Cinema

Reflexões em cena

Segunda edição do Cine Rebuceteio mantém o foco e debate acerca de um inédito e instigante cinema brasileiro

00:00 · 19.06.2017 por Antonio Laudenir - Repórter
De cima para baixo: cenas do longa "Planeta Escarlate" e do curta "Aquele cara" (última)

Ao imaginar e edificar o universo de "Oh! Rebuceteio", Cláudio Cunha (1946-2015), então diretor e também ator, pouco podia prever o quanto esta obra seria capaz de reverberar ao longo das décadas. Taxado de "maldito", "pornochanchada barata", o filme angariou adeptos, novas visões críticas e continua como uma produção seminal na sétima arte. Entretanto, Cunha e seu personagem, o icônico Nenê Garcia, tinham em mente a ideia de incomodar, de partir para o embate.

Muito desse teor militante, de se perder no estranhamento de uma obra cinematográfica, reside na medula do Cineclube Rebuceteio. A iniciativa, cujo nome homenageia a cria de Cunha citada anteriormente, lança luz sobre outro tipo de produção brasileira. Interessa exibir, comentar e divulgar filmes totalmente distantes da realidade das salas multiplex presentes em shopping centers.

A segunda edição do Cineclube Rebuceteio acontece hoje, às 19h, no Cinema do Dragão localizado no Centro Cultural Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC). Com a proposta de mensalmente exibir filmes brasileiros contemporâneos e inéditos na capital cearense, esta noite conta com a sessão dupla do curta-metragem "Aquele Cara" (2013) e do longa-metragem "Planeta Escarlate" (2016).

A entrada é gratuita e após a exibição o público conta com debate protagonizado pelo diretor Dellani Lima.

Ambos os filmes entrelaçam as trajetórias dos realizadores Dellani Lima e Jonnata Doll. O primeiro, homem nascido em Campina Grande, é diretor e trabalhou ao lado do músico cearense (Doll) no curta "Aquele Cara".

Esta parceria evoluiu para a idealização de um projeto em conjunto mais ambicioso; daí, três anos depois, ambos assinaram a direção da obra "Planeta Escarlate".

Antes de se ater diretamente às produções que estrelam a segunda edição do Cine Rebuceteio, vale destacar as carreiras destes dois artistas nordestinos.

Dellani Lima é cineasta, músico, produtor e diretor de fotografia brasileiro. Formou-se em Cinema na Universidade Federal Fluminense (UFF) e embora nascido na Paraíba, foi criado em Fortaleza.

Foi Curador e jurado de projetos no Brasil: Mostra Vídeo do Itaú Cultural, Indie - Mostra de Cinema Mundial, Mostra do Filme Livre e III DOCTV (MG).

Desde 2000, vive e trabalha em São Paulo e Belo Horizonte, onde realizou vários projetos, inclusive relacionados à música. Com um trabalho que passeia pelas técnicas digitais de manipulação e da gravação de baixa resolução e baixa fidelidade, uma das principais preocupações deste artista é buscar a poesia da imagem no cotidiano. Ou seja, seu olhar se alimenta do caseiro, da realidade, mas com códigos da dramaturgia e paradigmas da arte conceitual.

Entre os trabalhos desenvolvidos por Dellani estão os filmes "Sobre o Amor em Tempos Difíceis" (2004), "O Céu está Azul com Nuvens Vermelhas" (2006), "O Sonho Segue Sua Boca" (2007), Sociedade dos Amigos do Crime (2009). Paralelamente, o autor fez vídeos de música para artistas independentes como Autoramas, Lê Almeida, Graveola e o Lixo Polifônico, Sara Não Tem Nome, Jonnata Doll e Os Garotos Solventes, Lucy e The Popsonics e Lulina. Foi justamente essa paixão pela música underground brasileira o vetor responsável por aproximar Dellani de Jonnata Doll.

Com uma musicalidade fincada no subúrbio de Fortaleza, precisamente nas ruas do bairro Álvaro Weyne, Jonnata despontou para a cena local ainda no fim da década de 1990. Através do grupo Kohbaia integrou uma geração de bandas de garagem que reunia nomes como Dress, Velocípede, Duck Head, Veida, Psico Indie, Rebel Rockets, Belasco, Alcalina, K-Waves e Bonecas da Barra.

Com a dissolução da Kohbaia, Jonnata investiu na carreira solo, arregimentou amigos e músicos próximos e construiu toda uma aura cult ao redor de sua musicalidade.

Atualmente, o bravo Jonnata reside na metrópole paulista de lá comanda seu ataque marginal e sonoro. O olhar inventivo do cearense rendeu o recente disco "Crocodilo", dono de elogiosas críticas pelo País.

Produções

O documentário/experimental "Aquele Cara" apresenta-se como um manifesto pela liberdade individual em tempos de conservadorismo, uma "prosa biográfica sobre Jonnata Doll". Sob a lente de Dellani, o músico mergulha em sua identidade pessoal e profissional e a obra conseguiu ser projetada em importantes festivais de cinema, como o Kinoforum e a Mostra do Filme Livre.

Já em "Planeta Escarlate", Dellani e Jonnata compartilham o cargo de diretor. Ainda durante a pré-estreia, durante a 19ª Mostra de Cinema de Tiradentes realizada em janeiro de 2016, Dellani descreveu que o filme é inspirado livremente num conto escrito pelo músico.

"Eu estava muito afim de fazer um filme no interior. Com uma ideia de cinema de interiores (temática e geograficamente). Após uma conversa com o Jon, ele lembrou desse conto e me propôs adaptá-lo", detalhou o cineasta.

Produzido de forma independente, "Planeta Escarlate" contou com pré-produção de dois meses e as gravações duraram cerca de sete dias na cidade de Conceição de Ipanema MG.

No enredo, um ex-viciado (interpretado pelo próprio Jonnata Doll), vive atormentado pelo fantasma da ex-namorada morta por overdose. Na batalha pela desintoxicação, o personagem testemunha a passagem de um misterioso planeta sobre o eixo da Terra.

Muitos acreditam em mudanças drásticas no comportamento humano, outros no fim do planeta. Ele apenas acredita no amor e tenta de tudo largar o vício em meio a fenômenos sobrenaturais e problemas sociais.

Além de Doll, o elenco é completo por Laila Pas, Biagio Pecorelli, Edson Van Gogh e Marcelle Louzada. A trilha sonora foi assinada por Miguel Javaral.

Instintivo

Por telefone, na correria do trânsito paulista, Jonnata explica que a "direção" foi uma experiência instintiva. "Criei a história, tinha ela na cabeça. Nunca estudei cinema e fomos tendo ideias juntos, nos reuníamos e íamos escrevendo os diálogos", relembra o cearense.

O músico explica que o filme tem uma pegada que envolve o gênero faroeste, isolação e uma trama repleta de personagens sem lei. Fala de confrontar a si mesmo diante de fenômenos bem maiores do que a compreensão humana.

Coordenado pelo professor do curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal doCeará (UFC), Marcelo Ikeda, o Cine Rebuceteio nasce da necessidade de exibir esses filmes contemporâneos - produzidos nos últimos dois anos - e inéditos na cidade. Sobre o teor desta segunda edição, Ikeda destaca que estas obras evidenciam todo um território produtivo cearense.

"Sua obra (Jonnata) combina uma relação muito potente entre criação e vida, um sentimento muito forte de liberdade e independência de todos os padrões. O longa e o curta falam exatamente disso. É incrível ver Jonnata como ator e diretor, e a parceria com Dellani, com sua trajetória no cinema, potencializa esse gesto criativo", resume.

Mais informações:

Cine Rebuceteio, com os filmes "Aquele Cara" e "Planeta Escarlate", de Dellani Lima e Jonnata Doll. Hoje, às 19h, no Cinema do Dragão (Rua Dragão do Mar, 81, Praia de Iracema) Gratuito.

Contato: (85) 3488.8600

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.