Repercussão

Diretor do museu sacro de Sobral alerta para insegurança da maioria dos museus

O Museu Dom José Tupinambá tem o prédio tombado, mas não tem recursos para fazer uma reforma que reduza riscos de incêndio

16:28 · 03.09.2018 / atualizado às 16:33 por Felipe Gurgel
museu sacro
Acervo do Museu Dom José Tupinambá de Sobral (CE) também corre riscos

O diretor do Museu Dom José Tupinambá de Sobral (CE), o arquiteto Antenor Coelho, alerta que o risco de incêndio no equipamento "é o risco de quase todo museu histórico no Brasil, já que o prédio é muito antigo". O gestor avalia que o recurso do poder público garante a manutenção do dia a dia. Porém, uma reforma ideal, levando em conta a estrutura antiga, como a preservação dos pisos de madeira, por exemplo, custaria bem mais cara. O equipamento cultural é um dos maiores museus de arte sacra do País.  

"Tem a manutenção da coberta, e seria necessário trocar todo o madeiramento. O Iphan (Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, que tombou o prédio) aprovou um projeto de reforma pelo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). Mas as verbas foram cortadas quando o (Michel) Temer assumiu (a presidência)", pondera o diretor. 

O Museu Dom José Tupinambá pertence a Diocese de Sobral e é mantido, hoje, pela Universidade do Vale do Acaraú (UVA), do Governo do Estado, com apoio da prefeitura do município. "Os poderes que existem em Sobral apoiam o museu. Mas pela idade e estrutura do prédio, as reformas exigiriam um cuidado maior. O madeiramento e a fiação são antigas. A gente só tem recurso pra fazer obras preventivas e manter minimamente o que vem dando problema", detalha Antenor Coelho.

Museu não tem plano de contenção aos domingos

Enquanto o museu é gerido nessas condições, o diretor coloca que, para a prevenção de incêndio, o equipamento tem à disposição extintores de incêndio. Aos domingos, quando o museu está fechado e os funcionários estão de folga, não existe plano de contenção. 

Antenor conta que o Corpo de Bombeiros fiscaliza as condições de funcionamento do equipamento, mas isso não garante "um plano de incêndio que nos dê segurança". O gestor detalha que assina, a cada ano, um contrato de manutenção do expediente do Museu Dom José Tupinambá junto a Prefeitura Municipal de Sobral, a fim de garantir uma verba de R$ 3 mil por mês.

O gestor acredita que, com a tragédia que destruiu o acervo do Museu Nacional do Rio de Janeiro (RJ), a sociedade e a própria comunidade museológica devem olhar com mais atenção para a segurança dos equipamentos. 

> Equipamentos culturais do Estado aguardam execução de plano de conservação e combate a incêndio

"Um acidente grave desses serve para isso também, para se abrir os olhos. O Museu da Língua Portuguesa (SP) foi incendiado há três anos. O próprio Instituto Brasileiro dos Museus (Ibram) fala em inclusão digital, em educação, mas quando vão falar da segurança dos museus?", questiona Antenor Coelho.

Material exposto no museu sobralense é "muito inflamável

O diretor detalha que, além de exigir um cuidado distinto na manutenção, a estrutura física do prédio do museu sobralense e do material exposto é "muito inflamável". 

"A grande maioria dos expositores e o piso são de madeira. As pinturas são inflamáveis, com materiais mais inflamáveis ainda. Na parte mais antiga, no casarão que dá para a Avenida Dom José, é teto de madeira antiga, o mobiliário europeu também", alerta. 

Para Antenor, a sociedade brasileira não tem a dimensão de como o acidente com o Museu Nacional "é grave para toda a humanidade. É a história virando pó. É triste o desinteresse pelos museus nesse País", lamenta. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.