levantamento do ijf

1.183 ciclistas se acidentaram em 2017

Apesar do número elevado, foram menos 15% de atendimentos em relação a 2016, que teve 1.385 registros

Segundo a SCSP, Fortaleza tinha 68,2 km de rede cicloviária ao fim de 2012; hoje, conta com 225,5 km da infraestrutura
01:00 · 13.04.2018 por Nícolas Paulino - Repórter

A malha cicloviária de Fortaleza tem crescido ano a ano, conforme a Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP). Com esse incremento, cresce também a disputa por espaço entre os veículos. E, nessa equação, quem costuma pagar o preço é o mais frágil. Em 2017, segundo levantamento do Instituto Doutor José Frota (IJF), 1.183 ciclistas sofreram algum sinistro, uma média de 98 acidentados por mês e de três por dia. Apesar de alto, o número sofreu redução em relação aos anos anteriores.

Foram menos 15% de atendimentos comparados a 2016 (1.385), menos 7% em relação a 2015 (1.270) e menos 16% (1.406) se confrontado a 2014. Segundo o IJF, a principal causa dos acidentes com ciclistas é a queda ou capotamento sem colisão, causadas por problemas mecânicos ou de trajeto: foram 592 casos em 2017 ante os 754 de 2016. Em segundo lugar, vieram as colisões com carros - foram 260 no ano passado contra 304 em 2016. Em terceiro, ficaram as colisões com motos, com 237 acidentados.

> Rede cicloviária de Fortaleza será ampliada

As estatísticas da unidade, referência regional no socorro às vítimas de traumas de alta complexidade, também revelam que, dos 15.023 atendimentos por acidentes de trânsito, os ciclistas estavam envolvidos em 7% deles. Entre os atendidos moradores de Fortaleza, eles representam 9,09% das vítimas. Já dos pacientes oriundos do Interior, são 6,3%.

"Os ciclistas já chegaram a ocupar a terceira posição entre as ocorrências. Mas observamos que, apesar de termos um número de usuários maior, a adoção de vias adequadas tem trazido mais segurança", analisou o superintendente adjunto do IJF, Osmar Aguiar, durante apresentação do balanço de atividades da unidade, no fim de março.

Conforme outro balanço divulgado neste ano, pela Prefeitura de Fortaleza, a cidade contabilizou 256 mortes no trânsito, em 2017. Das vítimas, 19 (7,4%) eram ciclistas - o terceiro perfil que mais morre nas ruas da metrópole, atrás dos usuários de motocicletas (pilotos e garupeiros) e de pedestres. No ano anterior, foram registrados 23 óbitos de ciclistas e, em 2015, 16.

Segundo a SCSP, Fortaleza tinha 68,2 km de rede cicloviária ao fim de 2012; hoje, conta com 225,5 km da infraestrutura: 101,5 km de ciclovias, 120 km de ciclofaixas, 3,9 km de ciclorrotas e 0,1 km de passeio compartilhado. Os trabalhos de implantação desses espaços são coordenados por meio do Plano de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito de Fortaleza (Paitt). Contudo, a estrutura física precisa ser acompanhada pelo bom uso, apontam usuários das bikes ouvidos pela reportagem na ciclofaixa da Av. Antônio Sales. A presença das magrelas na via é constante, montadas por homens e mulheres, estudantes, atletas e trabalhadores. Porém, ainda são poucos os que utilizam equipamentos de proteção, como capacetes e cotoveleiras.

Um deles é o frentista Manuel Duarte, que utiliza a bicicleta diariamente há oito anos. Apesar da vulnerabilidade, ele diz que nunca se envolveu ou presenciou um acidente enquanto pedalava. "Acho que tudo se resume à questão do respeito", afirma.

Para Daniel Neves, um dos diretores da Associação dos Ciclistas Urbanos de Fortaleza (Ciclovida), é preciso que sejam feitas campanhas educativas com motoristas de carros e veículos grandes, como ônibus e caminhões, e a adoção de fiscalizações mais efetivas. "Notamos que tem melhorado o respeito das estruturas cicloviárias por iniciativa de movimentos de mobilidade e das bikes compartilhadas da Prefeitura, mas ainda vemos muito desrespeito", avalia.

Mesmo sentido

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) define que, em locais que não há ciclovias, ciclofaixas ou acostamento, as bicicletas devem circular no mesmo sentido dos outros veículos e têm preferência sobre os demais. Também está previsto, sob pena de infração ou multa em caso de descumprimento, que o motorista precisa manter distância lateral de 1,5m ao ultrapassar uma bicicleta e reduzir a velocidade ao fazer isso.

Além da boa convivência no trânsito, a Ciclovida cobra, da Prefeitura, reparos em ciclovias e ciclofaixas antigas, como as da avenidas Bezerra de Menezes e Humberto Monte, que "estão abandonadas e recebem até lixo". Além disso, pede a instalação de malha cicloviária em bairros como o Centro e uma maior integração entre as estruturas já existentes.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.