A simplicidade do Serviluz - Cidade - Diário do Nordeste

VIDA DE PESCADOR

A simplicidade do Serviluz

10.02.2010

O lugar que ficou conhecido como o "Bairro do Estaleiro" não é só isso. Tem história própria para contar

Apesar de a polêmica instaurada com a pretensa construção de um estaleiro ter colocado o Serviluz sob os holofotes da mídia, nem só dessa polêmica fama vive o bairro. Há uma história forte por trás do impasse.

O bairro é um dos que têm menor Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHm), que é de 0,386. Nele, 90% da população é beneficiada com o Bolsa Família e 80% têm apenas o Ensino Fundamental e vivem na informalidade. Dos 21 mil habitantes, 20% sobrevivem da pesca. Além disso, a comunidade é carente de serviços. Os moradores dispõem apenas de um pequeno comércio, mas que, segundo eles, dá para suprir as necessidades.

Mesmo sem a devida infraestrutura, quem mora no Serviluz garante que vive bem. "Só em sair de casa e dar de cara com o mar todos os dias já é uma bênção. Tudo aqui é bom", afirma o pescador aposentado e morador há 40 anos da Praia do Titanzinho, Francisco Fernando das Chagas.

"Não é um dos piores bairros. Aqui todo está com a barriga cheia. Ninguém passa necessidade", diz a presidente da Associação dos Moradores do Serviluz, Maria Ferreira Dias.

Aldeia

O bairro é uma espécie de aldeia de pescadores, onde todos se conhecem e formam uma grande família. "As pessoas têm um estilo de vida totalmente diferente do resto da cidade", acrescenta o integrante do Conselho Gestor da ONG Serviluz Sem Fronteiras e morador, Pedro Fernandes.

Contudo, a violência já chegou ao local. Por envolvimento com drogas, algumas gangues assustam a comunidade.

A atividade de destaque do local é o surfe, praticado no Titanzinho, que forma, com a própria praia, a única opção de lazer do bairro. Inclusive, alguns campeões mundiais de surfe saíram do Serviluz. A própria comunidade incentiva a prática do esporte. Uma escolinha de surfe, por meio do projeto Ondas da Vida, inicia crianças e adolescentes no esporte.

A localidade possui duas praças, mas apenas uma delas é utilizada pelas crianças, pois possui uma quadra de esportes. O equipamento é mantido pela comunidade, de acordo com Fernandes. "Falta manutenção por parte do poder público".

Origem

A formação do bairro se deu, paulatinamente, pelas mãos de pescadores que moravam na Praia Mansa e foram transferidos para o local, em virtude da construção do Porto do Mucuripe. "Aos poucos, fomos conseguindo montar o bairro com a construção das casas, por meio de mutirões, a vinda de escolas e do posto de saúde. As conquistas aconteceram com muita luta", observa Maria Dias.

Hoje, a localidade já conta com escolas, igrejas, um posto de saúde, casa do idoso, além de associações de moradores, organizações não governamentais (ONGs) e outras entidades em defesa dos moradores.

Projetos

Em virtude das dificuldades que o Serviluz enfrenta, essas instituições estão à frente de muitos projetos. São cursos de capacitação profissional; aulas de teatro, música, fotografia e informática; pré-vestibular; alfabetização para adultos; e exibição de documentários.

O poder público também começa a investir no Serviluz para amenizar a situação de pobreza que o bairro enfrenta. Um dos projetos é o curso Patrimônio para Todos para mapeamento da cultura da comunidade. Promovido pela Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho, vinculada ao Instituto de Arte e Cultura (IACC) e à Secretaria da Cultura do Estado, o curso oferece aos jovens a oportunidade de conhecer a história em visitas monitoradas.

Já o equipamento que representa a história e a cultura do bairro é o Farol do Mucuripe. Construído entre 1840 e 1846, com mão-de-obra escrava, a edificação foi tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará e transformado no Museu do Jangadeiro, que conta com acervo de imagens e documentos da antiga Fortaleza. Porém, hoje, o farol, um dos pontos turísticos da cidade, está fechado por falta de conservação e segurança.

PARA A COMUNIDADE
Previstos grandes projetos


Estaleiro vai gerar 1.200 empregos diretos. Segundo o governador do Estado, Cid Gomes, aproximadamente 80% das vagas serão de baixa qualificação

Os moradores do Serviluz têm vivido um clima de expectativa com a possibilidade de implantação de grandes projetos no bairro. Um deles é o estaleiro, fábrica de navios gaseiros para a Petrobras Transporte S/A (Transpetro), que deverá ser construído pela Promar Ceará (empresa que venceu a licitação), na Praia do Tettamanzi.

O projeto é grandioso, orçado em R$ 220 milhões, sendo R$ 60 milhões do próprio Governo do Estado. Além disso, o empreendimento deve contar com recursos do Tesouro Nacional e com o reforço financeiro do estaleiro coreano STAX.

Renda

Com o empreendimento, o governador Cid Gomes pretende gerar 1.200 empregos diretos para uma população carente de oportunidades. De acordo com o gestor, 80% da população será beneficiada.

Segundo Cid, o Tettamanzi é o local ideal para abrigar o estaleiro, por oferecer um grande quebra-mar, montado para o Porto do Mucuripe, sendo preciso apenas complementar-lo para reduzir as ondulações da maré. Além de oferecer a profundidade do mar necessária ao projeto a de dez a 12 metros.

Sem prejuízos

O governador garante que nenhuma família será desapropriada nem o surfe, prejudicado em virtude da construção do equipamento, já que a prática do esporte continuará viável a uma distância de 700m do local.

As pessoas do bairro esperam também pelo Projeto Orla, da Prefeitura de Fortaleza, que tem por objetivo fundamental a requalificação das áreas litorâneas da Capital Cearense.

Segundo eles, o projeto vai reavivar o turismo da região. Cid Gomes ressalta que a região do Tettamanzi já está bastante degradada e violenta, não sendo ideal, hoje, para o turismo.

Saiba mais
Fundação


O nome oficial do Serviluz é Cais do Porto. O bairro começou a ser construído na década de 1940, com a transferência de pescadores e estivadores que habitavam a Praia Mansa, pela Companhia das Docas do Ceará, para o local, em consequência da construção do Porto do Mucuripe. Localizado entre a Beira-Mar e a Praia do Futuro, o bairro ficou conhecido por seu potencial turístico e pela prática do surfe, na Praia do Titanzinho. O nome Serviluz surgiu por força da existência da Companhia de Serviço de Força e Luz de Fortaleza (Serviluz), na década de 1950, utilizada pelos moradores como referência para situar a localidade. A maior parte da população vive na informalidade, exercendo atividades como a pesca

Enquete
O que o bairro tem?

"Achava muito bom morar aqui, mas agora não está mais por causa dos marginais. Apesar de que a vida familiar ainda existe. Todos se conhecem"

José Domingues de Alencar
71 ANOS
Aposentado

"Gosto muito de morar aqui. Quando não temos o que comer, existe o mar, que nos dá o peixe. Mas faltam oportunidades para os jovens"

Rita Alves Sabino
57 ANOS
Dona-de-casa

"Aqui, tudo é bom. Saio de casa e dou de cara com o mar. Só isso já é uma bênção. Falta apenas mais opção de lazer para a juventude, mais praças"

Francisco Fernando das Chagas
82 ANOS
Aposentado

Ponto de vista

Bom

A NATUREZA é a maior vantagem do bairro Serviluz. Para os moradores, é o que garante o sustento de 20% da população local, especialmente no que diz respeito à pesca. Além disso, serve também como opção de lazer. A Praia do Titanzinho é a principal fonte de renda dos habitantes e reduto da atividade esportiva predominante do lugar: o surfe. Muitos campeões iniciaram a carreira lá e outros já caminham para se tornarem grandes profissionais

Mau

A principal desvantagem do bairro Serviluz é a marginalidade, de acordo com os moradores. A causa é a droga, que acabou chegando ao local e envolvendo jovens, que passaram a formar gangues e assustar os habitantes. A ociosidade de boa parte da população local também gera a violência. A maioria dos moradores não tem oportunidade de trabalho. Aqueles que têm, vivem na informalidade



LINA MOSCOSO
REPÓRTER

Comente essa matéria


Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa Chanceler Edson Queiroz. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999

X Fechar

Desejas compartilhar o conteúdo do Diário do Nordeste?

Utilize o link da notícia ou as ferramentas presentes na página.