Heróis

Bebês ganham 1º registro em fotos

A ideia de trazê-los como pequenos heróis veio do reconhecimento das batalhas que os bebês enfrentam já com poucos dias de nascidos ( FOTO: THIAGO FREITAS )
01:00 · 18.05.2018

Quando a luta pela vida tem início mesmo antes do nascimento, cada dia superado é uma vitória inestimável para os pequenos heróis do Hospital Geral César Cals (HGCC), em Fortaleza. Para as mães que fazem parte da Unidade de Cuidados Intermediários Neonatais Canguru (UCINCa), os filhos são a própria inspiração. Em comemoração ao dia das mães e em homenagem às crianças acompanhadas na unidade, o projeto Registrando Meu Pequeno Grande Herói proporcionou a 71 famílias a oportunidade de fazer o primeiro registro fotográfico das crianças, fortalecendo o vínculo e o emocional da família que vivencia a situação de internamento.

Segundo as idealizadoras do projeto, a psicóloga residente Jamille Barros e a fisioterapeuta residente Nayara Pereira, ambas em neonatologia, o projeto surgiu quando foi percebida a carência das mães de registros fotográficos dos primeiros dias de seus bebês. "A gente não esperava tanta aceitação, sabe? As mães nas unidades pedem muito uma foto do bebê, um registro, então juntando a questão da foto, da luta dos bebês e do dia das mães, a gente resolveu fazer esse projeto", explica Nayara. Jamille conta que o registro fotográfico é também uma forma de lembrar dos primeiros momentos da história da mãe e do filho. "Deu para ver mesmo o brilho nos olhos delas de poder pegar um papel com a foto estampada do filho delas e essa história poder ser recontada de outra forma que não apenas de uma internação, mas de uma luta que traz justamente a saga desse pequeno herói representado nessa criança", ressalta.

Batalhas

A ideia de trazê-los como pequenos heróis veio do reconhecimento das pequenas e grandes batalhas que os bebês enfrentam já com poucos dias de nascidos: "A gente pensou em fazer essas capinhas para poder afirmar e reafirmar que eles estão ali todo dia batalhando a cada momento, que vão ter batalhas que vão ser ganhas e infelizmente a gente acompanha também muitas que não, e muitas vezes não se tem o registro desse bebê que fez parte daquela família. É uma forma também de concretizar a história e o vínculo familiar", conta Jamille Barros. A UCINCa conta hoje com 10 leitos para mães que precisem do método, informou a coordenadora da Referência Estadual em Método Canguru, Natércia Bruno.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.