chikungunya

Arbovirose tem aumento de 335%

01:00 · 15.01.2018
Image-0-Artigo-2349859-1
Prevenção é a maior arma para conter o avanço do mosquito transmissor das doenças ( FOTO: NAH JEREISSATI )

Mesmo com as intensas campanhas de conscientização para o controle de focos do Aedes aegypti, o impacto na saúde pública das doenças transmitidas pelo mosquito foi grande. Conforme o último Boletim de Doenças de notificação compulsória de 2017, os casos de chikungunya aumentaram mais de três vezes no Ceará em comparação com 2016. A dengue, por sua vez, reduziu as notificações em 34%.

No ano passado, a Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), por meio do Núcleo de Vigilância Epidemiológica da Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde, contabilizou 99.984 mil notificações de chikungunya. Em 2016, foram registrados 29.837 pessoas com os sintomas da doença. O aumento foi de 335% de um ano para outro.

Redução

A dengue, que tem uma série histórica no Ceará, reduziu os casos contabilizados no ano passado. Ao todo, a Sesa registrou 24.891. Já no ano anterior, o número era de 37.769. A zika, a exemplo da chikungunya, também obteve aumento. Em um ano, a doença passou de 112 casos para 571 registros.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.