EXPOSIÇÃO

Poética da vida

04:29 · 12.03.2011
"Ninguém tinha visto" é uma das obras que foram selecionadas para compor a mostra do Itaú Cultural. Data de 1988 e Leonilson utilizou acrílico sobre madeira
"Ninguém tinha visto" é uma das obras que foram selecionadas para compor a mostra do Itaú Cultural. Data de 1988 e Leonilson utilizou acrílico sobre madeira ( )
Em 1982, o artista fez uso de acrílica sobre napa para conceber o trabalho "Quem morre comigo". A mostra que começa em São Paulo contará com mais de 300 obras do cearense
Em 1982, o artista fez uso de acrílica sobre napa para conceber o trabalho "Quem morre comigo". A mostra que começa em São Paulo contará com mais de 300 obras do cearense ( )
O cearense Leonilson foi homenageado com exposição no Espaço Cultural Unifor
O cearense Leonilson foi homenageado com exposição no Espaço Cultural Unifor ( )
A exposição contou com cerca 40 obras e 70 objetos colecionados pelo artista
A exposição contou com cerca 40 obras e 70 objetos colecionados pelo artista ( )
( )
A exposição "Sob o Peso dos Meus Amores" exibe mais de 300 obras, muitas inéditas, do artista visual Leonilson. A mostra abre na próxima quarta no Itaú Cultural de São Paulo

Uma poética traçada pelo desejo (quase uma necessidade), de captar a essência da vida. Costurada em meio a fragmentos íntimos de um homem e de um artista movido a pulsão irreprimível de criar. Em Leonilson a arte se transforma em puro sentimento, luminoso, sincero e apaixonante. Sem máscaras e sem rodeios.

O artista compôs trabalhos autobiográficos, povoados por afetos, palavras, poesia, desenhos, pinturas, bordados e instalações. Elaborou uma espécie de arquivo de vida utilizando sua produção como suporte, além de outros mecanismos que também serviam a catalogação de seu cotidiano, a exemplo de: agendas, diários, cadernos e fitas gravadas.

Na década de 80, Leonilson fez parte da geração que revolucionou o meio artístico brasileiro com a retomada da pintura. Mas, é nos primeiros anos da década de 90, que ele se firma como um de nossos destaques no panorama cultural com uma obra contundente, debruçando-se sobre os dramas e as angústias do homem contemporâneo por meio de uma produção que tinha nos traços e tonalidades delicadas dos desenhos e fragilidade dos bordados sobre tecidos como o voile, uma nova temporalidade para sua obra.

Retrospectiva

Diante de um universo tão amplo, os curadores Bitu Cassundé e Ricardo Resende, que também coordena o Projeto Leonilson, desde 1996, vêm se dedicando há seis meses a curadoria da exposição "Sob o peso dos meus amores", que abre no próximo dia 16, no Itaú Cultural, na cidade de São Paulo.

Segundo Cassundé, a mostra, que recebe o nome de uma das obras do artista, conta com mais de 300 trabalhos, instalação, debates e a oficina de animação Click Play, para crianças, onde elas aprenderão a criar personagens em stop motion e produzir vídeos inspirados nas obras da exposição.

Paralelo a mostra haverá a apresentação dos espetáculos de dança "O tempo da paixão ou O desejo é um lago azul" (2004), da Companhia da Arte Andanças de Fortaleza, coordenada pela coreógrafa Andréa Bardawil; e "El Puerto" (2006) e "Dedicate" (2010), de Marcos Sobrinho, todos eles inspirados na produção de Leonilson.

A mostra também se expandirá para fora do espaço Itaú Cultural. A partir do dia 20 de março, será remontada a instalação "Sobre duas figuras" (1993), mais conhecida como "Capela do Morumbi", o local onde foi projetada pela primeira vez. Essa é uma obra póstuma que não chegou a ser vista pelo autor, que faleceu pouco antes.

"A exposição tem como eixo temático alguns aspectos estudados por mim na minha dissertação de mestrado. Assim, Ricardo e eu buscamos explorar como a palavra se localiza na obra de Leonilson, a forte ligação taxinômica em sua produção, e a ideia da obra como um grande arquivo, como a vida foi projetada e construída nela", explica o curador Bitu Cassundé.

Para Ana Lenice, irmã do artista e diretora do Projeto Leonilson, a exposição é resultado da parceria da instituição com o Itaú Cultural. "O Itaú estar digitalizando nosso material impresso. A parceria já faz um ano. A exposição traz muitas novidades, até mesmo para mim. Há muitas obras que só tinha visto por fotografias, como dois desenhos de Leonilson que vem do MoMA de Nova York. Há também obras dos acervos do Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro, Museu de Arte Moderna de São Paulo e de colecionadores particulares. Vejo a exposição com muita emoção", diz.

A amiga e curadora Dodora Guimarães também anseia em ver a maior individual de Leonilson já realizada. "Fui mais que amiga de Leonilson, eu fui quem o representei aqui em Fortaleza. Nós começamos praticamente na mesma época. Ele era muito intenso em tudo aquilo que fazia. Leonilson parecia que tinha pressa de viver, tudo na vida dele acontecia rápido. Ele era dono de uma pintura livre, lúdica e alegre. Leó é um artista muito interessante, ele foi a luta, tinha vontade de mostrar seu talento", ressalta.

Outros destaques

"Sob o peso dos meus amores" traz ainda como destaque o autorretrato "Mirror", assemblagem de feltro bordado e com costura, realizado por Leonilson nos anos 1970, e a vinda pela primeira vez ao Brasil da coleção do também artista e grande amigo Albert Hien.

Pela sua dimensão e importância, esta coleção vinda de Munique ocupa todo o primeiro subsolo do espaço expositivo do instituto e apresenta 71 obras - quatro de autoria de Hien, 66 assinadas por Leonilson, e uma instalação nunca antes exibida no país: "How to Rebuild at Least One Eight Part of the World" feita a quatro mãos pelos dois artistas. A maioria das obras são inéditas.

Segundo Ricardo Resende, o diálogo que Leonilson e Hien estabelecem em seus trabalhos impressiona. "É como se fossem um espelhamento de obras. Eles se reviram um na produção do outro. A diferença é que em Hien impera o sentido da forma; em Leonilson o que pesa mais são as relações interpessoais, mas sobre as mesmas formas".

A distribuição das obras de Leonilson é estruturada a partir de mapotecas, módulos onde estarão expostos trabalhos do artista, em que o público poderá manipulá-los. Haverá trabalhos nas paredes e a projeção de oito das agendas do artista que foi recentemente digitalizada pelo Itaú Cultural. (ACS)

MAIS INFORMAÇÕES

Exposição " Sob o peso dos meus amores", com curadoria de Bitu Cassundé e Ricardo Resende. Em cartaz até 29 de maio no Itaú Cultural, em São Paulo. Entrada gratuita.

A arte de Leonilson no Espaço Cultural Unifor

Em 2009, o artista cearense teve obras expostas no Anexo do Espaço Cultural Unifor. A individual contou com cerca de 40 obras e 70 objetos colecionados por ele

Na exposição "Diário de Bordo: uma viagem com Leonilson", realizada em fevereiro de 2009,o Anexo do Espaço Cultural da Universidade de Fortaleza (Unifor) trouxe um pouco do universo lúdico e do espírito colecionador do artista visual.

A mostra levou ao público cearense cerca de 40 trabalhos e 70 objetos colecionados por ele, distribuídos entre brinquedos de natureza variada: navios, aviões, macaquinhos de madeira, mapas, jogos, entre outros. Dispondo ainda de recursos audiovisuais, como vídeo.

Segundo Ricardo Resende, que, também, assinou a curadoria desta exposição, a individual funcionou como ponto de partida para crianças e adolescentes, artistas em formação, educadores e a todos que se interessem por arte, construírem suas próprias reflexões sobre a produção contemporânea. Tudo numa proposta de interação lúdica-educativa com cores, desenhos e formas.

Além disso, possibilitou o conhecimento sobre as obras autobiográficas de Leonilson. "Leó desde pequeno viajava muito, ele era um indivíduo do mundo, um imigrante por excelência. Por isso, a exposição faz referência ao seu caráter de ser viajante. Os brinquedos presentes na mostra foram comprados por ele, nos diversos lugares por onde passou. Serviam, inclusive, de inspiração para alguns de seus trabalhos", explicou o curador na época.

ANA CECÍLIA SOARES
REPÓRTER

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.