Música independente

Show das Cinco: um ano da matinê

Hoje, o guitarrista Lê Almeida (RJ) é atração do aniversário do projeto tocado pelo Mocker Studio

00:00 · 08.11.2015 por Felipe Gurgel - Repórter
Image-0-Artigo-1963381-1
O músico carioca Lê Almeida montou um selo independente e produz shows, além de lançar sua própria música, um indie rock que já ecoa fora do país

O Rio de Janeiro do universo do guitarrista Lê Almeida passa longe daquele que é retratado, via redes sociais, por quem decidiu visitar a Zona Sul da cidade. Ele mora na Baixada Fluminense (região metropolitana do Rio), mas esse recorte não fica restrito, tampouco, ao tripé "violência, funk e tráfico". Lê, 31 anos, tenta se movimentar no contrafluxo dos estereótipos de sua terra. Decidiu gravar em casa, montar um selo (o Transfusão Noise Records), produzir eventos. E ainda faz boa música, transitando pelo indie rock.

Hoje (8), o Show das Cinco, matinê produzida pelo Mocker Studio, completa seu primeiro ano. E apresenta o show de Lê Almeida pela segunda vez (o primeiro aconteceu em junho passado). As bandas locais Lowell e Pulso de Marte também se apresentarão na noite. O projeto mudou de casa e entrou na programação do Berlinda Club, recém-inaugurado.

A sonoridade de Lê Almeida, de cara, remete à escola do indie (Sonic Youth, Dinosaur Jr.). A curtíssima "Free Gordon", single recém-lançado com menos de dois minutos de duração, trata-se de um aperitivo de seu som, que acabou ficando de fora do último EP, "Paraleloplasmos" (2015). Ouvindo o single, nota-se a guitarra no comando: "arrastada", pesada, porém lírica, e "embolada" com a voz.

Carreira

O EP "Paraleloplasmos" foi lançado em diferentes formatos (MP3, K7) nos Estados Unidos. Além de experimentar diversas sonoridades com isso, variando os suportes, Lê Almeida mostra como sua carreira tem um trânsito "natural" fora do País. O clipe de "Fuck the New School", um instrumental que dura 10 minutos sem soar enfadonho, lembra o clima dos "inferninhos" undergrounds.

O guitarrista começou a gravar em 2004, mantendo uma bateria no quintal de sua casa, em São João do Meriti, município da Baixada. Gravando a si e os outros, reuniu um "casting" de bandas locais e a movimentação começou a ecoar além do subúrbio. Antes de aportar em Fortaleza, ele fez show na última sexta (6), pelo Festival DoSol (RN), um dos grandes festivais do circuito independente hoje.

Aniversário

Um ano atrás, o Show das Cinco estreava, no Amici's (Praia de Iracema), com shows do The Baggios (SE), Boogarins (GO) e Capitão Eu e os Piratas Vingativos (CE). A mescla de atrações locais, e de outros estados, do cenário independente, marcou a proposta da festa desde o início.

Aos cuidados do Mocker Studio, a iniciativa comprou "outro risco" de mercado, além de escalar na programação somente artistas autorais: cada edição ficou de iniciar a partir das 17h, a fim de terminar a festa cedo.

"Na minha opinião, isso deveria ser mais praticado na cidade. Possibilita que gente mais nova ou que ande de transporte público possa frequentar os shows. (Pois) tratar shows independentes como balada, com bandas tocando no meio da madrugada e sem hora pra acabar, acaba afastando muita gente que gostaria de ir", avalia Igor Miná, um dos organizadores.

"No (show) do Lupe de Lupe, antes das 22h os três shows da noite já haviam terminado", exemplifica. Igor argumenta que o Show das Cinco trouxe à cidade artistas que talvez não teriam passado por Fortaleza pelas mãos de outra iniciativa. "O próprio Lê (Almeida), Boogarins, o Aldo the Band, são respeitados nacionalmente, mas ainda têm pouco eco por aqui", observa.

O perfil de público alcançado pela festa, segundo Igor, é definido por jovens "com mais de 25 anos", parte de "uma audiência de gente super nova e totalmente desassistida em termos de curadoria de shows na cidade. É incrível ver essa galera, que às vezes ainda está no colégio, já consumir tanta coisa que passa longe das rádios", percebe o produtor.

Da memória pessoal, Igor Miná escolhe alguns momentos que marcaram esse primeiro ano do Show das Cinco. "Todas as edições foram incríveis, cada uma do seu jeito. Mas dá pra destacar o showzaço do Aldo (the Band), a lotação do (show do) Far From Alaska e a fidelidade e entrega do público do Lê (em junho passado)", recorda. Sobre nomes que a produção vislumbra trazer a Fortaleza mais adiante, ele despista. É que "vontade, a gente tem de trazer muita gente. Não digo quem, porque dá azar (risos)", brinca.

Mais informações

Show das Cinco com Lê Almeida (RJ), Lowell (CE) e Pulso de Marte (CE). Hoje, às 17h, no Berlinda Club (Rua Dragão do Mar, 198, Praia de Iracema). Discotecagem: Lenildo Gomes. Ingressos: R$ 30 (inteira), R$ 15 (meia na porta e antecipado para todos pelo site Eventick). Contato: (85) 98867.2278

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.