Entrevista

Ações precisam de apoio para ganhar em escala

01:00 · 28.05.2018 por Thatiany Nascimento - Repórter

Entrevista com Rui Aguiar, coordenador do Escritório do Unicef em Fortaleza

Qual a análise sobre a relação entre a forte atuação dos projetos sociais e persistência de obstáculos?

Para entendermos bem a situação atual, temos que voltar no tempo 30 anos. Na promulgação da Constituição, houve a introdução do princípio da proteção integral de crianças e adolescentes. Tudo que é feito hoje só foi possível graças à decisão dessa época de descentralizar algumas políticas, que foram implementadas com o apoio da sociedade civil, sobretudo, de movimentos sociais e ONGs. Mas atualmente, há restrição de financiamento, redução de capacidade de financiamento externo e o fechamento de várias e importantes ONGs.

Leia mais:

> Projetos sociais resistem à falta de estrutura e ao aumento da violência

Quão fundamentais essas ações têm sido nas áreas periféricas?

Temos a sociedade civil realizando atividades de educação não formal que são inovadoras e se consolidam quando são incorporadas como políticas públicas. Se essas iniciativas não tivessem sendo realizadas historicamente teríamos um quadro social pior. O que a gente precisa é ter apoio para essas iniciativas, para que elas ganhem escala. O sucesso do Ceará em política pública vai além do sistema formal. O sucesso do Ceará em política pública vai além do sistema formal.

Hoje, há diálogo entre o poder público e as iniciativas da sociedade civil?

Hoje, há uma abertura. Temos muitos mecanismos de participação. Mas ainda estamos limitados aos desenhos iniciais da política. O passo seguinte é manter a escuta permanente. Escutar no levantamento, mas também na implementação. É preciso deixar claro o que tem que ser feito pelo Estado e o que pode ser compartilhado pela sociedade civil.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.