´Asa Branca´ é a melhor quadrilha junina do Nordeste - Cidade - Diário do Nordeste

FESTIVAL

´Asa Branca´ é a melhor quadrilha junina do Nordeste

29.06.2009

Dez quadrilhas juninas da região Nordeste participaram do Festival, realizado no Eusébio

No Forró do Sítio, onde aconteceu o XI Festival de Quadrilhas Juninas do Nordeste 2009, não houve apenas mistura de sotaques e profusão de cores e alegria. Mais do que isso, a região revelou sua força ao mostrar a plasticidade de suas tradições, com um evento que foi transmitido, ontem, pela Rede Globo, em horário nobre.

O XI Ceará Junino, que teve como promotores o Sistema Verdes Mares, o governo do Estado, através da Secretaria de Cultura (Secult) e a 77 Eventos, promoveu sua final na noite de sábado. O grupo Asa Branca, de Sergipe, foi o grande vencedor.

Apesar da última etapa do concurso ter ocorrido no sábado, foi ontem que a Rede Globo transmitiu para as emissoras afiliadas no Nordeste a apresentação dos dez grupos, representando cada Estado Nordestino, após a apresentação do programa Fantástico.

O Ceará, como foi o campeão do ano passado, pôde inscrever duas quadrilhas, a Zé Testinha (que tentava o bicampeonato, mas que acabou ficando em 3º lugar) e o Arraiá do Patativa, que ficou em oitavo lugar na disputa.

Para o gerente comercial do Sistema Verdes Mares, Antônio Vidal, o sucesso da iniciativa se deu pela concretização das parcerias com a rede Globo, por meio do Núcleo de Recife, o governo do Estado e depois com a 77 Eventos.

“Essa foi uma realização que demonstrou que não temos apenas o maior número de quadrilhas, mas que conseguimos também fazer uma festa de grande porte”, ressaltou Vidal.

Este ano, houve duas novidades no Festival: a realização no Ceará e a participação do Estado do Maranhão. A expectativa de publico, somente na área do quadrilhódromo, foi de cinco mil pessoas.

A euforia e a espontaneidade contagiaram o público presente e, sobretudo, os protagonistas, que foram os participantes das quadrilhas.

Esta era a sensação vivida na noite de sábado pelo estudante Paulo Henrique da Silva, 19 anos. Integrante da Lua de Prata, do Piauí. Ele enalteceu o fato de que participava de um grupo vitorioso: três vezes campeão no seu Estado.

O brincante e estudante Silva disse que desde que passou a fazer parte do Lua de Prata, tem viajado para diferentes lugares do Brasil, especialmente aqueles Estados que mantêm laços fortes com as raízes nordestinas.

“Uma das nossas grandes apresentações foi em Caruaru, mas agora em Fortaleza queremos o título de campeão do Nordeste”, afirmou o estudante, antes de se apresentar. Para sua tristeza, o grupo ficou em 7º lugar, mas pôde sair orgulhoso de, juntamente com seus companheiros, ter arrancado fortes aplausos dos cearenses e convidados de outros Estados.

Se o festival de quadrilhas chegou a se exibir além de 1hora da manhã de ontem, as apresentações artísticas também se deram pela madrugada, com os shows da dupla Jorge e Mateus e Aviões do Forró.

FIQUE POR DENTRO
Características da grande festa nordestina

Durante os 11 anos, foram campeões do Festival os seguintes Estados: Alagoas (três vezes), Pernambuco (cinco vezes), Sergipe (duas vezes), Rio Grande do Norte (uma vez) e Ceará (uma vez, em 2008).

Idealizado em 1995 pelo então diretor de Programação da Rede Globo Nordeste, José Dias Raposo (J. Raposo), o Festival tinha como principal objetivo manter viva as raízes culturais nordestina. A quadrilha foi a manifestação popular escolhida para o projeto idealizado.

Contando com a adesão de sete Estados (Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambucano, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí), o Festival naquela época denominado I Concurso Regional de Quadrilhas Matutas foi realizado em Pernambuco, no Arraial Global, área externa da Rede Globo Nordeste. A primeira vencedora do Festival foi a Quadrilha Luar de Sertão de Alagoas, que repetiu o feito no ano seguinte, 1996, sagrando-se bicampeã.

Durante os anos de 1998, 1999 e 2000, o Festival deixou de ser apresentado, retornando em 2001 com a sua realização na cidade de Caruaru (PE).

Em 2007, adotou a nomenclatura de Festival de Quadrilhas Juninas do Nordeste e ganhou maior força: passou a ser transmitido pelas emissoras da região Nordeste.

MARCUS PEIXOTO
Repórter

O QUE ELES PENSAM
Importância para tradição regional

Esse evento é de suma importância para o incremento do festival junino no Ceará. Nós temos as melhores quadrilhas dos estados do Nordeste se apresentando e essas apresentações oportunizam ao público saber como estas manifestações são vividas em diferentes regiões nordestinas. Este intercâmbio é importante, porque promove o crescimento da criatividade dos quadrilheiros do Ceará, o que dá uma projeção maior ao festival junino.

Franzé Silva
Coordenador de Ação Cultural da Secretaria de Cultura do Estado

O festival junino tem uma importância muito grande do ponto de vista cultural e econômico, porque o Ceará já é destaque entre outros Estados do Nordeste em movimentos de quadrilhas. O diferencial do Ceará é que não contava com um festival e uma arena muito grande, que foi constituída no Forró do Sítio, numa parceria com o Governo do Estado e a 77 Eventos. Tanto o Governo Estadual quanto as prefeituras estão ajudando na promoção de quadrilhas.

Antônio Vidal
Gerente Comercial da TV Verdes Mares

Montamos essa estrutura no estacionamento do Forró do Sítio. Isso aqui era uma área totalmente limpa, com aproximadamente 15 mil metros quadrados e dividimos em duas partes. A primeira, onde foi montado o Quadrilhódromo da TV Globo, para a gravação do São João do Nordeste, em cinco mil metros quadrados, que são a arena, área de concentração das quadrilhas, praça da alimentação, bilheterias. Instalamos ainda os camarotes, que são para o cliente vip.

Ricardo Santana
Arquiteto da 77 Eventos




Comente essa matéria


Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa, S/N. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999