Espaço cultural

Unifor Guinle, talento dos negócios em exposição

01:40 · 27.04.2012
O empresário era um dos homens de mais confiança do ex-presidente Getúlio Vargas e esteve por trás da descoberta de petróleo em território nacional
O empresário era um dos homens de mais confiança do ex-presidente Getúlio Vargas e esteve por trás da descoberta de petróleo em território nacional ( )
Vários objetos pessoais...
Vários objetos pessoais... ( )
...de Guilherme compõem a exposição em cartaz...
...de Guilherme compõem a exposição em cartaz... ( )
... no Espaço Cultural Unifor
... no Espaço Cultural Unifor ( )
Homem de confiança de Getúlio Vargas, Guilherme Guinle foi pioneiro na exploração de petróleo e minério

Admirado em sua época como empresário modelo, Guilherme Guinle foi um dos braços fortes na política econômica de Getúlio Vargas, festejado por nacionalistas como defensor do desenvolvimento nacional. Entre seus grandes feitos, estão o financiamento da descoberta de petróleo, a criação da Companhia Siderúrgica Nacional e a afirmação da importância da Companhia Docas de Santos, da qual foi presidente por 46 anos. Ele é um dos 24 empresários que compõem a exposição "Pioneiros & Empreendedores", em cartaz no Espaço Cultural Unifor.

Filho de Eduardo Palassim Guinle, Guilherme assistiu na juventude às profundas transformações estruturais pela qual passava o Rio de Janeiro no início do século XX, com o paulista Rodrigues Alves decidido a banir epidemias como varíola, peste bubônica, febre amarela e colocar definitivamente a então capital da República na rota da navegação internacional, tornando os portos mais seguros.

Batismo empresarial

Em meados da primeira década do século XX, ao 25 anos, Guilherme já assumia como executivo das atividades da família ao lado de seu irmão mais velho, Eduardo Guinle Filho. Responsável pelos negócios empreendidos em Salvador, Guilherme teve seu batismo em trabalhos junto ao governo, colocando em prática concessões públicas como a Companha Linha Circular de Carris Urbanos e companhia Trilhos Centrais.

O objetivo era a substituição em todas as linhas de bondes de tração animal por outros de tração elétrica.

Para tal, estreou também na construção de usinas elétricas, com a inauguração da Usina de Bananeira, que forneceria a energia necessária. A empreitada rendeu-lhe ainda um primeiro trunfo extra-empresarial, digamos assim, quando, por meio da política e atuação junto à imprensa, rechaçou a ameaça de Percival Farquhar, líder da empresa estrangeira Bahia Tramway, Light and Power Co.

A experiência lhe foi válida para o desafio ainda maior que estaria por vir, no Rio de Janeiro, para onde voltou em 1912. Após o falecimento de seu pai, ele ingressou na diretoria da Companhia Docas de Santos e, após a morte do sócio, Cândido Gaffrée, que era também seu padrinho, assumiu a presidência. Abre-se um novo capítulo na história de Guilherme, que toma definitivamente as rédeas dos negócios da família.

Empreendimentos

Entre os entraves marcantes enfrentados por Guilherme durante sua administração estavam a Primeira Guerra Mundial, de 1914 a 1918, que acarretou uma quebra nas atividades portuárias durante o seu desenrolar e uma explosão de demanda após o término; a grande crise econômica de 1929, atrasando obras e prejudicando os negócios da família; a Revolução Constitucionalista de 1932, contra Getúlio Vargas e que teve reflexos diretos na Companhia Docas, paralisada por minas espalhadas no canal de entrada do porto; e a Segunda Guerra Mundial, de 1939 a 1945, travando novamente o movimento do porto.

Longe de acomodar-se, a presidência da Companhia seria apenas um ponto de partida na trajetória de Guinle. Fundou o Banco Boa Vista, em 1930, com o dinheiro acumulado das heranças somado à venda dos ativos familiares ligados à eletricidade.

Nacionalista, ele financiou a descoberta de petróleo no País - fato do qual não chegou a tirar proveito, pois o "ouro negro" foi decretado "reserva nacional" por Getúlio Varga.

O talento para a política possibilitou que, após a descoberta do petróleo e imediata estatização do mesmo, ao invés de se indispor com Getúlio, Guinle tornou-se ainda mais próximo, passando a ocupar a vice-presidência do Conselho Técnico de Economia e Finanças, órgão de planejamento econômico e financeiro do Governo. Sua atuação foi decisiva na criação da CSN, amparado por um discurso nacionalista, contrário à concessão de licença para extração de minérios a estrangeiros.

Com a queda de Getúlio Vargas da presidência, Guinle também afastou-se dos cargos públicos e da CSN, voltando-se novamente aos negócios da família. Faleceu em 1960 ainda ocupando a presidência da Companhia Docas de Santos.

Mais informações:

Exposição "Pioneiros & Empreendedores", até 13 de maio, no Espaço Cultural Unifor (Av. Washington Soares, 1321). De terça a sexta, das 8h às 18h; sábados e domingos, das 10h às 18h. Entrada e estacionamento gratuitos. Contato: (85) 3477.3319

FÁBIO MARQUES
REPÓRTER

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.