em dez anos

Aprovação escolar tem melhor resultado

Dados preliminares do Censo Escolar 2017 revelam taxa de aprovação 94,2% no Ensino Fundamental

01:00 · 13.04.2018
O fortalecimento da gestão escolar está entre as estratégias tomadas nos últimos anos que refletem diretamente na melhoria dos resultados ( Foto: JL Rosa )

Dados preliminares do Censo Escolar da Educação Básica 2017, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e divulgado pela Prefeitura de Fortaleza, revelam o melhor desempenho escolar na rede municipal de ensino dos últimos dez anos. Em 2017, a taxa de aprovação entre os estudantes do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental chegou a 94,2%, total 21,1 pontos percentuais a mais que em 2008, quando o índice de aprovados fechou em 73,1% dos alunos matriculados. Em comparação ao ano de 2016, com taxa de 89,9%, o acréscimo foi de 4,3 pontos percentuais.

A taxa de reprovação obtida no ano passado foi de 4,5%, uma redução de 3,6 pontos percentuais em relação a 2016 e um decréscimo de 11,4 pontos percentuais se comparado a 2008, quando o índice era 15,9%. De acordo com o levantamento, o índice de abandono escolar também se manteve em constante queda nos últimos dez anos, passando de 11% para 1,3%, redução de 9,7 pontos percentuais.

O fortalecimento da gestão escolar, permitindo assim uma maior autonomia da escola, está entre as estratégias tomadas nos últimos anos que refletem diretamente na melhoria dos resultados, segundo explica a secretária municipal de educação, Dalila Saldanha.

"Desde de 2013, foi feito um conjunto de intervenções na educação e isso representa um processo que deu uma certa continuidade na política educacional, envolvendo uma reestruturação na gestão das escolas, com uma valorização da carreira de magistério, garantindo todas as progressões. Além disso, foi criado o Prêmio Escola com Excelência em Desempenho (Pemed), baseado no resultado do Spaece, que foi um instrumento muito importante pelo processo de reconhecimento dos resultados que as escolas vão alcançando ano a ano, criando um clima de integração em que umas vão ajudando as outras. É como uma política de incentivo", afirma.

Formação

Para a secretária, a formação continuada de professores, tendo como base o protocolo do Programa de Alfabetização na Idade Certa (Paic), assim como a criação de serviço com foco na gestão financeira e participativa - por meio do qual se faz possível monitorar e planejar intervenções específicas aonde os resultados não chegam, também estão entre as estratégias vitoriosas. A redução do índice de reprovação, ainda conforme Dalila Saldanha, pode ser atribuída à criação do Comitê de Aprendizagem, que trabalha em cima de dois aspectos: a frequência e o aprendizado. "Criamos um sistema de monitoramento da frequência com uma buscativa no caso de falta e um outro sistema de aprimoramento, de avaliação interna com, provas aplicadas de forma sistemática em todas as séries. Assim temos condição de fazer intervenções em cada turma", explica.

Apesar dos avanços, controlar o abandono escolar, assim como o aprendizado na idade certa, evitando a reprovação, são para a secretária os grandes desafios a cada ano. "Para além da permanência na escola é preciso garantir a aprendizagem em cada ano. Somente este ano conseguimos mais de 14 mil reingressos na escola.

No Ensino Fundamental I, a série crítica para o abandono é o 5º ano, agravado quando a criança é reprovada no 3º ou no 4º. Já na segunda fase do Ensino Fundamental, o grande cuidado é em relação aos alunos do 7º para o 8º ano, pois se ele reprovar pode evadir e daí não voltar mais", afirma.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.