Música

Os caracteres de Dalwton e Rogério

A parceria entre os compositores Dalwton Moura e Rogério Franco é registrada no disco "Futuro e Memória"

Em sentido horário: Teti, Rodger Rogério, David Duarte, Calé Alencar e Katia Freitas, alguns dos cantores e intérpretes convidados para dar voz às composições de "Futuro e Memória"
00:00 · 28.03.2018 por Felipe Gurgel - Repórter

A ideia de trabalho "solo" pode ter um apelo muito individualista. Quando um autor decide criar forma para suas ideias, uma série de visões, manias e idiossincrasias ganha expressão artística. É comum que esse seja o tom (não a regra) de uma investida solo nas artes.

Nesse ponto, surpreende a criação de projetos como o álbum "Futuro e Memória", dos compositores cearenses Rogério Franco e Dalwton Moura. Cantado por vários intérpretes, o repertório de 12 faixas será lançado nesta quinta (29), no Teatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC). O disco lembra (poucos) álbuns de formato similar do cenário local, como "Movimento" (2010), produzido pelo músico Gustavo Portela.

"Desde o início a ideia era fazer um disco coletivo. É muito legal a lembrança desse álbum do Gustavo: ele é um aglutinador da geração dele. A diferença é como cada um foi feito. Ele fez sessões (no mesmo estúdio), e reuniu todo mundo para gravar. Nós fizemos várias sessões em diferentes momentos e estúdios", detalha Dalwton em entrevista.

Também jornalista e produtor cultural, ele observa que fazer um disco marcado por "tantas mãos" se justifica pelo encontro de gerações. Há intérpretes do cenário musical local da década de 1960, como Téti e Rodger Rogério (irmão de Rogério Franco); dos 80 (Calé Alencar); 90 (Kátia Freitas, David Duarte, Edmar Gonçalves) e até dos anos 2000 (Gilmar Nunes, Paulo César Oliveira).

"Congregar muita gente não deixa de ser, também, algo dessa metáfora de 'Futuro e Memória', né? Tem uma memória da música cearense de várias gerações, mas apontando para o futuro também", reflete Dalwton.

A parceria com Rogério Franco surgiu através de Rodger Rogério, um dos compositores "malditos" do Pessoal do Ceará. Os dois são irmãos, também, de Pedro Rogério (que vai cantar no show, no lugar de Rodger).

Dalwton Moura trabalhou na divulgação de shows de Rogério Franco, e se aproximou do parceiro que já tinha dois discos gravados. "Ele começou a fazer música no final da década de 1980, e se consolidou nos 90', pontua o jornalista.

Aperitivo

Dalwton situa que as 12 canções de "Futuro e Memória" são apenas uma parte da produção da dupla. "Várias não entraram no disco. (Para cantar) a maioria dos intérpretes foi apresentada à canção antes de gravar. Uma exceção foi o Rodger Rogério ("Uma canção a mais"), que já tinha incorporado a música ao repertório dele", observa Dalwton.

O jornalista detalha que a maior parte das letras é de autoria dele, enquanto Rogério Franco assina a parte instrumental do álbum.

Indagado sobre seu olhar dedicado à música do Ceará, Dalwton Moura recorda que o interesse foi reforçado com a prática jornalística, exercida de 16 anos pra cá.

"Comecei a trabalhar no (jornalismo) impresso em 2002, na área de cultura. E sempre me chamou atenção a qualidade e diversidade que a gente tem da música feita no Estado. Salta aos olhos, embora não tenha a visibilidade proporcional a isso", aponta.

Ele enfatiza que não se trata de bairrismo. "Essa militância é bem consciente. Gosto da música do Brasil, do mundo, independente do local em que é produzida. Hoje (vejo que) a gente tem um cenário que afirma bem mais a música do Ceará, tanto no público, como nos meios de comunicação. As novas gerações já conseguem ter esse olhar. O desafio é que o público local reconheça ainda mais", complementa.

Disco

Para o show desta quinta, a maioria dos intérpretes do disco estará no palco, com exceção de Paula Tesser, Zé Luiz Mazziotti, Paulo César Oliveira e Eudes Fraga. A banda de apoio será formada por Luciano Franco (guitarra e baixo), Robson Gomes (piano) e Igor Ribeiro (percussão).

Dentre os convidados especiais, estarão Caio Castelo (teclado, que também assina a arte do disco), Hermano Faltz (guitarra) e Ricardo Abreu (trompete).

Na abertura de "Futuro e Memória", Zé Luiz Mazziotti canta a faixa-título em tom melancólico, e envolvido por um formato minimalista de voz, piano e violoncelo.

Sem deixar de lado a ênfase na melodia, o repertório dá uma guinada pop na sequência, com a interpretação da cantora Kátia Freitas para a composição "Mais que sonhar".

A faixa virou single do álbum e ganhou um "lyric video" (clipe que inclui a letra da música), com as mesmas imagens dos postais e do encarte do álbum, feitas por Luiz Alves. O arranjo minimalista de "A quem sonhou o amor" destaca a voz de David Duarte e o discurso poético que predomina em todo o repertório.

A jazzística "Uma canção a mais", interpretada por Rodger Rogério, homenageia Augusto Pontes e Dona Mona (mãe de Rodger e Rogério Franco). A versão foge um pouco da delicadeza das faixas anteriores, e constrói um tom mais delirante, reforçado pelo trompete de Ricardo Abreu.

Sutileza

A delicadeza é retomada na sequência, com a interpretação da cantora Téti para "Reinvenção", trilha que evoca "pé na estrada" (na sonoridade e na letra). Rogério Franco aparece como intérprete na dramática "O que virá". A faixa conta com o violão do solista Nonato Luiz, referência local no instrumento.

Paula Tesser é a terceira voz feminina do repertório, e canta "Surpresas" (esse ponto atesta como as três faixas cantadas por mulheres são destaques do álbum). "Tudo em Nós", com Edmar Gonçalves nos vocais, remete ao clima estradeiro de "Reinvenção".

Já o trunfo de "Vida-sol", maracatu cantado por Calé Alencar, é encontrar outro rumo para a sequência do repertório. Nas faixas anteriores, o disco segue uniforme. "Vida-sol" interrompe sutilmente esse tom, com ênfase no arranjo percussivo tão característico do ritmo.

Disco

Futuro e Memória
Dalwton Moura e Rogério Franco

Independente
2018, 12 faixas
Disponível nas plataformas digitais

Mais informações

Show de lançamento do disco "Futuro e Memória", de Dalwton Moura e Rogério Franco (CE), com vários intérpretes. Nesta quinta (29), às 20h, no Teatro do Dragão (R. Dragão do Mar, 81, Praia de Iracema). Ingressos: R$ 30 (inteira + CD) e R$ 15 (meia). Contato: (85) 3488.8600

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.