrimas pelos que se foram e do risco pelos que chegaram!”.

Resistência

Apesar dos conflitos vindos com o crescimento populacional e territorial sem ordenamento, há famílias que ainda guardam costumes de uma cidade que teima em resistir. Algumas o fazem por escolha, em casas cuja arquitetura remonta a séculos passados. Outras estão nessa condição por falta de acesso ao progresso, resignando-se em bairros que se opõem aos índices de melhorias.

Independente do caso, muitos dos hábitos vieram do Interior deram nome às ruas mais tradicionais — Liberato Barroso, Pedro Pereira e Major Facundo, deputados nascidos em Aracati, Senador Pompeu, senador de Santa Quitéria, Solon Pinheiro, advogado e político filho de Solonópole. Outros costumes chegaram e permaneceram de forma anônima.

Em bondes elétricos, trens de passageiros e, mais recentemente, em ônibus e na perspectiva de um metrô, Fortaleza cresce para todos os lados. Já foi a quarta capital mais populosa e hoje ocupa a quinta posição, com 2,5 milhões de habitantes, ficando atrás de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Brasília.

RELAÇÃO COM A CIDADE
Pobreza dificulta sentimento de inclusão

É difícil encontrar, nesses dias, entre os cearenses que moram na Capital, uma família que não tenha vindo de outra cidade do Estado ou que tenha raízes no Interior. Isso prova que Fortaleza é uma cidade de migrantes. A prova disso está no falar, no comer e na forma de se relacionar com o que a cidade oferece.

A constatação de que a identidade de Fortaleza é construída a partir da migração é do mestre em História Social e pesquisador do Núcleo de Documentação (Nudoc) do Departamento de História da Universidade Federal do Ceará (UFC), Francisco Moreira. Segundo ele, a partir da década de 1960, a cidade cresce desordenadamente com a vinda de pessoas de outros locais.

Em razão desse aumento, não é de se estranhar que mesmo os fortalezenses não conheçam essa multiplicidade de identidades. “É uma cidade diferente do que a maioria da classe média conhece. Primeiro devido à complexidade da maioria dos moradores em sua relação com a cidade, que é muita maltratada não só pelas autoridades. A cidade parece abandonada”, avalia.

Isso porque, na avaliação do historiador, a população não trata bem suas praças, jardins, casas isoladas. “O cearense não é muito preso ao antigo. Gosta de novidade, não tem preocupação com a memória da cidade”, verifica. Por conta disso, a maioria da população desconhece o lugar onde mora, inclusive os acadêmicos. Assim, para o professor, cuidar da cidade é, em parte, adotar uma preocupação maior, cobrar mais, não jogar lixo na rua. Embora a cidade forme um grupo comum de moradores, as pessoas têm sentimento de pertença diferente em relação à cidade. A falta de inclusão e de acesso a serviços básicos, por exemplo, faz com que não goste do local em que se mora. Isso atinge grande parte da população, já que os bairros mais populosos são também alguns dos mais carentes.

Bairros

Segundo dados do Censo 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o bairro mais populoso é o Mondubim, com 80.303 habitantes. Em seguida estão Jangurussu, com 63.401, e Barra do Ceará, com 69.317 moradores. Já a Aldeota conta com 38.636 habitantes e o Centro, com um total de 24.775 moradores.

Francisco Moreira afirma que essa situação explica-se pela origem dos moradores, entre outros fatores, como a necessidade de ações voltadas para a educação. “A grande maioria residente na periferia está fragilizada em torno da inexistência de elementos que a inclua nesse espaço. O processo migratório cria certa independência porque, mesmo morando aqui, há sempre uma raiz em outro lugar”, justifica.

Esses aspectos, na opinião de Moreira, estabelecem a identificação entre morador e cidade. Outro fator é que, se o migrante que soubesse a razão de ter vindo para cá e como integra a história da cidade, teria relação íntima com o local.

COSTUMES IMPORTADOS
Imigrantes ajudam a construir identidade

Quanto mais a cidade se expande, mais acolhe e reflete a cultura dos seus moradores. Esse processo não se dá por acaso. É fruto da vinda de estrangeiros e de cearenses do Interior pelos mais variados motivos, que mudam conforme o contexto social: das famílias européias que chegaram de navio até metade do século XX até aqueles que, a partir de 1990, viram na cidade um oásis de prazer e diversão, passando pelos retirantes, todos influenciam na construção da identidade local.

No início do Século XX, como explica a pesquisadora Peregrina Capelo Cavalcante, professora da Universidade Federal do Ceará (UFC), os imigrantes vindos da Europa e do Oriente Médio buscavam um lugar para se fixar após fugirem de guerras e perseguições religiosas. Eram portugueses, árabes, espanhóis, italianos, ingleses, franceses que ficaram residência na Capital e em cidades como Quixadá e Icó, onde atuaram no comércio.

Outro período de migração se deu nas décadas de 1960 e 1970, mas aí o perfil era bem diferente: em tempos de euforia pela liberdade, essas pessoas queriam vivem em pleno contato com a natureza. Já de 1990 para cá, a migração se tornou mais feroz e com novos motivos: prazer e diversão.

Mosaico

De acordo com o pós-doutor em Geografia Humana e professor do Departamento de Geografia da UFC, José Borzacchielo da Silva, quando mais a cidade acolhe o que vem de fora, mais amplia sua capacidade de dialogar e se torna aberta à inserção de várias culturas. “Essas várias culturas estão ligadas à população da Capital. Mas ela sente, sim, uma sensação de pertença”, explica.

O professor informa que, assim, a cidade se constrói com a simbologia dos bairros e pautada em um discurso semiótico e ligado a valores burgueses. Dessa forma, os ícones mudam e conduta humana se transforma. Enquanto o que marcou o comportamento urbano anos 1950 e 1960 foram a Praça do Ferreira e o Lord Hotel, hoje são os shoppings. A diferença é que esses centros mantêm uma muralha e isolam.

Em 1950, segundado dados do IBGE, a população de Fortaleza era de 270.169 pessoas. De 1900 a 1957, a população aumentou em 30.777 moradores, o que corresponde à chegada de 5.400 pessoas por ano.

“Os espaços íntimos são tão pequenos que são obrigados a repartir o público. Não é opção, é necessidade construir vínculos com bairros. Isso permite o deslocamento e dá ânimo à cidade. Ela é um mosaico de peças douradas e enferrujadas em construção”, frisa.

FIQUE POR DENTRO
Crescimento atrai problemas urbanos

Na virada do século, Fortaleza detinha a sétima maior população urbana do País. Os primeiros automóveis circularam na cidade em 1910, seguidos dos bondes elétricos, de caminhões e ônibus. Entre as décadas de 1920 e 1930, bairros como Jacarecanga, Praia de Iracema e Aldeota são habitados pelas elites, que passam a valorizar a proximidade do mar. Migrações internas contínuas ocorrem nos anos 1960 e 1970, gerando as primeiras ocupações. A seca que se estendeu de 1979 a 1984 foi outro fator agravante de problemas urbanos.

MARTA BRUNO
Repórter

ENQUETE
Hábitos resistem ao progresso diário

José Alberto dos Santos
55 ANOS
Autônomo

Trabalho no aeroporto, vejo avião, coisa nova todo dia. Mas minha vida é pegar água no chafariz, há 30 anos

Francisco Bezerra do Amaral
60 ANOS
Vendedor

Hoje a gente compra tudo em todo canto. Precisa nem sair do bairro. Antes era só no Centro, no mercado, na feira




Comente essa matéria


Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa, S/N. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999