Quadrinhos

Valente para sempre, para todas e por opção

00:00 · 15.02.2014

Ilustrador Vitor Cafaggi volta a Fortaleza para lançar 3º volume da coleção de quadrinhos “Valente”

Dramas, desventuras e descobertas adolescentes são matéria-prima para livros, músicas e filmes há tanto tempo e de forma tão expressiva que já se tornaram uma categoria. Contudo, para qualquer gênero ou linguagem, é possível fazer novo do velho: tudo depende da forma de contar.

Uma trama iniciada por uma troca de olhares que resulta em paixão fulminante e posteriores desilusões e quebras de expectativas tem todo o potencial para se tornar o maior e mais previsível dos clichês. Sob os traços delicados do ilustrador mineiro Vitor Cafaggi nos contornos do sonhador Valente, um antropomorfizado cachorro felpudo, a velha história surpreende, comove e gera uma identificação praticamente inevitável.

O personagem é velho conhecido dos leitores do jornal O Globo: há quatro anos protagoniza as tirinhas da publicação. Quando decidiu que o hobby de infância era o que gostaria de fazer profissionalmente, o desenhista começou a postar algumas tirinhas na antiga rede social Orkut, inicialmente apenas para os amigos. Nessa época, a estrela dos quadrinhos da Cafaggi era ninguém menos que Peter Parker.

"Puny Parker" era uma série sobre a infância do garoto que um dia se tornaria o Homem-Aranha. "Eu queria me condicionar a sempre desenhar. Aconteceu naturalmente, depois foi evoluindo até que, de repente, não estava só no Orkut", relata o ilustrador.

Da rede partiu para um blog e foi cartão de visita para O Globo, que convidou o mineiro a produzir para o jornal. A condição era ter um personagem ao mesmo estilo, com as mesmas temáticas, mas que não precisasse pagar direitos autorais à Marvel. Assim nasceu, por fim, Valente. A ideia era antiga para Cafaggi.

"Tinha um pensamento de fazer um quadrinho com um personagem cachorro humanizado. Queria trabalhar a linguagem corporal do cachorro, as expressões com orelhas e rabo", conta o artista.

Então, contando histórias da própria adolescência e conquistando uma legião de leitores, o cãozinho apaixonado que lembra as aventuras de Charlie Brown, de Charles Schulz, misturado à forma de narrar de Bill Watterson (Calvin & Haroldo) ganhou as páginas do jornal e também de livros. De forma independente, Vitor compilou e lançou as tirinhas em volumes: "Valente Para Sempre" (2011) e "Valente Para Todas" (2012).

O terceiro tomo da coleção, "Valente Por Opção", será publicado pela maior editora de quadrinhos em atuação no Brasil, a Panini, que também relança as anteriores.

Neste sábado, o ilustrador volta a Fortaleza para uma conversa com fãs e sessão de autógrafos do terceiro livro, a partir das 16h na Livraria Cultura. De acordo com ele, o planejamento da coleção é mais três volumes: um para agosto desse ano, outro para 2015 e o último para 2016.

Diferentes Valentes

A sensibilidade para o real aliada à doçura gráfica e expressiva são as grandes vitórias de Vitor Cafaggi. Apesar de partir do clichê "amor não correspondido", as aventuras de Valente não tendem para a comédia-dramática-romântica que deposita a felicidade individual nas costas de um possível companheiro.

As tirinhas retratam como os diferentes amores que encontramos pela vida e as experiências boas e ruins que passamos juntos influenciam nossa personalidade, desejos e trajetórias futuras.

Em "Valente para Sempre", o leitor conhece e mergulha no mundo do personagem, seus amigos e sua maneira de entender seu mundo povoado por animais humanizados. Na paixão do protagonista por Dama, Cafaggi não poupa o leitor das inseguranças, dúvidas e angústias da adolescência vividas pelo cãozinho.

Já em "Valente para todas", a trama se desenrola a partir do conflito do personagem principal entre dois amores e pelas disputas e rixas entre as cadelinhas interessadas. No terceiro, encontramos Valente lidando mais do que com mudanças na vida amorosa, mas também em um processo difícil de transição da escola para a faculdade.

Turma da Mônica

Além de Puny Parker, o desenhista também prestou seu tributo ilustrado a outro ícone dos quadrinhos. Em 2013 chegava às bancas e livrarias "Turma da Mônica - Laços", versão dos irmãos Vitor e Lu Cafaggi para uma aventura da turminha da Rua Limoeiro.

A publicação faz parte do projeto Graphic MSP, em que diversos artistas emprestam seus traços autorais e roteiros aos personagens criados por Mauricio de Sousa, para histórias mais longas. O convite surgiu após o encanto do dono do estúdio pelo estilo de Vitor, quando o ilustrador participou da coletânea "MSP 50 - Mauricio de Sousa por 50 Artistas", uma homenagem de quadrinistas brasileiros aos 50 anos de carreira do criador da Turma da Mônica. Na obra, Vitor trabalhou com Chico Bento.

A proposta de trabalhar com os personagens principais do estúdio não intimidou os irmãos, ainda que Vitor relate ter se sentido privilegiado com a oferta. "A gente conhece tão bem que foi tudo muito natural, a história foi saindo sozinha, os personagens que foram contando a história. Fazia tão parte da vida e da infância da gente que foi o mesmo que brincar com nossos amigos", conta o ilustrador.

Mais informações:

Lançamento de "Valente por Opção", do quadrinhista Vitor Cafaggi. Hoje, às 16h. No auditório da Livraria Cultura ( Av. Dom Luís, 1010). Entrada gratuita.

Contato: (85) 4008.0800

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.