hospital césar cals

Ações celebram Dia Mundial de Doação de Leite Humano

O Hospital Geral Dr. César Cals atende a outros hospitais na Capital. A unidade tem, atualmente, 30 mães doadoras fixas, quando o ideal seria 70 ( Foto: Saulo Roberto )
01:00 · 19.05.2018

Se alguém diz a uma mãe que seu sorriso é belo, ou pergunta como vai o seu bebê, certamente essa mãe vai amamentar com mais facilidade. "Você elogia e o leite cai", reforça a coordenadora do Banco de Leite Humano do Hospital Geral Doutor César Cals, Rejane Santana. Na semana que antecedeu o Dia Mundial de Doação de Leite Humano, comemorado neste sábado (19), o local que é referência no serviço, ofereceu uma programação especial as doadoras e a quem recebe o gesto generoso.

As participantes do evento são mães que continuam internadas; do acolhimento materno, aquelas que já receberam a alta e continuam acompanhando os filhos na Unidade Cuidados Intensivos Neonatais (Utin) ou nas salas de médio risco; e das mães externas, doadoras de leite.

Gilvânia Cambraia, enfermeira do banco de leite destaca que sensibilização é importante para atingir a demanda total diária, como referência, o ideal eram pelo menos 19 a 20 litros de leite materno. O estoque atual é de 24 litros. O César Cals atende outros hospitais na Capital. Tem, atualmente, 30 mães doadoras fixas, quando o ideal seria 70.

Em seus leitos internos, o ideal eram pelo menos 19 a 20 litros de leite materno. São 20 alas de unidade neonatal, 36 de médio risco e 10 salas Canguru, onde a mãe fica colada ao bebê 24h por dia.

Julia Coelho passou por todos os estágios e salas. O filho, Thomas, nasceu com 31 semanas e está, desde o mês passado, no Hospital. A mamãe teve pré-eclâmpsia logo após o nascimento e o marido omitiu alguns detalhes da saúde do filho, para não a preocupar. Thomas nasceu com pouco mais de 1 kg. Faltam 200 gramas para que ela atinja o ideal (de 1,8kg) e, finalmente, conheça seu lar.

Durante a fase da sala Canguru, Julia teve começo de depressão pós-parto. Hoje, já de alta, passa o dia quase todo no Hospital, alimentando Thomas de 8h às 17h. "O que sobra, sempre deixo disponível para outras mãezinhas, que passam agora pelo que eu já passei", relata.

"Precisamos dar ainda mais informações, pois toda mãe é uma doadora em potencial. Durante a semana, vamos conscientizar sobre nossos principais problemas, como a falta de vidros para a coleta", frisa a Rejane Santana. Ela palestrou, na manhã dessa sexta-feira (18) a respeito de "Mitos e verdades sobre alimentos da lactante", tirando dúvidas como a melhor posição para o bebê mamar, se existe leite fraco e dicas para a lactante oferecer o leite da melhor forma.

Um mamaço será realizado neste sábado, a fim de divulgar o aleitamento materno e a doação, na praça de alimentação, piso L3, no North Shopping Jóquei. Em seguida, roda de conversa sobre esclarecimentos em relação à amamentação e doação de leite. A ação é coordenada pela rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com o Ancar Ivanhoe.

O Hospital Geral de Fortaleza (HGF) também oferecerá, sábado, uma palestra sobre o tema no Auditório do Shopping Rio Mar Fortaleza. Na unidade, entre janeiro e abril de 2018, 247 litros de leite materno foram coletados. Do total, 158 litros chegaram a ser pasteurizados (processo que torna o alimento mais "puro" para o bebê) e distribuídos. O necessário, em média, é de 8 litros por semana, um número que o banco não consegue atingir.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.