epidemia

CE registra 2ª morte por chikungunya; Prefeitura define ações contra Aedes

Fortaleza aparece com o maior índice médio de febre chikungunya no País, com 210,8 casos por 100 mil habitantes

00:00 · 10.05.2017 / atualizado às 08:00 por João Lima Neto - Repórter
aedes
No Brasil, de acordo com o órgão, entre 1º de dezembro de 2016 e 2 de fevereiro, foram notificados 901 casos de febre amarela, dos quais 151 já foram confirmados e outros 42 descartados ( Agência Brasil )

A preocupação com o avanço das doenças causadas pelo Aedes aegypti fez a Prefeitura de Fortaleza reforçar as estratégias no combate aos focos do mosquito. Na manhã de ontem, no Paço Municipal, o prefeito Roberto Cláudio apresentou a nova campanha educativa da gestão. A ação tem como objetivo reforçar o engajamento de todos os cidadãos para reduzir os casos de dengue, zika e febre chikungunya. Apesar dos esforços na Capital, o boletim da Semana Epidemiológica 15 do Ministério da Saúde confirma, laboratorialmente, a segunda morte por febre chikungunya no Ceará e apresenta Fortaleza com a maior incidência de casos prováveis da doença entre as cidades com mais de 1 milhão de habitantes.

Dados

Conforme dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), de janeiro a abril deste ano, já foram confirmados 5.483 casos de chikungunya em Fortaleza. Em igual período de 2016, foram registrados 2.014 pacientes. Já em relação à dengue, de janeiro a abril deste ano, 4.110 pessoas foram diagnosticadas, contra 6.222 no igual período do ano passado.

No ranking do Ministério da Saúde, a Capital cearense aparece com 119,4 casos prováveis de dengue a cada 100 mil habitantes. Além disso, também consta com o maior índice médio de febre chikungunya, com 210,8 casos por 100 mil habitantes.

Durante coletiva no Paço Municipal, o prefeito Roberto Claudio rebateu os dados e afirmou que a Capital teve uma redução nos números de dengue. "Em Fortaleza houve o inverso. Tivemos uma queda severa de casos de dengue, mas aumento da chikungunya. Até temos uma suspeita a ser confirmada de que ainda há menos casos de dengue do que foi notificado. E há mais casos de chikungunya, pois houve um problema de diagnóstico. Os profissionais estavam treinados a identificar febre e dor no corpo como dengue. Muitas das notificações da doença podem ter sido chikungunya", ressalta.

DadosEstratégias

Segundo levantamento da SMS, neste ano foram realizadas 12.810 ações com a abordagem de 145.480 pessoas até abril de 2017. No ano passado, foram feitas mais de 40 mil atividades educativas, quase 500 mil pessoas foram abordadas no que diz respeito ao combate do mosquito Aedes aegypti.

Neste ano, também foi criado o Comitê de Enfrentamento às Arboviroses (doenças causadas por mosquitos), que se encontra semanalmente, com a participação de mais de 50 representantes de diversos órgãos e secretarias municipais, além de entidades privadas, fomentando ações intersetoriais. Além disso, foi implementada atividade diferencial de acolhimento específico em 19 postos de saúde, capacitação de 702 profissionais da saúde, mobilização de 12 mil idosos no programa "Senhora Faxina", campanhas educativas em escolas, formação de 27 brigadas, supervisão semanal de todos os equipamentos públicos, criação do selo "Escola Amiga da Saúde", que envolverá 790 instituições públicas e privadas de Fortaleza, entre outras.

Ainda segundo o prefeito, a atenção ainda é redobrada quanto ao trabalho de vistoria nas residências. "Em 81% dos casos de chikungunya que foram identificados, o foco do mosquito estava dentro de casas ou comércios. Então, a população precisa entender que o combate não é apenas ambiental, mas domiciliar, principalmente. Por isso, a tarefa mais eficiente é mobilizar a dona de casa, o cidadão a fazer o seu papel dentro da própria residência", afirmou o gestor.

O chefe do Executivo municipal também falou que vem sendo questionado sobre a limpeza em pontos fixos de lixo na cidade. Ele destacou que o tempo em que o lixo fica na rua é curto, impedindo o ciclo de reprodução do mosquito. "Três dias é o tempo máximo para limpar um ponto de lixo. Há uma falsa impressão que a rampa de lixo em vias públicas ou o ponto de lixo seja o causador do mosquito".

No evento de lançamento da campanha foi assinado uma documento com oito entidades públicas e privadas apoiando a luta contra o Aedes aegypti.

Para o médico infectologista Anastácio de Queiroz, a confirmação de uma segunda morte por chikungunya é grave e pode dar prognóstico para outras.

"Devem ter acontecido muitos óbitos que não foram notificados. É uma doença com sintomas semelhantes a outras. Os casos graves notificados devem ser avaliados com muito critério", alerta o infectologista.

Sobre o aumento de chikungunya na Capital, em nível nacional, o especialista diz que a cidade tem prevenção, mas que não trabalha sozinha. "Não podemos tomar como falha a situação de Fortaleza. Cada cidade tem um perfil sobre os impactos", avalia Anastácio de Queiroz.

Estado

Segundo levantamento do Ministério da Saúde, o município de Farias Brito, no sul do Ceará, é a localidade de maior incidência de dengue em todo o Brasil. O município registra uma média de 1.527 registros, o equivalente a 5 casos de dengue para cada 100 mil habitantes. Em geral, o Brasil tem diminuído os números de arboviroses, como dengue, febre chikungunya e infecção por vírus da zika nos primeiros meses de 2017, em relação a igual período do ano passado. A dengue passou por uma redução de 90,4% nos casos prováveis, enquanto a chikungunya caiu 68,1% e a zika, 95,4%.

Contudo, Ceará e Roraima são os dois únicos estados brasileiros em que as notificações de dengue sofreram um aumento no comparativo ao ano anterior. Até 15 de abril de 2016, o Ceará registrou 13.548 ocorrências prováveis da doença, enquanto em 2017 o índice já chega a 15.826 pacientes. Em relação à febre chikungunya, o Ceará também apresenta crescimento nos números, indo de 4.294 possíveis casos para 17.012 em 2017.

Sobre a segunda morte por chikungunya no Ceará, a Secretaria da Saúde do Estado (Sesa) informou, em nota, que "tem divulgado boletim semanal com a atualização de informações sobre arboviroses". O próximo será divulgado nesta sexta-feira (12) com a atualização de casos notificados e óbitos.

Entrevista

Joana Maciel
Secretária da Saúde do Município de Fortaleza

Ações educativas reduziram casos

Image-0-Artigo-2239359-1

Como se situam as confirmações das doenças por pacientes?

O que sabemos é que, de 10 pacientes que apresentam sintomas da dengue, dois são confirmados. Já da chikungunya, de 10 pacientes, sete são confirmados.

As ações já praticadas nos anos anteriores foram válidas?

Se não fossem as ações de 2016, estaríamos com uma situação mais alarmante. Nós temos que combater os criadouros de forma educativa. Nós vamos reunir especialistas cearenses ainda esta semana para discutir o aumento no número de casos, as ações e os impactos.

Os casos de dengue no Ceará ainda preocupam?

O número de casos de dengue não está aumentando. Nossa preocupação desde o ano passado é com o número de casos de chikungunya. A arbovirose já vinha aparecendo em outros momentos. Assim como a dengue, a chikungunya vem crescendo de forma mensal nas regionais da Capital.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.