Formalização

3,6 mil ambulantes serão regularizados

01:00 · 18.08.2018

Devido ao excesso de ambulantes no Centro, passar por bancas de venda irregulares, é um percurso quase obrigatório. Roupas, eletrônicos e os mais variados tipos de comida produzem um cenário de desorganização. A imagem deve mudar com a padronização e regularização do trabalho informal, segundo expectativas da Prefeitura. No novo projeto de Centro, estão inclusas duas intervenções-piloto: a padronização das bancas na rua Barão do Rio Branco e a criação de quiosques nos calçadões das ruas Guilherme Rocha e Liberato Barroso, a fim de ordenar o comércio informal.

> Ações de requalificação do Centro começam neste mês 

Segundo o presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CDL) em Fortaleza, Assis Cavalcante, existem 1.471 ambulantes regulamentados e outros 3,6 mil inscritos ainda seguem sem formalização. "O contribuinte e o consumidor não podem ter seu direito constitucional de ir e vir prejudicados. Eles farão um cadastro e haverá a distribuição nos quiosques. É uma reivindicação antiga não só dos lojistas, mas de quem anda e trabalha no Centro. Não foi uma ideia da CDL ou do prefeito, nasceu com legitimidade do povo. O comitê gestor vai gerir, contribuir e sugerir ações. Em um tempo curto, deveremos ter um novo Centro. Tivemos pelo menos uns quatro encontros para chegarmos a esses projetos", diz.

"É muito importante dizer que os ambulantes cumprem um papel social ao Centro da cidade. Quanto mais tivermos diálogo e organizar o espaço público. Cadastramento ordenamento, parceria e diálogo é o que é preciso para garantir trabalho dos ambulantes", declarou o prefeito, Roberto Cláudio.

A feirante Célia Sousa, 45, conta que atua no Centro há 20 anos. Ela começou a trabalhar com a mãe na venda de roupas femininas, mas lembra que já se feriu, por diversas vezes, fugindo das fiscalizações da Prefeitura. "A gente carrega grades de ferro e manequins. Já tive o material apreendido diversas vezes e fiquei sem comer porque não tinha o material de trabalho. Espero que tudo isso mude", aguarda a feirante.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.